Leni T. Casimiro • John Wesley Taylor V

Nutrindo a fé por meio do aprendizado on-line

Parte 2: Implementando a integração da fé

Diante da escalada das tendências globais na utilização de modalidades on-line para ensino e aprendizagem, talvez um dos maiores desafios para os educadores adventistas seja este: como podemos adaptar o ensino on-line de modo a nutrir a fé dos estudantes? Como podemos fornecer experiências on-line que incorporem um claro senso da identidade e missão adventista do sétimo dia?

No artigo anterior desta série de duas partes (ver Nutrindo a Fé por Meio do Aprendizado On-line, Parte 1), exploramos como os professores adventistas podem incorporar experiências que nutrem a fé ao planejar o ensino on-line. Este plano intencional de integração da fé começa pela definição da concepção pedagógica e a preparação do plano de estudos, que, por sua vez, guiam a apresentação dos módulos do curso e os materiais didáticos. De igual importância é a preparação pessoal do professor que deve trazer uma perspectiva bíblica centrada em Deus para o curso de estudo.

Passamos agora da concepção e desenvolvimento da aprendizagem on-line à sua implementação. Embora várias estratégias práticas possam nutrir a fé dos alunos matriculados em cursos on-line, consideraremos estratégias representativas testadas por professores que podem ser agrupadas em três grupos: contextual, conceitual e experiencial.1

Estratégias contextuais: construindo comunidades de aprendizagem que levam a comunidades de fé

Na aprendizagem on-line, construir uma comunidade de aprendizagem é um objetivo primordial, e sua realização determinará a segurança e o sucesso da experiência on-line.2 Isso pode ocorrer de várias maneiras, tais como: discussões em grupo, projetos colaborativos, pesquisa em grupo e orientação de alunos.

Um dos principais objetivos da educação adventista é construir de maneira proativa comunidades de fé carinhosas e conectadas. Alcançar esse objetivo contribui diretamente para o desenvolvimento espiritual dos alunos, já que pertencer muitas vezes precede o acreditar.  Stephen e Mary Lowe observam, por exemplo, que “um cristão não pode alcançar uma reflexão pessoal completa da plenitude de Cristo sem conexões vitais com um ecossistema vibrante e saudável, como o corpo de Cristo”.3 Essas comunidades de fé, que nutrem cristãos em desenvolvimento, são essenciais para efetuar a transformação completa de uma pessoa na imagem de Cristo.4 É vital, então, tanto nas aulas presenciais quanto nas on-line, que os educadores criem comunidades de aprendizagem que levem à formação das comunidades de fé.

A construção da comunidade geralmente é mais bem realizada fortalecendo a comunicação entre os membros da classe e cultivando o cuidado mútuo. Em uma aula on-line de Estatística, por exemplo, o professor criou uma atividade chamada “Círculo de Amigos das 2h.” Os alunos foram divididos em pares com a tarefa de encorajar uns aos outros bem cedo, todas as manhãs, durante uma semana. “Duas da manhã” simbolizava apenas o período que alguém estaria disposto a sacrificar em prol da oração intercessora por um amigo. Os alunos comentaram que apreciaram o tempo despendido, o que os aproximou ainda mais.

Outra maneira de fortalecer a comunidade de fé on-line é por meio de adoração e experiências devocionais. Começar a aula com uma atividade espiritual é algo costumeiro nas escolas adventistas. Adoração ou momentos de devoção definem a atmosfera espiritual da classe enquanto alunos e professores cantam, oram, leem e ouvem a Palavra de Deus juntos. Conforme as aulas mudam para o ambiente on-line, o toque pessoal do companheirismo na comunhão pode ser mais difícil de se alcançar, mas, com alguns ajustes, é possível. Na verdade, a separação criada pela distância física em uma sala de aula virtual destaca a importância de devocionais on-line interativos, envolventes e criativos.5

Vários aspectos da adoração podem fornecer experiências de fé significativas para os alunos on-line:

