Perspectives | Dale B. Linton

Celebrando o mundo em sua sala de aula

A sala de aula típica em muitas partes do mundo parece fisicamente semelhante às salas de aula de décadas passadas. Sim, existe uma tecnologia mais moderna, mas as carteiras e mesas são frequentemente organizadas como sempre foram. Até mesmo o calendário escolar parece similar aos do passado, sendo que muitos deles eram baseados no ciclo de semeadura e colheita.

Outra coisa na sala de aula de hoje que também é muito parecida com as escolas do passado é o professor. O professor em sala de aula hoje, nos Estados Unidos, parece-se muito com os professores das décadas de 1950 e 1960: são principalmente caucasianos, femininos e de classe média.1 O que é marcadamente diferente do passado e continuará a mudar num futuro previsível é que a demografia racial, étnica e cultural das salas de aula em todo o país é muito diferente da daqueles que constituem a profissão docente.2 Sempre que várias culturas se juntam, podem surgir dificuldades, e muitos professores podem não reconhecer que existem desconexões culturais entre eles e seus alunos culturalmente diversos.3

Em seu livro Courage to Teach (Coragem para ensinar), Parker Palmer declarou: “Ensinamos quem somos.”4 Embutido na declaração de Palmer está a ideia de que todo professor age de maneira que revela o que chamo de “professor interior”, baseado em uma vasta quantidade de crenças pessoais e profissionais orientadoras, conhecimento adquirido, epifanias pessoais e experiências práticas, que estão encaixados dentro de um quadro cultural específico de referência. É dentro desse quadro cultural de referência que às vezes (muitas vezes sem o conhecimento do professor) surge uma desconexão cultural entre ele e os alunos culturalmente diferentes. Eu não entendia completamente isso até que comecei a ensinar dentro de uma estrutura escolar internacional e comecei a colaborar com um grupo multinacional de professores focados em ensinar crianças de 30 nacionalidades diferentes. Com o tempo, meu quadro cultural de referência e meu “professor interior” mudaram. Essa experiência de ensino alterou quem eu era e a maneira como eu ensinava alunos que eram culturalmente diferentes de mim.

Felizmente, minhas circunstâncias deram-me a oportunidade de aprender a ver a vida a partir de diversas perspectivas. Alguns pesquisadores criticam os programas de preparação de professores por não capacitar adequadamente os professores novatos a “enfrentar os desafios do ensino em salas de aula culturalmente diversas”.5 Além disso, muitos professores em exercício não se saem muito melhor porque têm experiência limitada em “viajar ou trabalhar com grupos interculturais de pessoas”, o que poderia ajudá-los a unir as diferenças culturais de sala de aula.6 Por mais de 20 anos especialistas educacionais têm alertado sobre o fato de os professores americanos não estarem “preparados para trabalhar em ambientes multiculturais”.7

Para alguns, o conceito de reparar uma divisão cultural pode ser estimulante. Para outros, pode ser algo opressivo ou até ameaçador. O apóstolo João, escrevendo em Apocalipse 7:9, descreve uma celebração celestial que inclui um grande grupo de pessoas, tantas que não se pode numerar, que compreende todos os grupos culturais imagináveis. Para os professores cristãos, isso oferece uma oportunidade de celebrar um pouco do Céu agora em nossas próprias salas de aula.

Por onde começar? Comece por você!

O apóstolo Paulo fornece ideias sobre como ele maximizou seus esforços para interagir e se comunicar com pessoas cujas origens eram diferentes da sua. Em 1 Coríntios 9:22, Paulo escreveu: “Fiz-me tudo para com todos, com o fim de, por todos os modos, salvar alguns” (ARA).8 Paulo tinha plena consciência de que tornar-se “tudo para com todos” significava que ele deveria estar disposto a ouvir aqueles a quem ele queria falar. Em essência, Paulo sabia que sua mensagem precisava ser contextualizada, ou referenciada, dentro da cultura e visão de mundo das pessoas que ele queria alcançar. Evangelistas e missionários há muito tempo usam a contextualização como o principal ponto de partida quando tentam alcançar e explicar as verdades bíblicas para pessoas de outras culturas.9

