Dar aulas envolve professores atuando como anfitriões hospitaleiros que criam espaços de aprendizagem ao dar boas-vindas aos alunos. Smith pede a seus leitores que reimaginem o ensino como um ato de hospitalidade, onde a sala de aula é um “espaço hospitaleiro”.1 Parker Palmer descreve a hospitalidade pedagógica como o lugar onde os professores tratam seus alunos com compaixão e cuidado, convidando-os a um lugar onde eles possam ouvir e ser ouvidos. O trabalho seminal de Derrida sobre a hospitalidade, que explorou o acolhimento de refugiados e outros através das fronteiras individuais e nacionais, ajuda nessa reimaginação.2 Ele define hospitalidade como convidar e acolher o estranho que é “tratado como um amigo ou aliado, em oposição ao estranho tratado como um inimigo”.3

Cada uma dessas noções de hospitalidade ressalta a importância de acolher nossos alunos, o que é igualmente importante em tempos de aprendizagem a distância, como aqueles que ocorreram durante o bloqueio escolar causado pela Covid-19. Este artigo explora a hospitalidade pedagógica na aprendizagem a distância com referência à experiência de professores do Ensino Religioso Especial (Special Religious Education - SRE).4

Como anfitriões de um jantar, os professores devem planejar cuidadosamente o envolvimento de todos os alunos-convidados para garantir que se sintam bem-vindos e que ninguém fique de fora. Essa hospitalidade assume duas formas descritas por Derrida – hospitalidade incondicional e condicional. A hospitalidade incondicional é a hospitalidade perfeita, que aspiramos, que acolhe todas as pessoas sem dúvida ou condição, onde há uma “recepção sem reservas e sem cálculo, uma exposição sem limite para quem chega”.5 Em contraste, a hospitalidade condicional descreve a realidade da hospitalidade onde o anfitrião e o(s) convidado(s) têm funções, direitos e obrigações específicas que estão associadas ao seu comportamento. Quando um anfitrião oferece hospitalidade condicional, ele escolhe quem deseja receber, quanto tempo pode ficar e o que pode fazer enquanto for hóspede.6 A hospitalidade pedagógica é uma mistura desses dois tipos de hospitalidade. Por um lado, os professores recebem graciosamente e com expectativa todos os alunos em suas salas de aula, independentemente de quem sejam, mas também têm condições de ingresso que incluem expectativas comportamentais e de aprendizagem para cada aluno.

Hospitalidade pedagógica

Oferecer um espaço aberto e acolhedor para todos os alunos, independentemente de quem são, o que fizeram ou no que acreditam, fala eloquentemente do amor de Deus e promove uma boa recepção a todos. Ao longo da narrativa bíblica, Deus é hospitaleiro e defende a causa do órfão, da viúva e do estrangeiro (Sl 146:7-9) e prepara uma mesa eterna e quartos para Seus convidados (Sl 23:5, Jo 14:2, 3). Ao tentar fornecer hospitalidade incondicional, os professores representam as ações hospitaleiras de Deus para com o forasteiro, prenunciando a festa celestial.7 Quando um cristão oferece hospitalidade, ele está demonstrando a natureza acolhedora de Deus. Consequentemente, Severe sugere que “a hospitalidade é o caminho principal para que o evangelho seja vivido na profissão de professor”.8

Relações de poder assimétricas são inerentes à hospitalidade.9 Sempre que um visitante é convidado a cruzar a soleira, passar pela porta e entrar na casa, uma relação de poder sutil e desigual se mostra implícita.10 Isso ocorre porque, para ser hospitaleiro, os anfitriões “devem ter algum nível de controle sobre sua casa,”11 um lugar onde eles esperam que seus convidados ajam de determinadas maneiras.12 A simples existência de um limiar e uma porta “significa que alguém tem a chave para eles e, consequentemente, controla as condições de hospitalidade”.13 Portanto, por mais generoso e acolhedor que seja o anfitrião, seu papel inclui o controle sobre o que acontece, o que lembra os convidados de seu lugar na relação.

