Susan L. Lloyd • Holly Gadd • Shirley Tohm Bristol • Patricia S. Jones

Pós-graduação em Enfermagem na educação adventista:uma entrevista

Edição especial

A Enfermagem Adventista

Dra. Jones: A primeira pergunta para cada um de vocês é a respeito da demanda atual de pós-graduação em enfermagem. Como vocês descreveriam essa demanda?

Dra. Lloyd: Em nosso departamento de pós-graduação na Universidade Loma Linda (Loma Linda, Califórnia, Estados Unidos), vemos uma demanda por Programas Avançados de Prática em Enfermagem (APRN - Advanced Practice Registered Nurse Programs). A maioria dos alunos está interessada nas funções de Doutor em Prática de Enfermagem (DNP - Doctor of Nursing Practice). Muitos desses alunos são enfermeiros ativos que estão ansiosos por obter seu doutorado para validar e dar credibilidade ao que estão fazendo na prática por vários anos e para proporcionar outras oportunidades de carreira.

Dra. Gadd: Há certamente muita demanda aqui na Costa Leste, onde moro. Sabemos que existe uma demanda nacional por profissionais de enfermagem com base em pesquisa e informações epidemiológicas sobre o envelhecimento da América, o aumento da procura por cuidados de saúde e a inadequação do sistema médico para atender a essa necessidade. Também estamos vivenciando uma perda de enfermeiros em um mercado de trabalho envelhecendo. Portanto, há muitas oportunidades para enfermeiros com qualificação mais avançada. Como mencionado, muitos enfermeiros maduros em sua função estão ansiosos para progredir profissionalmente a fim de fornecer serviços de atenção básica em diferentes contextos dos quais estão acostumados. Vemos os cuidados de saúde se movendo mais para a comunidade, assim os enfermeiros de prática avançada têm a oportunidade de atender a algumas dessas necessidades. A demanda existe, e muitas pessoas estão se inscrevendo para ir à escola.

Dra. Bristol: A outra coisa que eu mencionaria é que, dentro das configurações hospitalares, o custo do atendimento, com um foco crescente na qualidade, e as mudanças na forma como as instituições de saúde são pagas são grandes problemas. É importante ter enfermeiros de prática avançada no sistema de cuidados de saúde capazes de alcançar ou manter a certificação e critérios profissionais, como o nível desejável do Centro de Credenciamento dos Enfermeiros Americanos (ANCC - American Nurses Credential Center), para direcionar os programas necessários para demonstrar resultados de qualidade com os pacientes e para assumir a liderança no trabalho dentro da organização a fim de atingir esses objetivos. No ambiente de hoje, até mesmo a viabilidade da organização está em jogo porque o reembolso dos cuidados é baseado nos resultados dos pacientes.

Dra. Gadd: Penso que é superimportante ter esses prestadores de cuidados de saúde de qualidade porque pesquisas ao longo de 15 ou 20 anos têm mostrado que as taxas de sobrevivência dos pacientes hospitalizados são melhores quando os enfermeiros têm níveis mais altos de educação. Isso fica claro quando se comparam enfermeiros de nível técnico com os enfermeiros em nível de bacharelado. Os resultados são melhores com pacientes atendidos por enfermeiros com um diploma de bacharelado. Isso também é verdade em níveis mais elevados de cuidados, com enfermeiros com mestrado e doutorado, e em vários outros contextos. Quando você olha os ambientes de cuidados intensivos, a educação de enfermagem em nível de pós-graduação é muito importante e realmente faz a diferença.

Dra. Jones: Sim, isso ficou bem claro com as observações feitas até aqui. O que você diria sobre a crescente necessidade de educadores qualificados?

Dra. Gadd: Aqui na Southern Adventist University (Collegedale, Tennessee, Estados Unidos), temos um curso para formar enfermeiros educadores em nosso programa, mas infelizmente, há poucos interessados.