Os professores de hoje seriam sábios em adotar uma abordagem de contextualização similar, mesmo que atualmente lecionem em salas de aula monoculturais. Para conseguir isso, eles precisam primeiro se conscientizar das culturas presentes em sua sala de aula, reconhecendo que suas próprias crenças culturais podem impedi-los de ser bem-sucedidos em instruir grupos culturalmente diversos.10 Segundo Spradlin e Parsons, “para ser efetivo em salas de aula multiculturais, os professores devem comprometer-se a tornar-se mais conscientes de quem são como pessoas e no que acreditam; também devem estar dispostos a identificar e questionar suas premissas culturais”.11 É fundamental, então, entender que, talvez sem intenção, a própria educação cultural de um professor e seus entendimentos operacionais podem prejudicar seu pensamento e, assim, lesar seus esforços para efetivamente se envolver com estudantes que são culturalmente diferentes dele. Duane Elmer ressalta que um indivíduo tipicamente se comunica a partir de seu próprio “quadro de referência”.12 Apesar dessa limitação, ele sugere que vários princípios podem ser aplicados para incentivar a interação positiva com outras culturas. Primeiro, reconheça que a “herança cultural” desempenha um papel fundamental na forma como as interações e respostas aos outros ocorrem. De acordo com Elmer, “tudo o que dizemos e fazemos” é um reflexo de nossa herança cultural.13 Isso se torna problemático quando deixamos de perceber o quanto impomos nossos valores e entendimentos culturais à maneira como os outros pensam ou fazem as coisas. Isso leva rapidamente ao declive escorregadio de julgar os outros. É da natureza humana acreditar que nosso próprio jeito de fazer as coisas é melhor do que o dos outros. No entanto, esse é um erro crítico, pois há muitas maneiras diferentes de fazer algo; alguns são mais eficientes que outros, mas cada um tende a alcançar o resultado desejado.

Reconheça o seu papel na cultura

O primeiro passo, então, ao celebrar a variedade de culturas na sala de aula é que os professores tomem consciência de que sua educação cultural moldou quem eles são e como agem. Da mesma forma, a educação cultural de seus alunos também moldou quem eles são e como agem. À medida que os professores encontram maneiras de superar as diferenças culturais em suas salas de aula, eles começam a reconhecer que talvez uma parte dos fatores contribuintes para tal divisão possa estar dentro de seus próprios entendimentos culturais e normas operacionais preferidas.

Tome tempo para celebrar a singularidade de seus alunos

O segundo passo para celebrar o mundo na sala de aula é de certa forma uma troca que ocorre quando o professor se torna mais consciente de seus alunos individualmente e aprende a celebrar sua singularidade. De acordo com Elmer, dedicar um tempo para aprender sobre a herança cultural dos outros, incluindo “suas perspectivas e intenções”, fornece uma melhor compreensão deles. Isso, por sua vez, permite que os professores “retenham o julgamento” e abre a porta para o diálogo continuado, que pode construir compreensão e aceitação.14

Exigir que os alunos participem respondendo a uma pergunta ou falando em uma discussão de classe parece inofensivo. Mas não para um aluno de uma herança cultural diferente, que não responde, não por desrespeito, mas por deferência a você como seu professor. Em muitas culturas, os alunos escutam, eles não devem responder.

Robins et al. contam a história de uma pessoa que viu icebergs através de um tipo especial de óculos que lhe permitia ver toda a estrutura acima e abaixo da linha d’água. Um exame de vários icebergs revelou que cada um era único; não havia dois iguais. Usando essa ilustração, os pesquisadores concluíram que, à medida que os professores se tornam mais competentes em empregar as habilidades de proficiência cultural, eles aprenderão mais sobre seus alunos, visualizando cada um deles a partir de um conjunto especial de lentes que os ajudará a reconhecer e apreciá-los como indivíduos peculiares.15 Isso apoia a crença de Wardle e Cruz-Janzen de que “os professores devem estar preparados para trabalhar de maneira encorajadora com todos os alunos”16 e de Brown, et. al., que afirmam que “o bom ensino implica um aprendizado sólido por todos os alunos, e tal aprendizado não acontece quando heranças, experiências, interesses e necessidades de cada aluno não são levados em conta”.17

Saia e tente algo novo

O terceiro passo para celebrar o mundo na sala de aula envolve tentar algo novo e incorporar diferentes práticas e entendimentos. Abaixo estão algumas formas simples e eficazes de abraçar os alunos e suas origens culturalmente diferentes.

O que há em um nome?

Tudo! Uma das coisas mais importantes que cada criança possui é o seu nome. Esse é o principal marcador da identificação de uma pessoa. Muitos nomes tradicionais anglo-saxões podem ser rastreados até suas raízes e significados históricos, mas, na minha experiência, pessoas com esses nomes geralmente não atribuem muito contexto ou valor a eles. Por outro lado, para muitos estudantes de outras culturas, seu nome traz um relevante significado. Pode denotar uma longa linhagem de identidade familiar e fornecer percepções sobre as crenças culturais de sua herança. Pode representar geograficamente a origem de sua família. Em algumas culturas, as crianças não recebem nome até completar vários anos de idade. O nome que lhes é dado pode denotar algo especial que os outros observaram sobre elas. É de vital importância que os professores aprendam o nome de cada aluno, pronunciem-no adequadamente e validem os alunos, ajudando-os a pronunciar corretamente os nomes uns dos outros.18

É preciso prática para ouvir atentamente e replicar pequenas inflexões ou aprender a manipular a língua ao pronunciar um nome que usa um trinado alveolar ou um “r” vibrante (como Miriam ou Ricardo). Em alguns idiomas, cliques, sons guturais e plosivos, como “t” e “s”, estão presentes nos nomes. Embora a pronúncia correta não seja um processo fácil e exija muita prática para replicar sons diferentes corretamente, vale a pena o esforço. Como um professor escreveu: “Eu quero que meus alunos saibam que eu os respeito pela pessoa plena que eles são, incluindo seus belos nomes, que às vezes são difíceis de pronunciar”.