Essa estrutura de poder assimétrica também existe no ensino. No entanto, a hospitalidade pedagógica enfatiza a necessidade de os professores reduzirem esse desequilíbrio, ajudando seus alunos a se tornarem mais do que apenas hóspedes, mas verdadeiros coanfitriões do aprendizado. Wright identifica três princípios pedagógicos para a educação religiosa que podem ser apropriados para qualquer sala de aula: criar espaço, encontrar outras pessoas e ouvir a sabedoria. Ela ressalta que a base desses princípios é uma pedagogia vivida, em que os professores permitem que os alunos floresçam e estão dispostos a ser tanto anfitriões quanto hóspedes em suas salas de aula.14

Da mesma forma, Ruitenberg lembra os professores de que eles não são os donos de suas salas de aula, mas devem dar as boas-vindas aos alunos e humildemente criar um lugar para eles. Essa recepção humilde é uma consequência da compreensão do anfitrião de que ele ou ela está em dívida para com outros que lhe mostraram hospitalidade no passado.15 Tal reconhecimento de dívida faz mais sentido para o cristão, que reconhece que Deus mostrou hospitalidade convidando-nos a um relacionamento com Ele, dando-Se a conhecer e capacitando-nos a conhecê-Lo. Paradoxalmente, embora Deus seja onipotente, Ele humildemente “esvaziou-Se a Si mesmo”,16 enviando graciosamente Seu Filho à Terra – que nasceu em um estábulo, “assumindo a forma de servo” e “tornando-se obediente até a morte” (Fp 2:6-8).

Hospitalidade pedagógica e aprendizagem remota

A aprendizagem remota muda as relações da hospitalidade pedagógica porque os professores não são apenas anfitriões, mas também se tornam convidados quando “entram” na casa de seus alunos, embora remotamente, para ensinar. Em vez de hospedar os alunos que cruzam o limiar da porta para suas salas de aula, os professores se sentam (em um espaço virtual) com seus alunos que estão trabalhando em bancos de cozinha, mesas de jantar, espreguiçadeiras e escrivaninhas em sua casa. Se os professores estiverem ensinando sincronamente, eles podem encontrar pais que entram e saem do espaço de aprendizagem porque estão ajudando seus filhos ou porque estão simplesmente tocando sua vida diária. Os professores podem, como aconteceu comigo no meu primeiro dia de aula a distância, tornar-se ouvintes casuais de uma discussão familiar ou, como outros professores descreveram, assistir a seus alunos serem interrompidos por animais de estimação, irmãos, rádio ou qualquer uma das miríades de distrações que constituem sua vida doméstica. Na sala de aula, os professores podem controlar muitas dessas coisas, mas, como convidados nas casas de seus alunos, eles devem trabalhar graciosamente dentro das restrições da hospitalidade condicional da casa.

Uma exploração inicial da hospitalidade pedagógica começou durante a pesquisa de doutorado sobre a pedagogia dos professores do Ensino Religioso Especial (SRE) (Chalwell, 2015).17 Usando entrevistas com participantes, diários reflexivos e análise de documentos, uma metodologia de teoria construtivista fundamentada investigou as crenças e experiências de um grupo de professores SRE respondentes em escolas estaduais em dois estados australianos: New South Wales e Victoria. Vinte e três professores, que deram aulas para 58 turmas em 32 escolas primárias urbanas e rurais, participaram do estudo para responder à pergunta de pesquisa: Como as crenças e experiências dos professores de SRE influenciam sua pedagogia? Esses professores SRE foram escolhidos por meio de amostragem intencional para garantir uma ampla gama de experiência e especialização. Incluídos no estudo estavam desde professores em seu primeiro ano de SRE até aqueles com mais de 40 anos de ensino; homens e mulheres com idade entre 22 e 91 anos; professores com educação formal e/ou qualificação teológica; e professores trabalhando em escolas de 34 a 620 alunos. Os resultados desse estudo informam comentários subsequentes sobre o contexto e a prática dos professores de SRE, enquanto os comentários sobre o ensino a distância são baseados em histórias provenientes de interações formais de supervisão, bem como experiências colegiais informais durante lockdowns escolares da Covid-19 durante março e abril de 2020, fornecendo uma narrativa da prática adaptada.

Professores voluntários do SRE oferecem educação cristã em escolas estaduais em muitas partes da Austrália. Eles têm uma sensação mais forte de ser convidados nas escolas do que os professores contratados porque não fazem parte da equipe escolar, eles pegam emprestada a sala de outro professor e ficam na escola apenas durante as aulas. Além disso, os alunos e pais podem optar por não participar das aulas do SRE e podem fazer essa escolha a qualquer momento durante o ano. Como convidados da escola e professores da sala de aula, os professores do SRE têm que ensinar dentro das restrições de uma relação de hospitalidade de anfitrião e convidado. Isso é retratado por Jane,18 que descreve como sua experiência de ser uma convidada em sala de aula significa que “não importa agora quão legal é o professor [...] meu ensino é muito diferente quando eles estão lá”.