Dra. Lloyd: O desafio na Universidade Loma Linda (LLU) e em todo o país é que muitos educadores de enfermagem se aposentarão nos próximos dez anos. Estamos trabalhando para “formar nosso próprio” corpo docente agora para que eles estejam prontos para continuar o trabalho.

Dra. Bristol: De acordo com o que mencionei acima, muitos pós-graduados dos nossos programas de mestrado e doutorado escolhem ser empregados em áreas clínicas, dentre outros, devido a incentivos financeiros. As instituições educacionais também precisam recrutar alguns desses indivíduos para manter o nível de educação que produz profissionais qualificados. Precisamos de professores competentes em todos os níveis de educação em enfermagem, desde o nível de graduação até os programas de doutorado. Como educadores, frequentemente permitimos que nossos professores da APRN se afastem do trabalho acadêmico para manter habilidades práticas. Essa colaboração entre o trabalho e a academia continuará a melhorar as linhas de comunicação e as oportunidades educacionais tanto para alunos como para enfermeiros.

Dra. Lloyd: Muitos dos nossos alunos entram no mestrado com concentração em formação de educadores em enfermagem e mais tarde mudam para a concentração em enfermagem clínica (CNS - Clinical Nurse Specialist) devido ao grande componente de educação dentro do CNS. Além disso, os alunos do CNS podem receber certificação estadual e nacional de prática avançada, expandindo assim sua função e proporcionando maiores oportunidades clínicas e educacionais. Qualquer concentração pode levá-los a uma função docente.

Dra. Jones: Sim.

Dra. Gadd: Está muito bem documentado que há uma falta de docentes de enfermagem. Muitas instituições de enfermagem demoram muito tempo para encontrar professores qualificados e apresentam vários cargos docentes não preenchidos. Este é um problema que afeta toda a área da prática de enfermagem porque ter menos educadores significa receber menos alunos e ter menos graduados. Precisamos de professores em nível de doutorado para preparar professores de Enfermagem para o ensino, e há um número insuficiente desses professores. Como você mencionou, as aposentadorias, além de outros fatores, como discrepâncias nos salários e remunerações, são muito desafiadores. Os enfermeiros que obtêm um diploma associado geralmente podem receber tanto quanto eu, que tenho doutorado. Mas nunca passei fome, e há uma bênção especial em fazer o que Deus nos chama a fazer, principalmente lecionar no sistema adventista. Então, quando falo a enfermeiros que estão considerando se preparar para uma carreira docente, enfatizo a missão e o que fazemos com os talentos que Deus nos deu. Existem recompensas que vão além do dinheiro.

Dra. Bristol: Nem todos os alunos que completam um programa APRN têm o conhecimento e as habilidades para se tornar imediatamente um educador competente. É, de fato, uma curva de aprendizado inteiramente nova. A identificação precoce do interesse de um aluno em uma carreira acadêmica pode levar a uma orientação direcionada e a um relacionamento de apoio visando à formação de professores competentes.

Dra. Gadd: Eu concordo totalmente com isso. Fui formada em Loma Linda como professora de Enfermagem. Eu realmente avaliei cursos no que diz respeito ao desenvolvimento do currículo, modalidades de instrução em sala de aula e clínicas, testes, medições e avaliação; fui instruída a fazer essas coisas corretamente. Há uma ciência no que fazemos como educadores.

Dra. Lloyd: Não é apenas “se você sabe, você consegue ensinar”. Nós descobrimos que nem sempre esse é o caso.

Dra. Gadd: É exatamente isso. Vou usar um exemplo ainda mais amplo. Meu marido começou a dar aulas de contabilidade depois de haver sido contador e auditor por anos. Ele expressou várias vezes seu desejo de ter as aulas que tive no meu programa de graduação porque aprendi a ensinar e não precisei descobrir a prática sozinha. Ensinar não é necessariamente uma coisa natural, portanto, é realmente importante que tenhamos esses programas de pós-graduação para formar educadores em enfermagem.