Reajustando sua visão para ver o que “outros” veem

E se você entrar na sala de aula de outro professor, olhar em volta e perceber que algo parece fora do lugar ou que parece estar faltando algo? Talvez você olhe novamente porque você nunca iria organizar ou decorar sua sala de aula daquela maneira. Se isso já aconteceu com você, então você estava interpretando o que viu através de suas próprias crenças e preferências. É bom para cada professor organizar e decorar sua sala de maneira diferente porque a decoração de uma sala de aula deve refletir o “interior do professor”, e não há dois “interiores de professores” exatamente iguais.

Usando essa mesma filosofia, professores de alunos advindos de outras culturas podem examinar criticamente sua sala de aula através dos olhos de seus alunos. Por exemplo, considere o que os alunos veem quando entram em sua sala de aula.20 Eles veem alguma coisa que fala sobre sua herança cultural? As figuras ou imagens postadas na sala de aula variam em sua representação geográfica ou representações culturais, étnicas, de gênero e/ou raciais? Pense nos alunos que estão aprendendo inglês em sua sala de aula. Eles veem alguma palavra nas paredes escritas em sua língua materna? As informações são apresentadas visualmente de maneira autêntica e não linguística?21 Craig Roland sugere que o uso de figuras para representar vários aspectos de uma dada cultura é um meio poderoso de refletir a diversidade presente nas salas de aula. Em suas salas de aula, ele incorpora inúmeras imagens e, com base em suas experiências, tem criado uma lista de sites com referências culturais que os professores podem usar.22

Procure primeiramente entender e depois comece a ensinar!

É importante que os professores de alunos culturalmente diversificados reconheçam que as normas operacionais típicas e as expectativas de sua sala de aula podem não ser as normas culturais praticadas por seus alunos. Eu me convenci, em quase 40 anos como educador, de que os alunos realmente querem fazer a coisa certa e querem agradar o professor. Às vezes, eles só precisam ser orientados sobre como fazer isso. Ensinar aos alunos as normas e expectativas operacionais da sala de aula exige paciência e orientação. Esse é um processo repetitivo, não um tipo de atividade “única e acabada”. No entanto, os professores precisam estar cientes de que, às vezes, suas normas e expectativas culturais podem entrar em conflito com a educação cultural de alguns alunos. Quando tais conflitos ocorrem, eles proporcionam uma oportunidade para informar, demonstrar e praticar comportamentos desejados.23

Os professores das escolas internacionais com quem trabalho são tipicamente de culturas ocidentais. Da mesma forma, as escolas onde eles dão aulas são organizadas em torno de princípios educacionais e curriculares associados à cultura ocidental. No entanto, alguns alunos vêm de outras culturas, e o mesmo pode ser dito de alunos em muitas salas de aula americanas hoje. Os professores precisam estar conscientes de que, enquanto a cultura ocidental incentiva traços como o individualismo, a competição e o distanciamento, outras culturas valorizam o oposto: colaboração, comunidade e uniformidade. A cultura ocidental valoriza o contato olho no olho quando as pessoas estão se comunicando. Mas isso não é assim em outras partes do mundo. Para alguém na posição de autoridade (o professor) exigir contato olho no olho com estudantes de origens culturalmente diferentes, isso pode causar confusão, porque os alunos foram ensinados a demonstrar respeito àqueles em posição de autoridade, lançando os olhos para baixo. Da mesma forma, os professores do sexo masculino precisam demonstrar grande sensibilidade na forma como fazem contato visual com as mulheres de outras culturas.24

De fato, algumas das práticas de sala de aula ocidentais mais comuns, como usar a proximidade, tocar ou usar certos gestos, podem ser ofensivas ou interpretadas como inadequadas em algumas culturas.25 Mesmo certas práticas instrucionais podem criar situações culturalmente embaraçosas. Exigir que os alunos participem respondendo a uma pergunta ou falando em uma discussão de classe parece inofensivo. Mas não para um aluno de uma herança cultural diferente, que não responde, não por desrespeito, mas por deferência a você como seu professor. Em muitas culturas, os alunos escutam, eles não devem responder.