  1. Oração: A Escritura ordena: “Venham! Adoremos prostrados e ajoelhemos diante do Senhor, o nosso Criador” (Sl 95:6, NVI).6 Paulo pergunta: “Então, o que devo fazer? Orarei no espírito e também orarei em palavras que entendo” (1Co 14:15, NVT). Convide seus alunos on-line para compartilhar os pedidos de oração, orem juntos por esses pedidos e celebrem as orações respondidas. Além disso, ore com e por seus alunos. Uma oração que você posta em um fórum de discussão ou em uma mensagem privada para um aluno tem uma qualidade duradoura.
  2. Louvor e ação de graças: Somos convidados: “Entrem por suas portas com ações de graças, e em seus átrios, com louvor; deem-lhe graças e bendigam o seu nome” (Sl 100:4); e “Por meio de Jesus, portanto, ofereçamos continuamente a Deus um sacrifício de louvor, que é fruto de lábios que confessam o seu nome.” (Hb 13:15). Compartilhe com os alunos os motivos específicos pelos quais você louva a Deus e peça a eles que compartilhem experiências vividas pelas quais são gratos.
  3. Música: Uma vida focada na fé encontra expressão através da música. “Cantem ao Senhor com ações de graças; ao som da harpa façam música para o nosso Deus.” (Sl147:7). “Falando entre si com salmos, hinos e cânticos espirituais, cantando e louvando de coração ao Senhor” (Ef5:19). Canções espirituais, especialmente se conectadas a um tema ou experiências de vida, são maneiras poderosas de impressionar a verdade de Deus na mente de seus alunos. Embora seja mais difícil cantar juntos em um espaço on-line, você pode postar links para músicas inspiradoras. Você também pode estimular os alunos a participar por meio de gravações pessoais, que você pode revisar e compartilhar com a classe conforme julgar apropriado. O objetivo é maximizar o impacto da música com criatividade e alegria.

Quando envolvemos nossos alunos em devocionais on-line e experiências de adoração, a vida espiritual se desenvolve e a fé é fortalecida. Um aluno on-line, por exemplo, declarou: “Eu realmente gosto dos devocionais on-line. Esta é a primeira vez que participo de uma aula on-line, e acho os devocionais on-line muito melhores do que os devocionais em sala de aula [...] por causa das interações entre os colegas. Passamos tempo suficiente para discutir a Palavra de Deus, compartilhamos problemas [...] no fórum de discussões. Isso não acontece em devocionais em sala de aula que duram apenas alguns minutos.”

Ao se envolver, então, com seus alunos on-line, pergunte-se com frequência: o que posso fazer para construir e nutrir a comunidade de fé em meu curso?

Estratégias conceituais: convidando os alunos a pensar de maneira cristã

Uma maneira pela qual podemos envolver nossos alunos on-line no pensamento cristão é projetando e implementando discussões ricas, que fortaleçam a fé. Maddox, Estep e Lowe nos lembram que “o sucesso de cursos on-line eficazes depende da qualidade da interação nos fóruns de discussão on-line.”7 A área de discussão de um curso on-line serve como o centro de quase todas as atividades de aprendizagem da classe. É onde as interações podem contribuir para o desenvolvimento de habilidades de pensamento de ordem superior, socialização e construção de comunidade.

Seja a discussão em tempo real ou assíncrona, o benefício dessas interações pode superar o que é lido em livros ou obtido através de atividades e tarefas tradicionais, pois envolve conectar o conteúdo do curso à própria experiência, expressando-a, esclarecendo ideias dissonantes, fazendo resoluções e possivelmente mudando o curso de ação de alguém. Porque o objetivo é a transformação espiritual, os alunos devem ter oportunidade de falar sobre sua fé, suas experiências com Deus e os princípios bíblicos, e não apenas ler sobre eles.