As experiências dos professores do SRE de serem convidados têm semelhanças com as experiências dos professores de sala de aula on-line quando ensinam remotamente na casa de seus alunos.19 Em primeiro lugar, como os professores do SRE, os professores de sala de aula on-line ensinam em espaços que não são seus, onde outros adultos (neste caso, os pais) estão envolvidos no que está sendo ensinado. Isso é particularmente evidente quando os professores de sala de aula on-line ensinam sobre questões e ideias que podem não ser consistentes com as crenças do lar – especialmente durante as aulas de desenvolvimento cristão, cultos na capela ou devocionais.

Em segundo lugar, os professores do SRE muitas vezes têm acesso limitado aos recursos da escola, semelhante à situação dos professores da sala de aula on-line, que não podem controlar os recursos que os alunos têm disponíveis durante a aprendizagem. Finalmente, como os professores do SRE, os alunos dos professores de sala de aula on-line podem mais prontamente “cancelar” o aprendizado ao não se envolver nas aulas. As estratégias que os professores do SRE desenvolveram para gerenciar seu status de convidado em cada uma dessas situações podem ser úteis durante o aprendizado remoto e depois.

Os professores devem trabalhar em espaços que não são deles

Os professores de sala de aula atuam como anfitriões para seus alunos quando eles cruzam a soleira para entrar em suas classes. Bons anfitriões convidam seus hóspedes a “se sentirem em casa” e garantem que o ambiente seja acolhedor para seus convidados. Na sala de aula, isso significa garantir que a atitude da sala seja convidativa e generosa e que os alunos se sintam respeitados e à vontade para fazer perguntas e compartilhar suas ideias e opiniões. Isso também significa garantir que itens práticos, como a temperatura da sala e a disponibilidade de assentos e carteiras para todos os alunos, sejam equilibrados e adequados. Ao longo dessas ações, os professores de sala de aula mantêm seu poder, dizendo implícita e explicitamente: “Você será bem-vindo se...”.

Em contrapartida, as experiências dos professores do SRE em sala de aula os deixam mais próximos de serem convidados, porque eles ensinam como convidados tanto das escolas onde são voluntários quanto dos professores, que muitas vezes permanecem na sala enquanto eles ensinam. Como hóspedes, confiam humildemente nas boas-vindas que lhes são oferecidas. Se for um ambiente positivo, são bem-vindos aos recursos da escola, dispõem de espaços adequados para o ensino e são apoiados em seu ensino. Por outro lado, em um ambiente menos acolhedor, os professores do SRE devem aceitar as salas de aula que lhes são atribuídas, mesmo quando inadequadas. Isso é ilustrado em como Nerida descreve não ter controle sobre as salas que lhe foram dadas para lecionar, que “às vezes são muito horrendas e não favoráveis ao aprendizado”.

Além de aceitar o espaço de ensino que recebem, os professores do SRE também devem aceitar as intervenções e interrupções do professor da sala de aula, mesmo que não sejam bem-vindas. Essa interrupção pode assumir duas formas. Primeiro, o professor da sala pode interromper intencionalmente o ensino para adicionar seus próprios pensamentos ou intervir em uma questão comportamental. Por exemplo, Jane descreve uma professora de sala de aula que escuta “pela metade” suas aulas, e “aparece com algum assunto” para ser acrescentado à matéria.

Em segundo lugar, os professores da sala de aula podem interromper o professor do SRE por sua falta de consideração pelo que está acontecendo na sala de aula. Por exemplo, Shirley descreve que, enquanto está ensinando, a professora da classe se comporta como se não houvesse ninguém na classe e “conversa com outro professor na sala” enquanto ela está ensinando.

A aprendizagem remota apresenta muitas semelhanças com as experiências dos professores do SRE. Como os professores do SRE que trabalham em espaços que não controlam, o aprendizado remoto ocorre na casa dos alunos, onde os professores de sala de aula on-line têm controle limitado sobre o espaço. Embora escolas e professores de sala de aula on-line possam desenvolver protocolos e expectativas para a participação dos alunos na aprendizagem remota, em última análise, eles compartilham o controle com os pais, que os recebem enquanto ensinam remotamente na casa de seus alunos. Como anfitriões, os pais determinam onde seus filhos aprendem, ainda que outras coisas estejam acontecendo durante o aprendizado, e o nível de interrupção que os alunos experimentam. Nessa hospitalidade condicional, os pais podem ser um apoio e incentivo, mas sua presença também pode ser menos positiva. Eles podem distrair os alunos, por exemplo, conversando durante uma aula ou explicando uma tarefa de uma forma que não seja útil.