Da mesma forma, exigir que os alunos “resolvam problemas” independentemente de não terem adquirido o pensamento inovador e as habilidades de processamento avançado para essa tarefa leva apenas ao desestímulo e cria barreiras a sua aprendizagem. Por essas e muitas outras boas razões, vários especialistas em educação26 promovem o uso de pequenos grupos e colaboração ou aprendizado cooperativo para que os alunos possam trabalhar e aprender juntos. Na maioria dos casos, os alunos conseguem atingir com sucesso o aprendizado desejado que teriam alcançado através do uso de atividades de aprendizagem independente. Além disso, a aprendizagem cooperativa ajuda os alunos a praticar uma variedade de habilidades interculturais, como escutar, ouvir as perspectivas dos outros e chegar a um consenso de maneira respeitosa. Essas também são importantes habilidades de emprego do século XXI que serão exigidas de nossos alunos.27

Professores de alunos asiáticos se beneficiarão ao se familiarizar com as diferenças culturais entre costumes orientais e ocidentais. Chang, Mak, Wu, Chen e Lu28 fornecem um intrigante discurso sobre a evolução das crenças e práticas culturais orientais e as diferenças que existem dentro dos estilos de aprendizagem e ensino. O livro de Jonathan Borden, Confucius Meets Piaget (Confúcio se encontra com Piaget), de 2008, oferece pecepções úteis sobre as diferenças culturais e educacionais entre o Ocidente e o Oriente, principalmente dentro da cultura coreana.

Faça ajustes culturais no currículo

Imagine minha surpresa quando entrei em uma sala de aula do ensino fundamental há milhares de quilômetros dos Estados Unidos e encontrei os alunos ocupados contando dinheiro, usando moedas americanas de plástico e preenchendo uma planilha correspondente à usada nos Estados Unidos. O que havia de errado com essa cena? Para começar, havia apenas alguns alunos americanos na classe, e eles eram tão jovens que eu não tinha certeza se já tinham morado nos Estados Unidos. Eu não tinha certeza se eles reconheciam o valor numérico das moedas que estavam usando. Além disso, o resto da turma era formado por crianças de diferentes partes do mundo. Quando perguntei à professora, uma americana, por que ela estava usando esse método para ensinar o conceito de dinheiro e contagem, em vez de usar a moeda local, ela deu de ombros e respondeu: “Está no currículo.” Na verdade, não estava no currículo oficial. Estava, no entanto, no livro americano que estava sendo usado. O currículo afirmava que os alunos deveriam praticar contando os valores de um, cinco, dez e cem usando dinheiro (moedas).

Escolas e salas de aula obtêm enormes benefícios quando criam um dia para celebrar a herança cultural de um grupo específico ou de vários grupos culturais. Vestir-se com trajes nacionais, cantar canções, ler poesia – essas e outras atividades dão a oportunidade para os alunos demonstrarem orgulho de sua herança e estimulam a curiosidade e o aprendizado de outros alunos.

Esse incidente serviu como uma grande ilustração de que, muitas vezes, os professores se propõem a “seguir o livro texto/currículo” sem considerar se faz sentido ou se leva a uma aprendizagem significativa para todos os alunos. Naquela sala de aula em particular, havia de oito a dez nacionalidades diferentes matriculadas. Imagine as oportunidades potenciais de aprendizado global que a sala de aula poderia ter fornecido se os alunos tivessem sido incentivados a trazer moedas de seu país de origem, junto com as moedas usadas na economia local, e conversassem com seus colegas enquanto ensinavam uns aos outros a contar e fazer troco. Ajustes semelhantes podem ser feitos nas salas de aula de todo o mundo se os professores considerarem seu currículo como algo a ser modificado para melhorar e personalizar o significado para alunos de outras culturas, na verdade, para cada aluno em suas salas de aula. Matthew Lynch afirmou que o “currículo culturalmente responsivo ajuda os alunos de uma base étnica/racial minoritária a desenvolver um senso de identidade como indivíduos, bem como se identificar orgulhosamente com seu grupo cultural particular”.29

Por anos, tenho recomendado que os professores modifiquem seus currículos, e não é tão difícil fazer isso.30 Por exemplo, dentro de uma aula de Ciências sobre mamíferos, o professor pode solicitar que os alunos colham informações sobre diferentes tipos de criaturas selvagens, herança cultural de seus países. As aulas de linguagem podem incorporar poesia e escritos que representem a herança cultural dos alunos na sala de aula. Sloan sugere que problemas de matemática podem ser desenvolvidos para “representar diversos nomes e situações” e que destacar cientistas e descobertas científicas de diferentes países demonstra o valor das heranças culturais dos alunos na sala de aula.31 Os autores Tiedt e Tiedt fornecem inúmeras ideias para ensinar áreas curriculares essenciais a partir de uma abordagem multicultural.32