Muitos dos benefícios das discussões on-line são alcançados por meio de perguntas bem elaboradas e interações cuidadosamente facilitadas. Conduzir a classe a discussões que fortalecem a fé é uma tarefa importante de um professor cristão e um princípio orientador para uma facilitação eficaz. Por meio de discussões que fortalecem a fé, os alunos on-line podem:

  • Descobrir os princípios bíblicos nas disciplinas. Um intercâmbio vivo de ideias entre os membros da classe pode fornecer aos alunos aplicações práticas dos princípios bíblicos, ajudar a esclarecer áreas pouco claras e confirmar o valor de olhar para as disciplinas através das lentes das Escrituras. Jesus exemplificou o uso do questionamento para levantar pontos importantes. Ele perguntou, por exemplo, “'Quem vocês dizem que eu sou?'” (Mt 16:15) para esclarecer os pontos de vista e expectativas de Seus alunos em relação ao Messias.
  • Esclarecer as suposições, avaliando como elas se alinham com a cosmovisão bíblica. Os tópicos de discussão podem incluir: a natureza da disciplina e como ela deve ser examinada; a origem, o significado, o propósito da vida; e a natureza da verdade e realidade; bem como nosso relacionamento com Deus, com outros seres humanos e com o mundo ao nosso redor.
  • Rastrear o grande conflito. Todas as dimensões da vida são afetadas pelo conflito entre o bem e o mal. O tema do grande conflito é, na verdade, a narrativa que dá sentido à vida. Aqui, exploramos as maneiras como nossa disciplina tem sido por esse conflito cósmico.
  • Criar soluções para problemas usando princípios bíblicos. A aprendizagem baseada em problemas fornece a aplicação direta de teorias e princípios. Os alunos podem ser solicitados a resolver problemas da vida real usando princípios bíblicos e ferramentas aprendidas em sala de aula.
  • Desenvolver consciência e compromisso para se envolver na missão de Deus. Por meio do fórum de discussão, podemos aumentar a conscientização de nossos alunos sobre as oportunidades de se engajar na missão como uma extensão ou resultado do tema da aula. A participação e o compartilhamento de experiências missionárias podem levar os estudantes ao compromisso de vida de se engajar na Grande Comissão (Mt 28:18-20).8

Outra maneira importante de convidar seus alunos a pensar sobre a vida e aprender a partir de uma perspectiva cristã é examinar questões da vida real. Existem questões éticas em todas as disciplinas e áreas de estudo. Algumas dessas questões são interdisciplinares, como o direito à privacidade, vegetarianismo, discriminação, liberdade de expressão, exploração de recursos naturais e plágio. Outras questões podem ser mais específicas às disciplinas, como políticas de imigração, assentamentos precários, débito nacional e ajuda externa e eliminação de resíduos em geografia ou estudos sociais; aquecimento global, clonagem, direitos dos animais, eutanásia e energia nuclear na ciência; ou pirataria, invasão de domínios, “netiqueta” e propriedade intelectual em cursos de tecnologia.

Quando consideramos um assunto, talvez apresentado como um estudo de caso, o objetivo é ajudar nossos alunos a desenvolver o raciocínio ético a partir de uma perspectiva bíblica. Nessa área, há duas considerações principais: (a) Que propósito Deus pretendia para essa área da atividade humana? e (b) Que resposta bíblica é necessária? Ao longo de nosso estudo, precisamos buscar identificar princípios orientadores e valores morais com a intenção de ensinar a “distinguir entre o santo e o profano e [...] discernir entre o imundo e o limpo” (Ez 44:23, ARA).

Ao implementar o aprendizado on-line, pergunte-se: quais são as questões críticas nas disciplinas que ensino? Como posso abordar essas questões de forma a contribuir para o desenvolvimento moral de meus alunos?

Estratégias experienciais: incentivando os alunos a viver uma vida de Fé

Joanne Jung observa que “no coração de um grande professor está o desejo de investir nos alunos, de causar um impacto que produza diferenças observáveis em sua vida”.9 À medida que ensinamos nossas disciplinas, tanto presencialmente quanto on-line, o aprendizado deve estar conectado à vida. A fé deve se ligar à experiência.