Dra. Jones: Obrigada. Existe alguma coisa que você gostaria de adicionar sobre as oportunidades para os graduados com uma educação de prática avançada?

Dra. Bristol: Os programas reconhecidos nacionalmente para prática avançada incluem o Especialista em Enfermagem Clínica (CNS), Enfermagem Clínica (NP), Enfermagem Anestesista (CRNA) e Enfermagem Obstetra (NM). Na LLU, temos a concentração do CNS, que inclui especialidades de Gerontologia de Adultos ou Pediátricas. Dentro da concentração de Enfermagem Clínica, temos as seguintes especialidades: Enfermagem Clínica Familiar, Enfermagem Clínica de Adultos/Gerontologia, Enfermagem Clínica Psiquiátrica e Enfermagem Clínica Pediátrica. Também oferecemos a concentração da Enfermagem Anestesista. A Enfermagem Clínica Neonatal e a Enfermagem Clínica Obstetra, embora não oferecidas na LLU, estão disponíveis em todo o país.

Dra. Jones: Há também cuidados intensivos, certo?

Dra. Lloyd: Sim, algumas escolas em nível nacional também oferecem a especialidade de Enfermagem de Cuidados Intensivos (ACNP).

Dra. Gadd: Essas são as quatro principais funções da prática avançada observadas nas diretrizes nacionais. Nessas funções, o enfermeiro clínico, e até certo ponto o CNS, divide-se em funções de cuidados intensivos e primários e, então, mais adiante, volta-se para os ciclos de vida (por exemplo, neonatal, pediátrico, adulto, geriátrico), gênero (por exemplo, saúde da mulher) e outras áreas de especialidade (por exemplo, cardiologia, dermatologia e ortopedia).

Dra. Bristol: Os graduados da APRN são altamente encorajados a buscar a certificação estadual e nacional para todas essas áreas. Na verdade, os graduados da APRN são considerados como se possuíssem um grau de generalista. A expectativa é por uma maior especialização dentro da prática inicial da especialidade, particularmente para o CNS. Essa tendência provavelmente continuará.

Dra. Gadd: Existem vantagens e desvantagens para a especialização. Uma das coisas que os enfermeiros clínicos têm feito excepcionalmente bem é começar a preencher lacunas no sistema médico, já que os médicos se especializaram. Os médicos estão preenchendo menos papéis de prática geral e familiar. Os enfermeiros clínicos estão preenchendo muitas dessas funções de atenção primária e atendendo a uma importantíssima necessidade nacional de cuidado de saúde. Pode não ser vantajoso que os enfermeiros clínicos se esforcem para se especializar, já que podem deixar lacunas nos serviços de atenção primária.

Dra. Lloyd: Em nível nacional, a FNP (Enfermagem Familiar) recebe a maior demanda de alunos neste momento. Na LLU, as especializações em FNP e CRNA (Enfermagem Anestesista) são as maiores áreas em nosso programa de pós-graduação.

Dra. Gadd: Nós vemos isso em nosso programa demográfico na Southern também. Eu diria que cerca de 90% dos nossos alunos de pós-graduação estão matriculados no programa com ênfase na família (FNP). A próxima maior demanda é por programas com ênfase em cuidados intensivos, que é adulto/gerontologia. Muitos alunos gostam dessa área pois trabalharam em ambientes de cuidados intensivos e de alta acuidade e sentem-se mais à vontade com ele. O papel do profissional de enfermagem de cuidados intensivos está crescendo em todo o país. Há uma grande demanda de enfermeiros clínicos das áreas de enfermagem psiquiátrica e de saúde mental, com muitas oportunidades de trabalho em todo o país. Esse é um foco muito especializado e atrai estudantes com experiência nesta área que estejam interessados em um papel ampliado no atendimento de pacientes com problemas de saúde mental.

Dra. Jones: Então você também possui um programa de Enfermagem Clínica em Saúde Mental/Psiquiátrica (PMHNP)?