Ao ensinar alunos de outras culturas, os educadores precisam ser atenciosos em como apresentam relatos de importância histórica. Por exemplo, o currículo de Estudos Sociais oferece múltiplas oportunidades para explorar e modificar o currículo de maneiras culturalmente responsivas. Eventos históricos podem ser examinados a partir de pontos de vista americanos e não americanos. Entretanto, ao fazer isso, é preciso também examinar os pontos conturbados entre o passado e o presente e reconhecer que pode haver estudantes cuja vida ainda está sendo afetada por esses eventos. Por exemplo, ao ensinar sobre guerras, revoluções, agitação civil e injustiça, os professores culturalmente responsivos estão conscientes de que pode haver estudantes em suas salas de aula cujos ancestrais morreram como resultado de tais eventos, foram escravizados, forçados a fugir de suas casas e talvez fizeram grandes sacrifícios para migrar para novas terras. Alguns alunos podem até ter membros da família que atualmente estejam vivendo com medo e vulnerabilidade devido à agitação política atual em vários países. Professores de estudantes refugiados, portanto, precisam adquirir conhecimento das origens e áreas sensíveis de seus alunos, pois alguns podem ter chegado com os horrores da guerra e da injustiça impressos em sua mente. Infelizmente, esses alunos podem ter membros da família ainda vivendo nas mesmas situações horríveis das quais eles fugiram. É imperativo que, antes de começar a ensinar certos assuntos, os professores revisem cuidadosamente o currículo a ser ensinado e expressem sensibilidade em relação a quem são seus alunos, seus países de origem e os eventos que podem tê-los trazido à sala de aula.

Celebre a herança cultural de seus alunos

Escolas e salas de aula obtêm enormes benefícios quando criam um dia para celebrar a herança cultural de um grupo específico ou de vários grupos culturais. Vestir-se com trajes nacionais, cantar canções, ler poesia – essas e outras atividades dão a oportunidade para os alunos demonstrarem orgulho de sua herança e estimulam a curiosidade e o aprendizado de outros alunos. Ademais, envolver os pais na celebração cria uma conexão positiva entre a escola e o lar. De acordo com Matthew Meuleners: “Quando você celebra as muitas diferenças naqueles ao seu redor, você será capaz de utilizar, nutrir e capacitar outros a realizar grandes conquistas como nunca antes.”33 E é evidente que uma celebração que inclui alimentos das várias heranças culturais em sua sala de aula é obrigatória. Como um sábio mentor me disse uma vez: “Comida é cultura!”

Respeito, relacionamentos, carinho e altas expectativas = sucesso

Certos valores universais falam muito sobre o caráter do professor e ajudam a superar as diferenças culturais. Demonstrar respeito aos outros, reservar tempo para construir relacionamentos significativos e demonstrar atenção genuína são marcas de professores culturalmente responsivos.34 Segundo Irvine e Armento, professores culturalmente responsivos entendem que ensinar é uma “interação social que envolve o desenvolvimento e a manutenção de relacionamentos, bem como atividades mais amplamente aceitas, como planejamento, instrução e avaliação”.35 O professor culturalmente relevante é adepto a encontrar maneiras de aprender sobre a vida de seus alunos e criar conexões com o currículo a partir desses relacionamentos.36

Numerosos estudos indicam que os alunos desejam muito um professor que seja respeitoso, atencioso e tenha tempo para construir relacionamentos significativos.37 Em alguns dos estudos citados, as vozes dos alunos fornecem uma perspectiva multinacional (americana, australiana, canadense e britânica) e representam grupos culturalmente diversos, incluindo afro-americanos, hispânicos, índios americanos, asiáticos americanos e aborígines australianos. O que se pode extrair disso é que, em todas as nacionalidades, países e heranças culturais, um professor respeitoso e atencioso que constrói relacionamentos significativos com os alunos é valorizado e apreciado por eles. Isso apoia a crença de que os alunos obtêm muitos benefícios por estudar com um professor genuinamente atencioso que possua fortes habilidades de competência cultural. Pais, administradores, comunidades e até mesmo estudantes desejam ter professores que saibam ensinar bem o conteúdo, mantenham altas expectativas de aprendizado, demonstrem flexibilidade e pratiquem um bom gerenciamento de sala de aula. Juntas, essas práticas proporcionam um ambiente de aprendizado seguro e estruturado que é apreciado por alunos de múltiplas origens culturais.38

Os desafios apresentados por uma população estudantil que muda rapidamente exigem que os professores de hoje façam um balanço de suas habilidades para reduzir as barreiras culturais em suas salas de aula. Eles podem começar examinando sua própria herança cultural, lendo mais sobre o assunto e concluindo autoinventários, participando de treinamento de desenvolvimento profissional e reconhecendo quaisquer limitações que possam ter na compreensão de alunos que são culturalmente diferentes deles. Em seguida, usando um novo par de “óculos culturais”, os professores podem treinar seus olhos para ver cada aluno como único. Acoplando essas duas coisas com a curiosidade para investigar e aprender mais sobre seus alunos, os professores podem se posicionar para avançar no envolvimento em uma variedade de práticas culturalmente responsivas.

