L. James Gibson, Ronny Nalin e Humberto M. Rasi, eds.  (Berrien Springs, Michigan: Andrews University Press, 2021). ISBN: 9781940980305 (Impresso). 240 páginas (capa dura), US$ 24,99.

Design e catástrofe: 51 cientistas exploram evidências na natureza (Design and Catastrophe: 51 Scientists Explore Evidence in Nature) é principalmente uma leitura fácil, não muito técnica, de 51 ensaios curtos, cada um entre três a quatro páginas. Nem o título deste livro nem a introdução afirmam provar definitivamente as origens por meio de um designer ou do dilúvio da época de Noé descrito em Gênesis. Em vez disso, os autores fornecem insights sobre como eles veem pessoalmente evidências de design e/ou catástrofe através das lentes de suas especialidades como pesquisadores científicos. Como afirma a introdução, “Os cientistas que contribuíram para este livro descobriram em sua experiência que a perspectiva bíblica ilumina o que vemos na natureza” (xi). Juntos, esses 51 ensaios elucidam que alguns dos dados da ciência desafiam alguns aspectos de uma interpretação completamente naturalista das origens, e esse mesmo conjunto de dados pode ser razoavelmente interpretado como evidência do relato bíblico do design, da catástrofe e restauração.

O texto, dividido em nove partes, não está organizado por assunto, mas seguindo aproximadamente os relatos históricos da parte inicial de Gênesis. Para esta revisão, essas nove partes são categorizadas em três grupos. O primeiro grupo de ensaios abrange a física e a química das origens. A maioria dos ensaios revela o ajuste fino do universo e nosso planeta, as maravilhas da água, que é tão abundante em nossa terra, e a dificuldade de arranjos aleatórios de átomos como mecanismo para formar biomoléculas complexas, incluindo a origem do DNA e seu papel na vida. Na maioria desses ensaios, os tópicos que os autores encontram em suas pesquisas os levam a um designer e a concluir, por meio de leis estritamente naturalistas, que as relações e complexidades são muito improváveis para terem ocorrido por acaso. Os autores geralmente fornecem contra-argumentos a partir de perspectivas naturalistas seguidas do por que as leis fundamentais da física e da química sustentam sua convicção da existência de um designer.

O segundo grupo de ensaios trata de tópicos biológicos, como a origem e a diversidade e complexidade da vida, incluindo aspectos da vida humana e da emoção. Estes são ligeiramente diferentes do primeiro grupo e são muito pessoais. Eles descrevem a complexidade dos sistemas com os quais os autores trabalham e descrevem sua admiração por sua beleza e complexidade. A maioria desses ensaios não apresenta contra-argumentos à biologia evolutiva. Em vez disso, os autores refletem como seu estudo os leva em direção a um Criador ponderado, em vez de a um processo não orientado do acaso. Alguns dos ensaios desse grupo tratam, de fato, de argumentos naturalistas alternativos (ver “Our Spectacular Skeletons” [“Nossos esqueletos espetaculares”], de Liliana Endo-Munoz, e “Cooperation, Empathy, and Altruism in Nature” [“Cooperação, empatia e altruísmo na natureza”], de Noemí Durán, como exemplos). Os autores exploram esses argumentos e descrevem como eles veem uma explicação mais simples no design. Eu entendo o limite de três a quatro páginas por autor, mas essa limitação, eu acho, tem uma desvantagem. Dado mais espaço, alguns dos tópicos biológicos (e outros) poderiam chegar aos contra-argumentos da visão de mundo naturalista em suas explicações e raciocínios. No entanto, isso não diminui os argumentos de beleza e valorização da complexidade biológica que esses autores compartilham.

O último grupo de ensaios trata da geologia e da paleontologia. Os autores compartilham seus interesses por fenômenos geológicos que eles sentem que não são facilmente explicados por processos uniformitários tradicionais de longa data. Eles fornecem perguntas convincentes sobre correntes de turbidez generalizadas, camadas sedimentares e megabrechas, para citar alguns. Cada autor conclui que uma interpretação bíblica de uma grande catástrofe descrita em Gênesis parece mais consistente com muitas dessas descobertas.