Dra. Gadd: Sim, os programas de pós-graduação da Southern incluem a PMHNP. Ela foi acrescentada há uns anos, e acabamos de formar nossos primeiros alunos. Existem muitas lacunas nas áreas de cuidados de saúde mental nos Estados Unidos, no Tennessee e em nossa comunidade local. Não há outros programas nas proximidades para atender a essas necessidades. Até agora, tivemos constantes matrículas e interesse nessa ênfase, o que é bom.

Dra. Jones: Quando se fala em nível de educação para essas funções de prática avançada, trata-se de mestrado ou há também um doutorado em Prática da Enfermagem (DNP)?

Dra. Gadd: Eu acho que todos estamos conscientes de que houve um grande esforço para que o doutorado fosse o nível de entrada para a prática avançada de enfermagem em 2015. Essa data veio e se foi, mas o objetivo permanece e é importante. É uma coisa complicada, no entanto, porque é preciso conseguir que as agências certificadoras, as agências estatais de licenciamento e as faculdades e universidades estejam alinhadas. Isso gera um esforço gigantesco.

Dra. Lloyd: Nacionalmente, as principais organizações de enfermagem estão trabalhando para a padronização da prática avançada entre os estados por meio de uma iniciativa nacional.

Dra. Bristol: O DNP está se tornando um grau bem aceito. Temos visto um aumento no número de programas DNP em nível nacional ao longo dos últimos anos. Ainda aguardamos o prazo exato para a entrada do DNP na prática.

Dra. Gadd: Ao assistir às reuniões, não parece que se queira estabelecer logo uma data para que o DNP seja o nível de entrada para a prática avançada.

Dra. Lloyd: Não, também não temos visto isso.

Dra. Bristol: A meu ver, alunos de diferentes origens que entram no programa estão reconhecendo a necessidade de atingir o nível de doutorado para alcançar seus objetivos de longo prazo. Embora ainda haja uma demanda pelo mestrado, há muito mais buscas pelo DNP.

Dra. Lloyd: Nosso programa de mestrado está focado em Educação em Enfermagem e Administração em Enfermagem. Os programas DNP e PhD estão estruturados para admitir alunos pós-graduados e mestres. Para obter informações para entrar nas várias especialidades de pós-graduação, consulte o site da escola.

Dra. Jones: Então, é o Conselho de Enfermagem (BRN) em cada estado ou as associações profissionais que concedem a certificação?

Dra. Lloyd: Dependendo do estado, pode ser o BRN ou a associação profissional. Os alunos são incentivados a obter ambas as certificações, se aplicáveis.

Dra. Bristol: É uma vantagem competitiva ter certificação nacional. Na verdade, nossos visitantes mais recentes de credenciamento queriam assegurar que o corpo docente responsável por todos os cursos clínicos fossem certificados nacionalmente, além de possuir doutorado.

Dra. Lloyd: Nossos programas de pós-graduação consistem em mestrado e doutorado.

Dra. Gadd: Isso é válido para o ingresso na prática. Nós também temos o programa de mestrado na Southern porque um DNP não é exigido para certificação ou licenciamento da prática avançada. O mestrado (MSN) é um programa mais curto, próprio para enfermeiros que têm muitos ofertas atrativas. É uma boa opção para aqueles que ainda não têm a visão de um certificado definitivo.

Dra. Jones: A certificação nacional é oferecida por organizações específicas?

Dra. Gadd: Existem vários órgãos de certificação. A certificação nacional para Enfermagem Familiar (FNP's) pode ser a da Associação Americana de Enfermagem Clínica (American Association of Nurse Practitioners) ou do Centro Americano de Credenciamento de Enfermeiros (American Nurses Credentialing Center). Há outros para outras especialidades.

Dra. Bristol: As várias especializações estão ligadas às suas organizações profissionais, que por sua vez estão vinculadas a uma agência nacional de acreditação. Para nós, é a CCNE (Commission on Collegiate Nursing Education), braço certificador da Associação Americana de Faculdades de Enfermagem (AACN - American Association of Colleges of Nursing).