Entrar na cultura de outra pessoa pode ser um pouco assustador e complexo. Pode até levá-lo a questionar algumas coisas que você acredita sobre sua própria herança cultural. Mas, para o professor de hoje, é uma necessidade enfrentar os desafios e alcançar cada aluno, independentemente de sua origem cultural, para maximizar as experiências individuais de aprendizagem.


Este artigo foi revisado por pares.

Dale B. Linton

Dale B. Linton, PhD, é professor de Educação na Spring Arbor University, em Spring Arbor, Michigan, Estados Unidos. Ele lecionou em escolas públicas americanas e escolas cristãs internacionais na Etiópia e no Quênia. O Dr. Linton obteve seu doutorado em currículo e instrução pela Andrews University, em Berrien Springs, Michigan, Estados Unidos. Ele oferece desenvolvimento profissional para professores cristãos em todo o mundo, e sua pesquisa sobre as preferências desejadas em um professor por parte de crianças da terceira cultura foi publicada e apresentada em diferentes contextos.

Citação recomendada:

Dale B. Linton, “Celebrando o mundo em sua sala de aula,” Revista Educação Adventista 47:1 (Julho–Setembro, 2018). Available at https://jae.adventist.org/pt/2018.5.6.

NOTAS E REFERÊNCIAS

  1. Ines Marquez Chisholm, “Preparing Teachers for Multicultural Classrooms,” The Journal of Educational Issues of Language Minority Students 14:11 (inverno de 1994):43-68; Kenneth Cushner e Jennifer Mahon, “Overseas Student Teaching: Affecting Personal, Professional, and Global Competencies in an Age of Globalization,” Journal of Studies in International Education 6:1 (março de 2002):44-58; Emily Deruy, “Student Diversity Is Up, but Teachers Are Mostly White,” ABC News (21 de março de 2013). Disponível em: http://abcnews.go.com/ABC_Univision/News/student-diversity-teachers-white/story?id=18782102.
  2. Chisholm, “Preparing Teachers for Multicultural Classrooms,” 43-68; Ron Crouch et al., The United States of Education: The Changing Demographics of the United States and Their Schools (Arlington, Va.: National Center for Public Education, 2012); Jeffery-Cornelius White, “Learner-centered Teacher-student Relationships Are Effective: A Meta-analysis,” Review of Educational Research 7:1 (março de 2007):113-143.
  3. Lesli A. Maxwell, “U.S. School Enrollment Hits Majority-Minority Milestone,” Education Week 34:1 (agosto de 2014):1, 12, 14, 15. Disponível em: http://www.edweek.org/ew/articles/2014/08/20/01demographics.h34.html; Olivia Jo Murray, “A Call for K-12 Schools to Invest in Social Justice Education,” The Education Digest 76:5 (janeiro de 2011):60-64.
  4. Parker J. Palmer e Megan Scribner, The Courage to Teach Guide for Reflection and Renewal (San Francisco, Calif.: Jossey-Bass, 2017).
  5. Chisholm, “Preparing Teachers for Multicultural Classrooms,” 43-68; Jay R. Dee e Alan B. Henkin, “Assessing Dispositions Toward Cultural Diversity Among Preservice Teachers,” Urban Education 37:1 (janeiro de 2002):22-40; Geneva Gay, Becoming Multicultural Educators: Personal Journey Toward Professional Agency (San Francisco, Calif.: Jossey-Bass, 2002); Jacqueline Jordan Irvine and Beverly Jean Armento, Culturally Responsive Teaching: Lesson Planning for Elementary and Middle Grades (New York: McGraw-Hill, 2001).
  6. Megan Landwehr, “Internationalization of K-12 Schools Through the Eyes of Public School Principals,” Capstone Collection 2521 (verão de 2012):1-45.
  7. Gaile S. Cannella e Judith C. Reiff, “Preparing Teachers for Cultural Diversity: Constructivist Orientations,” Action in Teacher Education 16:3 (outono de 1994):37-45; Chisholm, “Preparing Teachers for Multicultural Classrooms,” 43-68.
  8. 1 Coríntios 9:22. Bíblia Sagrada, Almeida Revista e Atualizada®, ARA® Copyright©. Todos os direitos reservados.
  9. Ed Stetzer, “What Is Contextualization? Presenting the Gospel in Culturally Relevant Ways,” Christianity Today (outubro de 2014). Disponível em: http://www.christianitytoday.com/edstetzer/2014/october/what-is-contextualization.html.
  10. Chisholm, “Preparing Teachers for Multicultural Classrooms,” 43-68; Francis Wardle e Maria Cruz-Janzen, Meeting the Needs of Multiethnic and Multiracial Children in Schools (Boston: Allyn & Bacon, 2004).