A idade aparente da Terra, usando várias técnicas de datação, não é tratada diretamente e continua sendo um dos tópicos que requer estudo e discussão mais intensos. Gostei muito do ensaio “Respeitando a Palavra de Deus, o mundo de Deus e as pessoas à imagem de Deus” (Respecting God’s Word, God's World, and People in God’s Image), de Ben Clausen, especialmente à luz de toda a agitação na sociedade atual, enquanto cientistas, educadores e teólogos se esforçam juntos para investigar como chegamos a este momento da história.

O ensaio de conclusão intitulado “Destruição, esperança e restauração” (Brokenness, Hope, and Restoration), de David N. Mbungu, aponta muito bem que a cosmovisão bíblica das origens é a única visão que fornece sentido à vida e esperança para o além. Tal como acontece com muitos dos ensaios, apreciei o toque pessoal da apresentação deste último capítulo.

Como esses ensaios refletem expressões pessoais de crença, fiquei feliz por haver um pequeno segmento bibliográfico para cada colaborador. Eu gostaria que as biografias (e as referências citadas) fossem incluídas em cada ensaio, e não localizadas em uma seção separada na parte de trás do livro. Eu me vi constantemente pulando as páginas para frente e para trás enquanto lia. As bibliografias e referências são peças importantes para a compreensão da natureza pessoal desses ensaios.

Quem pode se beneficiar com a leitura deste livro? Professores de todos os níveis podem rapidamente obter insights desses ensaios e incluí-los em suas aulas e palestras. Muitos dos capítulos podem ser facilmente adaptados como um pensamento de adoração para contemplação pessoal ou para serem compartilhados em sala de aula. Este livro deve ser adicionado à lista de leitura obrigatória dos estudantes universitários.

Aqueles que já incluem um Criador em sua visão de mundo serão encorajados e possivelmente encontrarão novos motivos para manter sua fé, especialmente se estiverem se sentindo pressionados por crenças populares contrárias. Pastores e leigos podem usá-los como um recurso valioso ao estudarem com não cristãos ou com aqueles que lutam com a relação entre o relato de Gênesis e o que comumente ouvem do evolucionismo. Esse trabalho não irá, nem pretendeu, convencer inequivocamente um cientista evolucionista ateu ou totalmente naturalista a desistir de sua visão das origens. No entanto, esse livro pode ser perspicaz para qualquer pessoa (estudantes incluídos) que está insatisfeita com as improbabilidades que surgem de uma visão puramente naturalista das origens de nosso universo e vida e que estão procurando uma razão para a existência humana.

Em minhas considerações finais, preciso salientar que, ao iniciar esta revisão, dei uma olhada na lista de autores contribuintes e fiquei satisfeito ao ver os nomes de vários de meus ex-alunos durante minhas atividades na Andrews University e uma longa lista de outros de cujas palestras e apresentações participei em várias conferências, incluindo alguns com quem tive conversas importantes sobre muitos desses tópicos. Pode-se, assim, argumentar que minha revisão é um pouco tendenciosa. Em algum nível, isso provavelmente é verdade. No entanto, conhecer muitos dos colaboradores também me dá um maior nível de respeito pelos méritos científicos de sua carreira de pesquisa além do que é rapidamente mencionado em seus breves ensaios e bibliografia e, portanto, uma apreciação mais profunda por suas perspectivas pessoais apresentadas no livro.

Gordon Atkins

Gordon Atkins, PhD, é diretor do Nature em Camp Au Sable (Grayling, Michigan, Estados Unidos), onde administra o Nature Center, desenvolve programas de educação ao ar livre para escolas adventistas do sétimo dia em Michigan e também orienta professores, organiza acampamentos de verão e conduz visitas ao acampamento. Atkins possui doutorado em Biologia pela McGill University (Montreal, Quebec, Canadá) e também é professor adjunto do Departamento de Biologia da Andrews University (Berrien Springs, Michigan, Estados Unidos), onde ministra os cursos: Fundamentos de Biologia, Ornitologia, Neurobiologia e Comportamento animal.

Citação recomendada:

Gordon Atkins, Revisão do livro Design and Catastrophe: 51 Scientists Explore Evidence in Nature, Revista Educação Adventista 83:3 (2021): 43, 44. Disponível em: https://jae.adventist.org/pt/2021.83.3.9.