Melhores Práticas no Trabalho | Ophelia Barizo

STEM - Diversão para todos

O que causa a combustão? O que impede que as pontes desabem? Como os robôs são feitos? Os alunos do ensino fundamental e médio têm uma curiosidade natural sobre como o mundo funciona, no entanto, pesquisas mostram que, por volta do 4º, 5º e 6º anos, o interesse começa a desaparecer à medida que fórmulas e cálculos mais difíceis se tornam parte do currículo.1

Os eventos STEM oferecem aos alunos oportunidades de ver e interagir com ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM- science, technology, engineering and mathematics) de maneira divertida e envolvente, estimulando sua curiosidade e interesse. Com a ajuda de profissionais nessas áreas, as escolas podem criar eventos que envolverão não só os alunos, mas também os pais e toda a comunidade.

Um aluno admira a estrutura imponente que construiu usando os Keva Planks™, que são blocos de 6mm de espessura, 20mm de largura e 17cm de comprimento que podem ser empilhados na vertical para criar uma variedade de estruturas complexas.

Em 2014, a Highland View Academy, em Hagerstown, Maryland, Estados Unidos, sob a direção de Ophelia Barizo, criou um novo departamento, o STEM. O programa oferece aos alunos uma abordagem interdisciplinar e utiliza a aprendizagem baseada em problemas. Os alunos aprendem como aplicar princípios para resolver problemas que encontrarão vivendo na era digital.2 Eles também têm oportunidades para estágios, viagens de campo, serviços comunitários e de extensão relacionados ao STEM, cursos especiais (robótica, desenvolvimento de aplicativos, aprendizado baseado em projetos, informática em nível universitário) e cursos em rede com profissionais STEM.3

O STEM Fest é patrocinado por esse departamento para criar uma cultura de valorização da escola e da comunidade para o STEM e cultivar e nutrir nos jovens estudantes o interesse e o desejo de estudar nessas áreas. O evento anual, coordenado por Ophelia Barizo com a ajuda dos professores STEM Colleen Lay, Lisa Norton e Myrna Nowrangi, está em seu quinto ano.

O primeiro STEM Fest ocorreu em outubro de 2014. Os organizadores convidaram várias organizações federais STEM, como o Departamento de Energia dos Estados Unidos (DOE), a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica (Noaa), a Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço (Nasa), os Institutos Nacionais de Saúde (NIH), a Fundação Nacional de Ciência (NSF), o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a Agência de Segurança Nacional (NSA) e muitas outras organizações privadas STEM, para ter estandes e representantes presentes.4

Nos estandes, as organizações exibiram os muitos aspectos empolgantes das carreiras STEM e distribuíram recursos, cartazes, panfletos informativos e outros materiais para professores, alunos e os alunos do ensino domiciliar. O evento foi tão bem-sucedido que desde então o STEM Fest se expandiu para incluir muitos outros representantes de organizações relacionadas ao STEM, sessões de discussão, atividades interativas, desafios STEM (atividades) e muito mais.

Durante as apresentações, os profissionais que trabalham nas indústrias STEM compartilham pesquisas de ponta. Por exemplo, em 2016, o festival teve sessões com palestrantes como Walt Sturgeon, micologista conhecido nacionalmente e fotógrafo que escreveu vários livros sobre micologia (o estudo de fungos) e micologista chefe da Associação Norte-Americana de Micologia. Sturgeon falou sobre “Cogumelos selvagens, um mundo de maravilhas aos nossos pés”.

O festival STEM de 2016 também contou com a participação de Natalie Harr, uma premiada educadora de matemática e ciências, participante do programa Albert Einstein Fellowship e que esteve em duas viagens de pesquisa à região Antártica. Harr falou sobre suas experiências viajando para a península Antártica para estudar o mais austral inseto do mundo, o mosquito sem asas Belgica antarctica. Além disso, Maria e Chris Esquela compartilharam o trabalho da e-NABLE, uma rede global de voluntários que usa impressão 3D para criar dedos e mãos para crianças e adultos nas áreas carentes do mundo.5

Muitos representantes da STEM de programas em faculdades e universidades privadas e públicas também participam do STEM Fest, dando aos alunos a oportunidade de ouvir o que está disponível em termos de programas de graduação e certificação. Nos estandes, são distribuídos cartazes, folhas informativas, DVDs sobre temas relacionados à ciência e muito mais. Tanto os professores quanto os pais que fazem ensino domiciliar descobriram que isso é muito útil.

O Departamento de STEM da Highland View Academy também prepara atividades práticas e interativas para crianças, adolescentes e participantes, tais como: construção de pontes; robótica com robôs Ozobots, Spheros e Dash e Dot; impressão 3D; canetas 3Doodler; fazer geleias slimes, massa de modelar e neve artificial; vários brinquedos STEM para um cantinho da criança; e muitos outros itens. A Máquina do Caos de Craig Trader, uma enorme coleção de tubos, pistas, elevadores e motores que movimentam bolinhas de gude, é um sucesso para todos, especialmente para as crianças.