Como anfitriões das salas de aula, os professores não apenas controlam o espaço físico em que ensinam, mas também criam o ethos do ambiente de aprendizagem. Em contraste, os professores do SRE são convidados do ethos existente da sala de aula. Ao entrar na sala de aula para ensinar sobre sua fé cristã, eles encontram um ambiente que pode variar de positivo a hostil. Os professores do SRE reconhecem que podem estar desafiando a visão de mundo tanto dos professores da sala de aula que estão ouvindo suas aulas quanto dos pais dos alunos, que ouvem as histórias depois da escola. Por exemplo, em uma sala de aula onde Patrícia sabe que o professor não concorda com suas crenças, ela descreve estar ciente de seu status de convidada quando vê a professora “olhar para cima” quando um aluno faz uma “pergunta complicada, e então [a professora] acena com a cabeça e volta ao que está fazendo”. Em tais circunstâncias, pode ser difícil desenvolver camaradagem entre professores do SRE e professores de sala de aula. De forma semelhante, Elissa se preocupa em ensinar conteúdo cristão com o qual os pais de seus alunos discordarão. Ela reconhece que pode haver lições “que quase acabam por desrespeitar [as crenças dos pais; e] na pior das hipóteses, eles podem pensar que pode ser uma lavagem cerebral”.

Porém, quando professores do SRE, como Bart, encontram um professor de sala de aula que é cristão, há um encontro de semelhanças, um compartilhamento de uma espiritualidade comum que atua como um modificador na relação hóspede/anfitrião. O professor do SRE não é mais o “estranho” de Derrida;20 alguém que é “desconhecido, onde nada se sabe sobre ele”, mas um aliado e amigo. Vários professores do SRE comentaram esta experiência. Nicole descreve como “toda a atmosfera será bem diferente” quando houver um “diretor cristão que está cem por cento ao seu lado”.

A aprendizagem remota é semelhante ao ensino do SRE porque, quando os professores de sala de aula on-line entram na casa de seus alunos, os valores e crenças que eles mantêm e compartilham em suas salas de aula podem ser diferentes dos valores e crenças de casa. Esse é particularmente o caso quando os professores de sala de aula on-line compartilham sua fé cristã por meio de oração, leitura da Bíblia, aulas de desenvolvimento cristão e serviços de capela. Por exemplo, na minha turma do 6º ano, onde começamos o dia com uma leitura da Bíblia e oração, tenho plena consciência de que esta pode ser a primeira vez que essas coisas acontecem na casa de um aluno. Isso me fez hesitar e considerar cuidadosamente o que estou dizendo e como estou dizendo.

Os professores às vezes não têm acesso aos recursos

Uma responsabilidade de um professor é organizar os recursos necessários para uma aula. Isso pode incluir reorganizar a mobília da sala, fornecer cópias do trabalho em papel e distribuir outros recursos práticos necessários. Ao ensinar na escola, esse é um componente organizacional relativamente simples do ensino. No entanto, como convidados da escola, nem sempre é esse o caso dos professores do SRE. Os professores do SRE são lembrados de que são convidados quando precisam pedir permissão para usar as instalações e recursos da sala de aula. Isso é exemplificado na descrição de Ruby de como é útil quando a “escola está a bordo” porque ela pode “pedir coisas que ajudem você a ensinar melhor”. Por isso, muitos professores do SRE não utilizam os recursos da escola, preferindo se contentar com o que podem levar para a aula. Isso pode criar uma situação em que, como Bart explicou: “Tudo tem que ser portátil, prático, dobrável, e tudo é apressado.”

Independentemente da simpatia envolvida nas boas-vindas, essa experiência está resumida na descrição de Jane sobre o que significa ser um convidado: “Ser um convidado elimina as suposições. Não estou assumindo e ensinando a lição como se fosse minha sala de aula. Nós somos os convidados; nós somos os voluntários. Temos que pedir para usar as coisas.”