Dra. Gadd: Professores de Enfermagem também têm um exame de certificação.

Dra. Bristol: Sim, os professores de Enfermagem podem ser certificados pela Liga Nacional de Enfermagem (NLN - National League of Nursing).

Dra. Jones: Talvez devêssemos falar sobre as diferenças entre os títulos DNP e PhD.

Dra. Gadd: Quando iniciamos essa conversa, estávamos falando sobre a demanda por enfermeiros de prática avançada. Muitos enfermeiros que participam de nossos programas de pós-graduação são bem orientados para a prática, querendo trabalhar diretamente com os pacientes. Daí se originou o DNP, como um diploma de prática. Os programas DNP geralmente são mais curtos que os programas de PhD e têm um foco bem diferente. A pesquisa está incluída no programa DNP porque um bom clínico precisa interpretar e demonstrar sinais de que cumprirá várias diretrizes da prática, mas o programa de PhD é bem mais focado na pesquisa. Em nossa área, a demanda por uma formação DNP é maior porque mais enfermeiros são orientados para as configurações de prática clínica do que de pesquisa.

Dra. Lloyd: Sim, e o PhD em Enfermagem, que atualmente está sendo de alguma forma negligenciado, é essencial para a educação de nossos enfermeiros. O desenvolvimento e a implementação de pesquisas originais para contribuir com o conhecimento de enfermagem são necessários para fornecer evidências aos graduados do DNP que possam ser traduzidas na Prática Baseada em Evidências (EBP- Evidence-based Practice) ao lado da cama, de forma a melhorar os resultados.

Dra. Bristol: É por isso que é tão importante ter a colaboração entre os PhDs e os DNPs. Há uma discrepância entre o conhecimento que existe e o que é necessário para clínicos especialistas na implementação do EBP para melhorar a qualidade dos resultados do paciente. É importante que ambas as funções trabalhem juntas nesse processo.

Dra. Lloyd: Neste momento, é mais difícil para nós recrutar alunos para o programa de PhD. Eles não têm certeza sobre o que farão; é mais caro, leva mais tempo e também é mais desafiador. Tradicionalmente, não há formato on-line nem híbrido, embora existam alguns desses programas assim. Iniciamos um programa de bacharelado a PhD na LLU no segundo semestre de 2017 para ver se um formato híbrido ou on-line pode aumentar o nível de competitividade em termos de atrair e manter alunos para ambos os programas. Estamos trabalhando muito nisso; é difícil, mas estamos chegando lá. Esperamos começar com alguns alunos e crescer à medida que avançamos.

Dra. Gadd: Lutamos com as mesmas coisas. Temos falado sobre nossa luta em cadastrar professores de Enfermagem. Ainda não falamos sobre as funções de prática avançada na administração de enfermagem. Há também uma escassez de enfermeiros adventistas em nível de mestrado e doutorado para preencher papéis de liderança nos sistemas de saúde adventista. Muitas pessoas entram na enfermagem para trabalhar diretamente com os pacientes e não desejam as funções de professor ou de administrador. A formação necessária para desempenhar eficazmente esses papéis não faz parte de sua visão. Temos muitas conversas sobre isso na Southern. Como atrair alunos para essas funções no início de sua carreira? Como reconhecer seus traços de liderança e os direcionar ou incentivar para a liderança e administração?

Dra. Bristol: Administradores de hospitais têm sentido a necessidade de que seus líderes de enfermagem obtenham educação avançada em enfermagem. O mínimo exigido dos líderes de enfermagem clínica é que tenham um mestrado em Administração de Enfermagem.

Dra. Gadd: Temos requisitos semelhantes nas instituições de saúde ao redor da Southern. Vários dos principais oficiais de enfermagem se formaram no nosso programa MSN-MBA, pois foram forçados a procurar uma pós-graduação. Para aqueles empregados em hospitais de prestígio, o doutorado é adicionalmente interessante. Estamos disponibilizando isso e incluindo a Residência em Gestão e Liderança para criar líderes fortes. Como parte das funções de prática avançada, há necessidades nessas áreas de liderança e certamente grandes necessidades em nosso sistema de saúde adventista.