Refrescos são vendidos durante o evento, e os rendimentos vão para apoiar o programa STEM. O evento gratuito para toda a família continua a ser um sucesso. Por ser um evento para toda a Associação, ele traz alunos de escolas adventistas vizinhas, escolas particulares e escolas públicas. Desde o início do programa, a frequência média é de cerca de 400 pessoas.

Os participantes do Festival STEM desfrutam da Máquina do Caos Craig Trader™, uma enorme coleção de tubos, faixas, elevadores e motores que movimentam bolinhas de gude ao redor da estrutura em forma de labirinto.

Os participantes visitam um representante da e-NABLE, uma rede global de voluntários que usam impressão 3D para criar dedos e mãos para crianças e adultos em áreas carentes do mundo.

Os participantes aprendem sobre a construção de estruturas em uma das muitas estações de atividades interativas.

Cinco dicas para organizar um evento STEM
(Combinando tanto boas práticas como recursos)

  1. Participe de conferências STEM sempre que possível. Visite as salas de exposição para obter ideias para eventos STEM.
  2. Mantenha contato com profissionais STEM. Esses especialistas têm excelentes recursos para estandes e sessões de treinamento ou podem conhecer alguém que seja excelente para dar workshops.
  3. Prepare-se para o evento com vários meses de antecedência. Leva tempo para fazer ligações telefônicas, escrever e-mails e cartas para possíveis apresentadores para as sessões, fazer os arranjos para que as pessoas administrem os estandes STEM e garantir um lugar no calendário de eventos da escola. Algumas pessoas não poderão participar por diversos motivos, por isso os organizadores precisarão continuar expandindo a lista de contatos e entrar em contato com outros participantes em potencial.
  4. Solicite materiais para as atividades práticas e desafios STEM com vários meses de antecedência para garantir que eles cheguem a tempo e possam ser examinados e organizados com mais eficiência (por exemplo, certifique-se de que todos os materiais necessários estejam incluídos e que os experimentos e atividades de desafio funcionem como deveriam).
  5. Organize as participações voluntárias algumas semanas antes do evento. Convide os pais, membros da diretoria e os alunos para ajudar a preparar o ginásio de esportes e as salas de reunião para o evento, organizar os estandes, realizar atividades práticas e vender alimentos para arrecadação de fundos do STEM.

Se você se planejar com antecedência, conseguir um número suficiente de contatos para o evento e se organizar bem, sua escola estará a caminho de um evento STEM de sucesso que será educativo e divertido para todos.

Ophelia Barizo

Ophelia Barizo, MSc, é coordenadora STEM da Associação Chesapeake, em Columbia, Maryland, Estados Unidos. Antes disso, ela atuou como vice-presidente de desenvolvimento e coordenadora STEM na Highland View Academy (HVA), em Hagerstown, Maryland. A Sra. Barizo obteve um mestrado em Ensino de Química na Universidade McMaster, em Hamilton, Ontário, Canadá, e lecionou Ciências e Matemática na HVA por 21 anos. Ela recebeu o título de Distinta Educadora Associada Albert Einstein (2013-2014) pela National Science Foundation e foi nomeada Educadora Ambiental do Ano de 2017 pelo Chesapeake Bay Trust, uma organização sem fins lucrativos que financia a educação ambiental no HVA desde 1999. Ela recebeu também vários prêmios da National Science Teachers Association (NSTA), um dos quais foi de Educadora STEM do Ano, do ensino médio, em 2012.

NOTAS E REFERÊNCIAS

  1. Yu Xie, Michael Fang e Kimberlee Shauman, “STEM Education,” Annual Review of Sociology 41 (2015):331-357. Disponível em: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4712712/; EnCorps, “The STEM Crisis in American Schools,” EnCorps STEM Teachers Program. Disponível em: https://encorps.org/about/stem-crisis/.
  2. Highland View Academy STEM Program. Disponível em: https://www.hva-edu.com/admissions/stem.
  3. Ibid.
  4. Escolas fora da área de Washington, D.C., podem convidar cientistas e engenheiros de programas STEM em faculdades e universidades locais para fazer apresentações ou se conectar a empresas de manufatura locais que contratam profissionais em áreas relacionadas com STEM. Por exemplo, um participante regular no STEM Fest é uma empresa líder de manufatura que fabrica equipamentos de movimentação de materiais. Participantes adicionais do STEM Fest podem vir de organizações STEM privadas, hospitais, laboratórios, reservas e parques de vida selvagem/animal, jardins zoológicos e jardins botânicos.
  5. Ophelia Barizo, “STEM Fest Held at Highland View Academy.” Disponível em: https://www.heraldmailmedia.com/news/education/stem-fest-held-at-highland-view-academy/article_17b6c6e8-ea02-55d0-9409-9c059ea6e3d4.html.