  11. Lynn K. Spradlin and Richard D. Parsons, Diversity Matters: Understanding Diversity in Schools (Boston: Cengage Learning, 2008).
  12. Duane Elmer, Cross-cultural Connections: Stepping Out and Fitting in Around the World (Downers Grove, Ill.: InterVarsity Press, 2009):39.
  13. Ibid.
  14. Ibid., 40; Alunos e professores juntamente podem ser membros de vários grupos culturais: racial/étnico, regional, religioso, social e geracional. Ver Robyn R. Jackson, Never Work Harder than Your Students and Other Principles of Great Teaching, 2nd edition (Alexandria, Va: ASCD, 2018):30-32.
  15. Kikanza Nuri-Robins et al., Culturally Proficient Instruction: A Guide for People Who Teach (Thousand Oaks, Calif.: Corwin Press, 2002), 135.
  16. Wardle e Cruz-Janzen, Meeting the Needs of Multiethnic and Multiracial Children in Schools, 184.
  17. Susan C. Brown et al., Applying Multicultural and Global Concepts in the Classroom and Beyond (Boston: Allyn & Bacon, 2002):23.
  18. Bonnie M. Davis, How to Teach Students Who Don't Look Like You: Culturally Relevant Teaching Strategies (Boston: Corwin Press, 2006); Tyrone C. Howard, Relationships and Learning: Keys to Academic Success (Ann Arbor, Mich.: TeachingWorks, 2017).
  19. Valerie Strauss, “The Importance of a Name,” Washington Post (setembro de 2014). Disponível em: https://www.washingtonpost.com/news/answer-sheet/wp/2014/09/19/the-importance-of-a-name/?utm_term=.f2c1054e6644.
  20. Stacie N. Berdan, “Creating a Global Classroom,” The Huffington Post (6 de março de 2014). Disponível em: https://www.huffingtonpost.com/stacie-nevadomski-berdan/creating-a-global-classro_b_4896585.html.
  21. As representações não linguísticas permitem que os alunos interajam e processem informações usando todos os seus sentidos. Eles aprendem a criar imagens mentais em vez de confiar apenas em dicas linguísticas. Por exemplo, organizadores gráficos, esboços, mapas conceituais, fluxogramas e até mesmo dramatização são formas de ajudar os alunos a processar não linguisticamente. Métodos adicionais podem incluir o uso de fotografias, videoclipes, cartões postais, sinais de tráfego e de rua, menus, receitas, mapas ou horários de trens ou ônibus. Para mais informações, veja: Ayanna Cooper, “Ten Tips for Teaching English-language Learners,” Edutopia (janeiro de 2012). Disponível em: https://www.edutopia.org/blog/teaching-english-language-learners-ayanna-cooper; Gwen Marra, “Top Ten Tips for New Teachers of English Language Learners,” Christian Educators Journal (fevereiro de 2014). Disponível em: http://www.cejonline.com/article/top-ten-tips-for-new-teachers-of-english-language-learners/; Robert J. Marzano, “The Art and Science of Teaching/Representing Knowledge Non-linguistically,” Educational Leadership 67:8 (maio de 2010):84-86. Disponível em: http://www.ascd.org/publications/educational-leadership/may10/vol67/num08/Representing-Knowledge-Nonlinguistically.aspx.
  22. C. Roland, “Promoting Respect for Diversity,” School Arts 105:9 (2006):36. Disponível em: http://go.galegroup.com/ps/i.do?p=EAIM&sw=w&u=lom_sparborc&v=2.1&it=r&id=GALE%7CA145631242&asid=e95599b50cfea1a9d618e744b2380c88.
  23. James H. Stronge, Qualities of Effective Teachers (Alexandria, Va.: Association for Supervision and Curriculum Development [ASCD], 2007):41; Eric Jensen, Teaching with Poverty in Mind: What Being Poor Does to Kids' Brains and What Schools Can Do about It (Alexandria, Va.: ASCD, 2009):19.
  24. Sayyid Masud Masumi, A Code of Ethics for Muslim Men and Women (2000). Disponível em: http://ijtihadnet.com/wp-content/uploads/A-Code-of-Ethics-for-Muslim-Men-and-Women.pdf.
  25. Hironori Akechi et al., “Attention to Eye Contact in the West and East: Autonomic Responses and Evaluative Ratings,” PLOS One 8:3 (março de 2013):e59312; Jonathan Borden, Confucius Meets Piaget (Seoul, Korea: Seoul Foreign School, 2003); Jacqueline Hansen, “Teaching without Talking,” Phi Delta Kappan 92:1 (2010):35-40; Eleanor Lynch et al., Developing Cross-cultural Competence: A Guide for Working With Young Children and Their Families (Baltimore, Md.: Paul H. Brookes Publishing, 1992); Rebecca Scudder, “Eye Contact: What Does It Communicate in Various Cultures?” (2014). Disponível em: http://www.brighthubeducation.com/social-studies-help/9626-learning-about-eye-contact-in-other-cultures/.