Dra. Jones: Os programas de pós-graduação estão promovendo especialização em Administração?

Dra. Lloyd: Temos um mestrado com concentração em administração na LLU. Muitos enfermeiros que trabalham no nosso hospital são obrigados a ter mestrado para exercer a prática ou a função de administrador. Também desenvolvemos um programa de mestrado para estagiários em colaboração com o centro médico, para permitir que os alunos façam seu DNP enquanto exercem a função de liderança clínica.

Dra. Gadd: É difícil ser tudo para todos. Temos um programa de MBA na Southern. Então, o que fizemos foi nos juntar à Faculdade de Administração para criar uma dupla titulação MSN-MBA. À medida que desenvolvemos nossos programas de DNP, também o adicionamos como uma ênfase (DNP-MBA). Agora, só precisamos ter mais alunos matriculados.

Dra. Jones: Isso deve ajudar para suprir a necessidade de administradores qualificados. Muito obrigada. Abordamos quase todos os nossos temas, mas vamos tocar em um último: que tal oferecer pós-graduação a distância?

Dra. Lloyd: Quando perguntamos sobre isso aos alunos, a fim de fazer uma avaliação das necessidades para os diferentes programas, a resposta esmagadora foi um interesse e um pedido para algum tipo de aprendizagem on-line. Estamos usando o método híbrido para nossos programas on-line.

Dra. Jones: Você pode descrever o método híbrido de educação a distância?

Dra. Lloyd: Os programas híbridos apresentam principalmente um aprendizado on-line com uma interação presencial uma vez a cada três meses no campus, com o instrutor. O período de tempo que os alunos permanecem no campus é determinado pelo número de disciplinas que eles estão cursando. Estamos trabalhando para tornar esse programa conveniente e agradável para os alunos.

Dra. Bristol: Alguns cursos podem exigir mais contato pessoal com os alunos. Cursos como avaliações de saúde, estatísticas ou cursos clínicos podem exigir sessões extras, presenciais ou uma sessão por videoconferência, conforme decidido pelos professores do curso.

Dra. Gadd: Nós fornecemos educação a distância para atender às necessidades das pessoas que têm dificuldade de acesso à pós-graduação ou que preferem a aprendizagem on-line por conveniência. A educação a distância não é para todos. Existem alguns indivíduos que simplesmente não possuem a personalidade adequada, a disciplina de estudo, as habilidades técnicas, o apoio ou o que for necessário para estudar a distância. O aluno terá desafios ao final que precisam ser pesados quando ele estiver tentando escolher um programa. Há também grandes desafios para uma instituição que oferece educação a distância de qualidade. Você não pode apenas assistir a uma aula presencial e transformá-la em uma aula on-line com o simples toque de um botão. É preciso muito mais tempo, esforço e preparação. Existem diretrizes para se alcançar ótimos desempenhos na educação on-line de alta qualidade. Alguns de nossos professores preferem não dar aulas a distância porque isso requer muita atenção diária e é diferente da educação presencial – a educação on-line é, às vezes, difícil e desafiadora.

Dra. Lloyd: É preciso uma imensa quantidade de trabalho e uma infraestrutura para executá-la bem. Há uma enorme demanda pelo uso da tecnologia educacional, o que provavelmente só aumentará. Isso apenas exige de nós, que começamos a lecionar há muito tempo, que realmente assumamos o uso da tecnologia.

Dra. Jones: Eu tenho uma última pergunta: como você acha que a oferta on-line irá afetar nossa capacidade de formar professores para escolas irmãs em outros países já que somos um sistema global?