Como convidados nas casas dos alunos, os professores da sala de aula on-line também têm acesso limitado aos recursos que normalmente usariam em suas aulas. Como já foi dito, os professores da sala de aula não podem controlar os espaços onde seus alunos aprendem. Os alunos podem estar aprendendo em uma mesa de jantar ou escrivaninha, ou sentados em sua cama. Além disso, como os professores da sala de aula não estão fisicamente presentes como os professores do SRE, eles devem “se contentar” com tudo o que podem “levar” para a aula, porque os alunos podem não ter os recursos necessários. Por exemplo, recentemente em uma aula de matemática, pedi aos alunos que trouxessem uma régua e papel. No entanto, três dos meus alunos não tinham uma régua em casa para usar. Isso muda ainda mais o equilíbrio de poder, pois os professores de sala de aula on-line contam com os recursos disponíveis nas casas dos alunos e/ou com a disposição dos alunos para garantir que os tenham com eles durante a aula. Para se ajustar a essa situação, os professores da sala de aula on-line precisam criar recursos que possam ser acessados on-line ou modificar suas aulas para uma situação em que haja menos acesso aos recursos.

Os alunos podem desistir mais facilmente

Os professores precisam estabelecer um ambiente de sala de aula seguro e de apoio, onde os alunos são motivados e desafiados em seu aprendizado. Coe et al. descreve aspectos da hospitalidade ao enfatizar a importância de os professores desenvolverem relacionamentos de confiança, empatia e respeito com seus alunos e criar um clima de aprendizagem caracterizado por grandes expectativas e grandes desafios.21 Esses atos de hospitalidade são apoiados quando os professores elaboram aulas que envolvem e apoiam a aprendizagem de todos os alunos para que se sintam motivados e desafiados em um espaço seguro. Para os professores do SRE, a necessidade de criar aulas envolventes e interessantes é ampliada porque a participação é voluntária, e os alunos (com a permissão dos pais) podem cancelar a matéria a qualquer momento durante o ano. Para John, isso significa sempre “ter algo com o qual eles realmente se conectam, então eles dizem, ‘sim, eu ainda quero participar das aulas do SRE’”. Ruby identifica a tensão que esse desejo cria: “Se eles estão se divertindo, eles vão querer vir e trazer seus amigos. Então, há uma tensão a ser administrada. Você não quer transformá-la em um período de 30 minutos de jogos e cuidado com as crianças; ao mesmo tempo, você quer que elas saiam dizendo: ‘Foi divertido e aprendi sobre Jesus.’”

A experiência dos professores de SRE guarda semelhanças com a aprendizagem a distância. Embora os alunos não possam oficialmente deixar de participar do aprendizado a distância, é muito mais fácil para eles fazer isso do que quando estão em uma sala de aula. Eles podem não participar usando seletivamente o botão mudo, tendo várias abas abertas em seu computador, não comparecendo a uma aula, inventando problemas no computador ou estando presentes, mas de forma desatenta. Por exemplo, uma professora de sala de aula on-line descreveu como chamou um pai para discutir uma solução para a internet instável e descobriu que o problema havia sido inventado pelo aluno.

Nessas situações é difícil para os professores da sala de aula on-line usar seu repertório de técnicas de gerenciamento de sala de aula que são eficazes na aula presencial – um lembrete adicional de seu status de convidado no aprendizado remoto. Além disso, as estratégias que os professores da sala de aula on-line usam para envolver seus alunos podem não ser eficazes, desafiando ainda mais seu papel como anfitriões do aprendizado.

Aprendendo com as experiências dos professores de SRE

Por quererem manter um bom relacionamento nas escolas onde lecionam, os professores de SRE se esforçam por ser “bons hóspedes” que se comportam de maneira pacífica. Eles, às vezes, ficam frustrados com a forma como seus anfitriões os tratam e como isso afeta seu ensino, mas continuam no relacionamento porque o SRE é muito importante para eles. Shirley ilustra isso explicando como, na posição de visitante, ela deve sempre ser educada, mesmo quando os professores não são educados com ela, e ela “pode ter três professores na sala conversando enquanto eu tento dar a minha aula”.