Uma maneira de incentivar os alunos a viver uma vida de fé é promover uma reflexão cuidadosa. Isso pode ocorrer de várias maneiras, tais como: (a) dando tempo para reflexão, (b) colocando questões para introspecção e contemplação, e então (c) pedindo aos alunos que documentem esses processos.

A reflexão, na verdade, é um componente-chave na aprendizagem ativa.10 A aprendizagem ativa ocorre quando os alunos têm a oportunidade de refletir sobre sua própria aprendizagem para esclarecer seus pensamentos, confirmar sua compreensão e eliminar equívocos. A reflexão é ainda mais importante quando o objetivo é o crescimento espiritual, pois promove uma conversa íntima e profunda com Deus (Sl 139:23, 24).

Em uma aula de ciências, por exemplo, podemos pedir aos alunos que examinem a relação entre fé e ciência: como a fé se relaciona com a ciência? De que forma a ciência se relaciona com a fé? O que o cristão deve fazer se a fé e a ciência parecem contradizer-se? Também podemos encorajar os alunos a explorar as evidências relacionadas aos processos de criação e restauração no mundo natural. Para documentar o processo contemplativo, os alunos podem ser solicitados a registrar seus pensamentos em um diário reflexivo.

Em uma aula de matemática, ao estudar coeficientes, podemos perguntar: “com o que você compararia os coeficientes positivos e negativos em sua vida?” E peça aos alunos que “escrevam em seu diário um ou mais exemplos de como as influências positivas melhoraram sua vida ou como as influências negativas podem reduzir a qualidade de sua vida”. No tópico da linha numérica, podemos pedir aos nossos alunos que considerem que existe um número infinito de pontos entre zero e um, mas cada um deles pode ser representado por um número real. Então, sugira que eles imaginem todas as pessoas que existem e existiram, apontando que cada uma é única e especial. Por fim, peça-lhes que reflitam sobre esta questão: "quem sou eu para os outros, para mim mesmo, para Deus?" Ao discutir os símbolos matemáticos, essa discussão pode levar à pergunta: “que valores eu defendo?”

De forma mais ampla, podemos fornecer oportunidades para que os alunos explorem as grandes questões: quem sou eu? De onde eu vim? Por que estou aqui? Para onde vou? Como posso saber o que é certo? O que há de errado ao meu redor e/ou dentro de mim? Quais são as soluções possíveis?

Em relação a uma experiência on-line em que os alunos foram convidados a meditar diariamente em um conjunto de passagens bíblicas conectadas ao curso e então registrar suas ideias em um diário reflexivo, um aluno afirmou: “Um dos meus cursos mais memoráveis foi aquele que nos pediu para meditar sobre versículos da Bíblia e escrever nossas reflexões diariamente. Eu fiz isso, primeiro como um requisito; mas, ao saborear a Palavra de Deus diariamente, aprendi a amá-la, e, por fim, ela se tornou parte de minha programação diária. O curso acabou agora, mas eu continuei e agora estou no livro de Romanos.”

Ao dar suas aulas on-line, pergunte-se: o que posso fazer para ajudar meus alunos a refletir sobre sua vida espiritual?

Integração da fé em toda a instituição

Para alcançar seu efeito mais profundo, o objetivo de nutrir a fé dos alunos on-line deve se tornar um compromisso institucional. Os administradores e professores juntos podem desenvolver e implementar uma variedade de atividades de afirmação da fé em conexão com aulas on-line.

Semanas de oração. Ao organizar uma semana de oração on-line, é importante destacar a participação. Os alunos não devem apenas ouvir, mas também falar sobre sua jornada de fé; não apenas ler as orações, mas também fazer parte da conversa divina. Por meio de fóruns de reflexão e um jardim de oração on-line, uma forma interativa de adoração pode ser alcançada. Ao selecionar cuidadosamente o tema do evento, os alunos de outras religiões também podem se sentir bem-vindos. Os alunos podem receber funções como facilitadores de discussão e moderadores de oração. Mais importante: eles devem sentir que o evento é uma avenida para eles se aproximarem do trono da graça de Deus.