  26. James A. Banks, Cultural Diversity and Education: Foundations, Curriculum, and Teaching (5th ed.) (Boston: Pearson/Allyn and Bacon, 2006); Marra, “Top Ten Tips for New Teachers of English Language Learners”; Pamela L. Tiedt and Iris M. Tiedt, Multicultural Teaching: A Handbook of Activities, Information, and Resources (Boston: Pearson, 2010); Wardle e Cruz-Janzen, Meeting the Needs of Multiethnic and Multiracial Children in Schools.
  27. Berdan, “Creating a Global Classroom”; Dana Mortenson, “A Look Inside the Classroom of the Future,” Edutopia (dezembro de 2014). Disponível em: https://www.edutopia.org/blog/look-inside-classroom-of-future-dana-mortenson; Vivien Stewart, “Becoming Citizens of the World,” Educational Leadership 64:7 (abril de 2007):8-14: http://www.ascd.org/publications/educational-leadership/apr07/vol64/num07/Becoming-Citizens-of-the-World.aspx; Charlotte West, “Toward a Globally Competent Pedagogy,” NAFSA: Association of International Educators (2012). Disponível em: http://www.nafsa.org/_/File/_/downloads/global_pedagogy.pdf.
  28. Lei Chang et al., “Cultural Adaptations to Environmental Variability: An Evolutionary Account of East-West Differences,” Educational Psychology Review 23:1 (março de 2011):99-129.
  29. Matthew Lynch, “Six Ways Teachers Can Foster Cultural Awareness in the Classroom,” Education Week (Dezembro de 2014). Disponível em: http://blogs.edweek.org/edweek/education_futures/2014/11/6_ways_teachers_can_foster_cultural_awareness_in_the_classroom.html.
  30. Dale Linton, “Intentionally International: Developing Culturally Sensitive Curriculum for International Christian Schools,” ACSI World Report 19:2 (2003).
  31. Willona M. Sloan, “Celebrating Students’ Diverse Strengths,” Education Update 50:2 (fevereiro de 2008). Disponível em: http://www.ascd.org/publications/newsletters/education-update/feb08/vol50/num02/Celebrating-Students’-Diverse-Strengths.aspx.
  32. Tiedt e Tiedt, Multicultural Teaching: A Handbook of Activities, Information, and Resources.
  33. Matthew Mueleners, “Treat Students Right by Valuing Their Diversity,” The Education Digest 67:4 (dezembro de 2001):50.
  34. Etta R. Hollins, Culture in School Learning: Revealing the Deep Meaning (New York: Routledge, 2001); Howard, Relationships and Learning: Keys to Academic Success.
  35. Irvine e Armento, Culturally Responsive Teaching: Lesson Planning for Elementary and Middle Grades, 4.
  36. Ana Maria Villegas e Tamara Lucas, Educating Culturally Responsive Teachers: A Coherent Approach (New York: SUNY Press, 2002).
  37. Sheryl Lisa Brown, “High School Students’ Perceptions of Teacher Effectiveness: Student Ratings and Teacher Reflections.” PhD diss., The University of New Mexico, 2004; Jean Rudduck, Roland Chaplain, and Gwen Wallace, School Improvement: What Can Pupils Tell Us? (Abingdon, U.K.: Routledge, 1996); Jerome Delaney, “How High School Students Perceive Effective Teachers,” Morning Watch: Educational & Social Analysis 36:3-4 (2009):1-16; Dale B. Linton, “International Christian Schoolteachers’ Traits, Characteristics, and Qualities Valued by Third Culture Kids,” Journal of Research on Christian Education 24:3 (2015):190-211; Susan McDougal, Instructional Practices that Make a Difference: How Effective Teachers Lead African Americans and Latino Students to Success. PhD diss., The Claremont Graduate University, 2005); Chaplain e Wallace, School Improvement: What Can Pupils Tell Us?; Catherine P. Sutcliff, Secondary Students' Perceptions of Teacher Quality. EdD diss., Georgia Southern University, 2011, 391. Disponível em: http://digitalcommons.georgiasouthern.edu/etd/391; Barbara N. Young, Marilyn E. Whitley e Carol Helton, “Students’ Perceptions of Characteristics of Effective Teachers.” Artigo apresentado no Annual Meeting of the Mid-South Educational Research Association (New Orleans, La., 4-6 denovembro de 1998).
  38. Ceri B. Dean et al., Classroom Instruction That Works: Research-based Strategies for Increasing Student Achievement (Alexandria, Va.: ASCD, 2012); McDougal, Instructional Practices that Make a Difference: How Effective Teachers Lead African Americans and Latino Students to Success.