Como convidados nas salas de aula onde ensinam, os professores de SRE estão acostumados a ter que desenvolver relacionamentos com seus anfitriões de uma forma que os professores da sala de aula geralmente não experimentam. Sua abordagem intencional para melhorar as boas-vindas que recebem revela sua compreensão da hospitalidade condicional que experimentam. Seu papel como convidados é tipicamente proativo, pois eles tentam deixar de ser um estranho tratado como inimigo para se tornar um amigo ou aliado. Isso não é feito simplesmente para serem hóspedes amigáveis, mas porque isso torna seu trabalho mais fácil. Sem essa relação, Nerida explica que pode haver “uma atitude negativa ou uma cultura negativa sobre o SRE que chega até as crianças; é muito difícil trabalhar com isso”. Os professores do SRE predominantemente tentam lidar com esse problema usando uma variedade de abordagens para trabalhar em seus relacionamentos com professores individuais, o diretor e a equipe administrativa. Quando Joshua sentiu que seu diretor era “pouco acolhedor”, ele fez questão de mostrar interesse pela escola para indicar: “Não sou apenas um intruso.” Na mesma linha, Shirley ajuda sua professora da sala de aula com as atividades do parquinho antes da sua aula do SRE, Ruby nunca deixa de cumprimentar a recepcionista da escola e Renee traz ocasionalmente um chá matinal especial para os funcionários da escola. Os professores do SRE investem, assim, nas suas relações escolares devido ao carácter contingente do acolhimento que recebem.

Obviamente, os professores da sala de aula on-line não podem fornecer chá da manhã ou ajudar nas tarefas domésticas, mas podem tentar entender como os pais de seus alunos interagem com o aprendizado e que apoio pode ser apropriado para eles. Os professores da sala de aula on-line podem precisar ser mais explícitos sobre o horário do dia e as expectativas dos alunos. Por exemplo, muitos professores de sala de aula on-line com os quais falei postam uma agenda para o dia na plataforma do aluno e também enviam uma cópia para todos os pais. Os professores on-line podem optar por agradecer aos pais pelo acolhimento da aprendizagem, ao mesmo tempo que ponderam como fazer sugestões sobre os espaços onde seus alunos trabalham. Como os professores da sala de aula on-line agora são convidados na casa de seus alunos, eles podem hesitar em ter tal conversa, especialmente porque podem se sentir, nas palavras de Joshua, “intrusos”.

As linhas tradicionais mudaram, e os professores da sala de aula on-line agora podem apenas fazer sugestões gentilmente; ter um relacionamento forte entre o professor da sala de aula on-line e os pais aumentará muito as interações. Isso requer mais tempo, mas falei com muitos professores que descrevem como têm um contato muito maior com os pais agora do que em circunstâncias normais. Isso pode levar a um nível de cooperação e apoio que pode render frutos além do aprendizado remoto.

Como os professores da sala de aula on-line ensinam em espaços que não controlam, eles devem aceitar que terão que se contentar com os espaços em que seus alunos aprendem. Assim como os professores do SRE que vêm totalmente preparados para uma aula e que não têm expectativas sobre o espaço onde seus alunos estarão aprendendo, o ensino durante o período de aulas a distância requer um alto nível de preparação e consideração sobre o que será eficaz nesse ambiente. Como os professores da sala de aula on-line não podem presumir que os alunos tenham certos recursos, eles precisam encontrar maneiras de adaptar os recursos que costumam usar, desenvolver diferentes recursos ou se comunicar com os pais sobre materiais básicos que serão úteis na aula.

Assim como os professores do SRE trabalham duro para criar aulas envolventes para impedir que seus alunos desistam do SRE, isso também se torna importante durante o aprendizado remoto. Como os professores da sala de aula on-line devem desenvolver novas maneiras de engajar seus alunos, eles usam a tecnologia e criam aulas atraentes.

Também é importante que os professores da sala de aula on-line continuem a desenvolver relacionamentos sólidos com seus alunos, embora usando abordagens diferentes das que usaram na sala de aula. Por exemplo, um professor de sala de aula on-line descreve como ele aproveita o tempo on-line para jogar e compartilhar histórias com seus alunos. Além disso, os professores de sala de aula on-line tiveram que aprender a avaliar o envolvimento de seus alunos em um mundo on-line para que possam redirecioná-los de volta ao aprendizado, quando necessário. Uma professora de sala de aula on-line explicou como ela desenvolveu um protocolo para como os alunos encaram seus computadores, quanto de seu corpo deve ser mostrado durante uma aula on-line e que eles devem estar sempre com a câmera ligada. Ela também descreveu como pode afirmar, pelos reflexos nos olhos deles, se seus alunos estão olhando para a tela correta quando ela está ensinando.