Experimentando essa semana de oração on-line, um aluno de outra religião disse: “Eu precisava de uma comunidade de pessoas de oração para me ajudar a sair deste estágio infantil e realmente amadurecer na fé […] Irmãos e irmãs em Cristo, continuemos a orar, a crescer e a amadurecer na fé”. Outra aluna declarou: "Quero louvar a Deus por esta semana de bênçãos de oração. Ela não só me abençoou, como abençoou meu marido, que estudou os versículos da Bíblia comigo também [...] Isso não apenas fortaleceu nosso relacionamento, mas, o mais importante, nossa fé, enquanto trilhamos nossa jornada espiritual como um novo casal.” E um aluno de formação não cristã escreveu: “Sinto-me abençoado e privilegiado por estar com vocês, amados irmãos e irmãs. Muito obrigado por cada esforço feito para esta semana de oração e por compartilharmos nossa jornada espiritual.”

Por causa da comunidade de fé que foi criada, os alunos solicitaram que a semana de oração fosse estendida como um recurso recorrente de sua experiência de aprendizagem on-line.

Capela on-line. Periodicamente, uma instituição pode organizar uma sessão de capela on-line onde alunos on-line de diferentes níveis de ensino ou programas de graduação podem adorar juntos. Para que se tenha certeza de que todos os alunos consigam frequentar a capela, seu link pode estar disponível nas salas virtuais de todas as aulas e contar com a participação de estudantes de todos os grupos. Embora alguém possa ser convidado a falar brevemente, para tornar o programa original, perguntas para reflexão podem ser feitas, e os alunos podem interagir no fórum de discussão. Um aluno refletiu sobre esses eventos: “Espero que tenhamos mais capelas on-line. Eu amo a interação com mais pessoas do que meus costumeiros colegas de classe. Isso as torna ainda mais especiais.”

Semana com ênfase na missão. Uma variação da semana de oração é convertê-la em uma semana com ênfase na missão. Aqui os alunos compartilham atividades e projetos missionários com os quais estão envolvidos e são incentivados a adotar um projeto missionário em sua própria comunidade. Essa ênfase na missão é parte integrante da educação adventista do sétimo dia. A educação adventista, de fato, originou-se em resposta à missão e continua a existir para cumprir a Grande Comissão (Mt 28:18-20). Como um campo de treinamento para o envolvimento missionário, as escolas adventistas não devem apenas promover a conscientização das atividades missionárias da igreja, mas fornecer aos alunos experiências reais à medida que desenvolvem o compromisso pessoal de se engajar em missões por toda a vida.

Conclusão

Paulo observou: “Portanto, somos embaixadores de Cristo, como se Deus estivesse fazendo o seu apelo por nosso intermédio” (2Co 5:20). Pedro acrescentou: “Se alguém fala, faça-o como quem transmite a palavra de Deus” (1Pe 4:11). Esta é a essência da integração da fé: fornecer aos nossos alunos uma abordagem centrada em Deus, baseada na Bíblia, orientada para o serviço e direcionada para o Céu na educação on-line que nutre a fé.       Só então o desenvolvimento espiritual e a formação do caráter cristão ocorrerão de forma autêntica na vida de nossos alunos. E só então teremos proporcionado a melhor oportunidade para nossos alunos verem sua vocação como um chamado divino, ter solidificado um compromisso de vida com testemunho e serviço e ter estabelecido um relacionamento pessoal com Deus.

Só então nós, como educadores cristãos, teremos cumprido o propósito final da integração da fé: “Reconheça o Senhor em todos os seus caminhos, e ele endireitará as suas veredas (Pv 3:6, NKJV; itálico acrescentado).11


Este artigo foi revisado por pares.