Dra. Gadd: Para formar alunos de outros países, a educação on-line é, em realidade, uma vantagem se eles tiverem capacidade e tecnologia para fazer parte de uma classe dessas. As diferenças de fuso horário fazem com que os modos de transmissão assíncronos sejam os ideais. Oferecer um curso em que o aluno possa aprender no seu melhor horário do dia é realmente útil. Os indivíduos em outros países podem realmente tirar proveito dessa riqueza de recursos educacionais.

Dra. Jones: Vocês têm alguns alunos internacionais em seus programas?

Dra. Gadd: Um dos nossos recém-formados no DNP era um professor de Enfermagem americano que vivia e cursava seu programa na Coreia.

Dra. Bristol: Os candidatos devem ter sua licença RN dos Estados Unidos para entrar e completar o programa DNP. Isso pode ser um obstáculo para alunos internacionais.

Dra. Lloyd: Há também a questão do visto. Todos os alunos internacionais devem primeiramente ser avaliados de acordo com o tipo de visto e se seu país reconhecerá um diploma on-line antes da aceitação no programa. A LLU exige que todos os vistos de estudantes sejam analisados pelo escritório internacional de estudantes do campus, com isso surgem algumas dificuldades para alguns alunos que desejam se inscrever nos programas on-line.

Dra. Gadd: Há definitivamente muitos desafios com relação aos vistos de estudantes e outras leis de imigração. No entanto, os programas de ensino a distância, se forem totalmente on-line, contornam a maioria dessas questões e proporcionam vantagem.

Dra. Jones: Há alguma coisa que não foi abordada sobre a qual vocês gostariam de comentar?

Dra. Gadd: Eu gostaria apenas de dizer que há muitas oportunidades interessantes para alunos e professores na pós-graduação. Muitas vezes eu digo que tenho o melhor trabalho do campus aqui na Southern. Eu trabalho com alunos maduros, altamente motivados, que querem se realizar profissionalmente e que têm muitas oportunidades em virtude da nossa situação atual em relação aos cuidados de saúde. Há muitos desafios envolvidos no que fazemos como professores na área de pós-graduação: acompanhar a prática clínica, as modalidades de ensino e educação e o engajamento e a promoção das atividades acadêmicas. Precisamos continuar a desenvolver e promover programas de ponta que atendam às necessidades da enfermagem clínica, da formação de professores em Enfermagem e da administração, visando aos alunos locais e da igreja, bem como àqueles em nossa sociedade global. Isso é gratificante tanto pessoal como profissionalmente.

Dra. Bristol: À medida que os alunos entram na faculdade, o corpo docente pode ajudá-los no planejamento de sua carreira para identificar potenciais oportunidades de missão e aqueles que possam estar interessados em se tornar administradores ou professores de Enfermagem.

Dra. Lloyd: Enfermeiros de prática avançada têm grande potencial para fazer a diferença dentro de sua esfera de influência. Um currículo de educação em prática avançada cobre qualquer pilha de inscrições na mesa de um empregador. Nosso objetivo é treinar alunos para levar a mensagem adventista do sétimo dia para suas comunidades e para o mundo.

Dra. Jones: Muito obrigada.

Susan L. Lloyd

Susan Lloyd, PhD, RN, CNS, é professora associada da Escola de Enfermagem da Universidade Loma Linda (Loma Linda University School of Nursing), em Loma Linda, Califórnia, Estados Unidos. Ela também atua como diretora associada para Assuntos Acadêmicos e Programas de Pós-Graduação. A Dra. Lloyd tem uma experiência de 42 anos de enfermagem combinada entre prática clínica e educação acadêmica. Como especialista em Enfermagem Clínica (CNS), trabalhou em alas maternais infantis/pediátricas de atenção primária, particularmente com adolescentes grávidas. Como educadora, lecionou Enfermagem nos níveis de graduação e pós-graduação na Universidade Panamericana, Pacific Union College, Victor Valley College, Universidade Estadual da Califórnia, San Bernardino (CSUSB) e Loma Linda University. Ela trabalhou para desenvolver programas de mestrado e DNP tanto no CSUSB quanto no LLUSN. Recebeu seu diploma de bacharelado em Enfermagem pelo Walla Walla College, mestrado em Enfermagem pela Loma Linda University e seu doutorado em Enfermagem pela Universidade de San Diego.