Na aprendizagem remota, os professores de sala de aula on-line podem experimentar ser convidados pela primeira vez. No entanto, eles também devem continuar a trabalhar como anfitriões acolhedores para seus alunos. Como sempre, isso é mais do que “criar um ‘bom lugar’ onde ‘pessoas boas’ podem ser boas umas com as outras”22; exige esforço e risco.23 Chalwell, falando de professores cristãos e hospitalidade, afirma que o “trabalho hospitaleiro que os professores fazem em sala de aula gira em torno da maneira como tratam seus alunos e como se apresentam. Eles tentam tratar seus alunos com hospitalidade incondicional, lembrando-se de seu nome e dando-lhes as boas-vindas à porta, cuidando de suas necessidades individuais, mostrando-lhes amor e cuidado e trabalhando para construir relacionamentos fortes na sala de aula. Eles também se entregam a seus alunos contando histórias pessoais, estando dispostos a responder a perguntas sobre sua fé, quando apropriado, agindo de maneira piedosa e lembrando que seus alunos são feitos à imagem de Deus”.24

Dessa forma, os professores trabalham com seus alunos para criar uma comunidade de aprendizagem onde os alunos não apenas se sintam bem-vindos, mas também onde podem começar a compartilhar as boas-vindas com os outros.

As salas de aula nunca são apenas espaços dos professores. Em vez disso, elas são espaços compartilhados por alunos e professores. Os professores podem trabalhar para criar uma sala de aula que reduza o desequilíbrio de poder da hospitalidade, incentivando a colaboração dos alunos e a tomada de decisões para capacitá-los a atuar como anfitriões uns dos outros e do professor. Durante o aprendizado a distância, esse compartilhamento de hospitalidade se estende até a casa da família, onde o envolvimento com os pais inesperadamente torna-se parte da dinâmica da sala de aula. Para alguns professores de sala de aula on-line, isso significa acolher explicitamente e incluir os pais na aprendizagem; este é especialmente o caso com alunos mais jovens. Outros professores de sala de aula on-line descreveram como aumentaram seu nível de comunicação com os pais falando diretamente com eles durante as aulas on-line, mandando e-mails e ligando para os pais a fim de colaborar no desenvolvimento de estratégias que apoiem as necessidades de aprendizagem dos alunos.

Ensinar dentro da hospitalidade compartilhada do aprendizado a distância é um desafio. Não apenas porque os professores da sala de aula on-line devem compartilhar a hospedagem, mas também porque requer o uso inovador da tecnologia, um grau de vulnerabilidade quando os professores da sala de aula on-line experimentam novas ideias, mostram consideração cuidadosa para manter a segurança dos alunos em um mundo on-line e desenvolvem maneiras para os alunos compartilharem suas histórias. Talvez os professores da sala de aula on-line precisem ser generosos consigo mesmos, consolando-se com a pergunta de Hung: “Como um professor pode tratar seus alunos com o máximo de hospitalidade possível?”25 Ou seja, a hospitalidade dos professores on-line será diferente, ela nem sempre será perfeita, pode ser compartilhada com os pais, pode contar com novas estratégias, vai exigir esforço e risco, mas os professores de sala de aula ainda podem oferecer hospitalidade tanto quanto possível nesse contexto diferente.

A hospitalidade é importante porque ajuda a criar espaços seguros onde os alunos ficam entusiasmados com o que estão aprendendo. Ambientes hospitaleiros oferecem oportunidades para que os alunos compartilhem e inspirem uns aos outros com seu novo aprendizado; eles podem compartilhar suas histórias com segurança, compartilhar ideias diferentes sem riscos e ouvir uns aos outros com atenção. Isso é particularmente importante porque os professores cristãos trazem ideias e práticas religiosas para a casa dos que os recebem. Essa pode ser uma experiência completamente estranha para as famílias. É importante que os professores cristãos venham como hóspedes humildes a esses lares, com confiança, mas não com arrogância, sendo francos sobre sua fé. Como sempre, eles precisam oferecer oportunidades para que os alunos expressem suas opiniões e ideias opostas com uma recepção generosa e gentil.

Immanuel Kant, em sua discussão sobre a hospitalidade universal, compartilhou um comentário sobre um convidado que “enquanto ele [sic] ocupar seu espaço pacificamente, não se pode tratá-lo com hostilidade”.26 Consequentemente, como convidados na aprendizagem remota, é importante que os professores da sala de aula on-line se comportem de maneira pacífica e generosa com seus anfitriões.