Leni T. Casimiro

Leni T. Casimiro, PhD, é diretora do AIIAS On-line e Professora de Currículo e Instrução e de Aprendizagem On-line no Instituto Adventista Internacional de Estudos Avançados, Silang, Cavite, Filipinas.

John Wesley Taylor V

John Wesley Taylor V, PhD, é diretor associado de Educação da Associação Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, em Silver Spring, Maryland, Estados Unidos. Ele atuou como professor de Filosofia Educacional, Tecnologia e Pesquisa; ministrou cursos on-line e desenvolveu sistemas de aprendizagem on-line.

Citação recomendada:

Leni T. Casimiro e John Wesley Taylor V, “Nutrindo a fé por meio do aprendizado on-line parte 2: implementando a integração da fé,” Revista Educação Adventista 82:4 (outubro a dezembro de 2020). Disponível em: https://jae.adventist.org/pt/2020.82.4.2.

NOTAS E REFERÊNCIAS

  1. Esses grupos de integração da fé foram descritos em “Instructional Strategies for Integrating Faith and Learning,” (Estratégias de Instrução para Integrar a Fé e o Ensino), de John Wesley Taylor V, Revista Educação Adventista 63: 5 (verão de 2001): 5-8, 12-14. Disponível em http://circle.adventist.org/files/jae/en/jae200163050507.pdf.
  2. Rena M. Palloff e Keith Pratt, Building Online Learning Communities: Effective Strategies for the Virtual Classroom (San Francisco: Jossey-Bass, 2007).
  3. Stephen D. Lowe e Mary E. Lowe, “Spiritual Formation in Theological Distance Education: An Ecosystems Model,” Christian Education Journal 3:7(1) (maio de 2010):90.
  4. Ibid. Lowe e Lowe observam ainda que “um dos mecanismos para promover a transformação da pessoa inteira à imagem de Cristo, individual e corporativamente, são os relacionamentos recíprocos sustentados e as interações mutuamente benéficas de vários tipos dentro do vínculo da comunhão cristã” (94). Este desenvolvimento da pessoa como um todo – mental, física, social, emocional, espiritual – é o resultado das interações dentro do ambiente ou ecossistema de uma pessoa.
  5. Princípios sobre como criar devocionais on-line e exemplos de ideias devocionais que nutrem a fé podem ser encontrados em Leni T. Casimiro, “Creative Online Devotionals” (Devocionais Criativos On-line), Revista Educação Adventista 80:1 (janeiro a março de 2018): 35-39. Disponível em: https://jae.adventist.org/en/2018.1.7.
  6. Salvo indicação em contrário, todas as passagens bíblicas neste artigo são citadas da Nova Versão Internacional (NVI).
  7. Mark A. Maddix, James R. Estep e Mary E. Lowe, Best Practices of Online Education: A Guide for Christian Higher Education (Charlotte, N.C.: Information Age Publishing, 2012), 107.
  8. A abordagem missional é desenvolvida em Leni T. Casimiro, “Is Mission Possible Online? Exploring Mission-oriented Online Course Designs.” (É possível missão on-line? explorando modelos de cursos on-line voltados para a missão”; e em Educação adventista on-line: percebendo o potencial, Janine Lim e Anthony Williams, eds. (Cooranbong, New South Wales, Australia: Avondale Academic Press, 2018), 19-36.
  9. Joanne Jung, Character Formation in Online Education (Grand Rapids, Mich.: Zondervan, 2015), 19.
  10. University of California, Davis, “Learning Activities and Active Learning Online: Designing and Teaching for Impact in Online Courses,” (n.d.). Disponível em: https://canvas.ucdavis.edu/courses/34528/pages/learning-activities-and-active-learning-online.
  11. Provérbios 3:6. A Bíblia Sagrada, New King James Version, Copyright © 1982 Thomas Nelson. Todos os direitos reservados.