Holly Gadd

Holly Gadd, PhD, RN, FNP, é professora e coordenadora do programa de pós-graduação na Southern Adventist University em Collegedale, Tennessee, Estados Unidos. A Dra. Gadd completou enfermagem como AS (Associate of Science) no Atlantic Union College em South Lancaster, Massachusetts, Estados Unidos, tem um bacharelado (BS) em Enfermagem pela Universidade Andrews, em Berrien Springs, Michigan, Estados Unidos, e um mestrado (MS) em Enfermagem com ênfases em Educação de Enfermagem e Saúde do Adulto pela Universidade Loma Linda. Ela também obteve um certificado de enfermeira familiar pós-mestre da Midwestern State University, em Wichita Falls, Texas, Estados Unidos, e um PhD da Texas Woman's University, em Denton, Texas, Estados Unidos. A Dra. Gadd tem 40 anos de experiência em enfermagem, tendo atuado em uma variedade de ambientes; mais de 30 anos de experiência em enfermagem e educação; e mais de 20 anos em funções de enfermeira clínica. Ela atualmente permanece ativa como enfermeira de primeiros cuidados e enfermeira clínica de emergências. Ela ainda é membro da American Association of Nurse Practitioners, da American Nurses Association, da Sigma Theta Tau, da Liga Nacional de Enfermagem e da Organização Nacional de Professores de Enfermagem. Ela dá aulas de Cuidados Primários para Adultos I e II, Pesquisa em Enfermagem para Prática Avançada e Bioestatística para Prática Avançada.

Shirley Tohm Bristol

Shirley Bristol, DNP, JD, MS, CNS, é professora associada da Escola de Enfermagem da Universidade Loma Linda (Loma Linda University School of Nursing), em Loma Linda, Califórnia, Estados Unidos. Ela também atua como diretora dos programas de mestrado e doutorado em Enfermagem Prática (MNP/DNP). A Dra. Bristol tem 42 anos de experiência em enfermagem prática clínica e educação acadêmica. Clinicamente, essa experiência inclui inúmeros internatos em enfermagem, prática avançada e cargos de administração. Como educadora, ela deu aulas de Enfermagem Médico-cirúrgica e de Cuidados Intensivos nos níveis de graduação em diversas universidades. Mais recentemente, ela se tornou responsável pelo desenvolvimento, pela implementação e pelo ensino nos programas de mestrado e doutorado da Loma Linda Univesity. Ela recebeu o diploma de bacharel em Enfermagem pela Andrews University, mestrado em Enfermagem pela Loma Linda University, doutorado em Direito pela Universidade de LaVerne College of Law, em Ontário, Califórnia, e doutorado em Enfermagem (DNP) pela Western University of Health Sciences, em Pomona, Califórnia, Estados Unidos.

Patricia S. Jones

Patricia S. Jones, PhD, RN, FAAN, é professora honorária emérita da Escola de Enfermagem da Univerisdade Loma Linda, California, Estados Unidos, e diretora associada do Departamento de Saúde da Associação-Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, em Silver Spring, Maryland, Estados Unidos. A Dra. Jones também deu aulas na Universidade Adventista das Filipinas, no Colégio Adventista de Hong Kong e na Universidade Vanderbilt, Tennessee, Estados Unidos. Ela completou seu bacharelado em Enfermagem no Walla Walla College, mestrado na Andrews University e mestrado e doutorado pela Vanderbilt University em Nashville, Tennessee.

Citação recomendada:

Susan L. Lloyd, Holly Gadd, Shirley Tohm Bristol and Patricia S. Jones, “Pós-graduação em Enfermagem na educação adventista: uma entrevista,” Revista Educação Adventista 44:1 (Outubro–Dezembro 2017). Available at https://jae.adventist.org/pt/2018.2.6.