Em qualquer contexto que ocorra o ensino, o ponto de partida para a hospitalidade pedagógica dos professores cristãos deve residir na sua relação com Deus. Pohl sugere que “a hospitalidade surge de um coração agradecido; é antes de mais nada uma resposta de amor e de gratidão pelo amor de Deus e de Sua acolhida a nós”.27 A hospitalidade pedagógica deve ser entendida não apenas em termos de tarefas particulares, mas também como modo de ser. “Uma prática intencional que reflete um processo e uma perspectiva, em vez de tarefas específicas que os professores devem adicionar às suas agendas já sobrecarregadas.”28 No entanto, algumas tarefas são dignas de consideração: o tempo devocional gasto com Deus ajuda a incorporar a consciência dos professores cristãos e a alegria do convite de Deus a eles e aos alunos a quem ensinam. Isso mantém Deus no centro de todos os esforços hospitaleiros e ajuda os professores cristãos nestes tempos difíceis para dar as boas-vindas aos alunos e ao seu aprendizado.


Este artigo foi revisado por pares.

Kaye Chalwell

Kaye Chalwell, PhD, é coordenadora de Ensino e Aprendizagem na Escola Júnior da St. Andrew’s Cathedral School, uma escola anglicana de ensino fundamental e médio em Sydney, New South Wales, Austrália. O doutorado da Dra. Chalwell tratou da pedagogia da educação cristã. Ela lecionou em escolas de ensino fundamental e médio e trabalhou na Anglican Youthworks, onde treinou e apoiou professores do SRE e ministros de crianças. Sua área de interesse de pesquisa é a educação cristã, com interesse especial em incentivar uma cultura de pesquisa nas escolas.

Citação recomendada:

Kaye Chalwell, “Reflexões sobre a pedagogia da hospitalidade e aprendizagem a distância,” Revista Educação Adventista 83:3 (2021). Disponível em: https://jae.adventist.org/pt/2021.83.3.4.

NOTAS E REFERÊNCIAS

  1. David I. Smith, On Christian Teaching: Practicing Faith in the Classroom (Grand Rapids, Mich.: Eerdmans, 2018), 95.
  2. Parker J. Palmer, The Courage to Teach: Exploring the Inner Landscape of a Teacher’s Life (Hoboken, N.J.: Wiley and Sons, 2017).
  3. Jacques Derrida, “Hospitality,” Journal of the Theoretical Humanities 5:3 (dez. 2000): 4.
  4. Na Austrália, a Lei da Educação de 1990 declara que “deve-se conceder tempo para a educação religiosa de crianças de qualquer crença” nas escolas do governo. Para crianças que não participam do SRE, uma opção alternativa está disponível de acordo com a Lei da Educação de 1990, s. 33A, Educação Especial em Ética (Special Education in Ethics - SEE). Os professores escolhidos para ensinar educação religiosa são chamados de Educadores Religiosos Especiais (Special Religious Educators - SREs). Muitos são voluntários; entretanto, embora sejam voluntários, eles devem ser autorizados por sua organização religiosa a fornecer instrução religiosa. Essa autorização inclui verificações de antecedentes que incluem autorização para trabalhar com crianças, conclusão do treinamento em conteúdo religioso e métodos de ensino e certificação para ensinar na faixa etária apropriada. Para obter mais informações, consulte o site New South Waled Government Education, “Religious Education” (2021). Disponível em: https://education.nsw.gov.au/policy-library/policies/pd-2002-0074 e “Special Religious Education and Special Education in Ethics Providers “(nov. 2021): https://education.nsw.gov.au/teaching-and-learning/curriculum/learning-across-the-curriculum/religion-and-ethics/approved-sre-see-provedores.
  5. Id., “The Principle of Hospitality,” Parallax 11:1 (jan. 2005): 6.
  6. Mark W. Westmoreland, “Interruptions: Derrida and Hospitality,” Kritike 2:1 (set. 2008): 1-10.
  7. David I. Smith e Barbara Carvill, The Gift of the Stranger: Faith, Hospitality, and Foreign Language Learning (Grand Rapids, Mich.: Eerdmans, 2000).
  8. M. K. Severe, “Making Room for the Truth: The Epistemology and Practice of Hospitality in the Digital Age Classroom.” Artigo apresentado na Society of Professors of Christian Education Conference2013, Orlando, Florida, Estados Unidos.
  9. Derrida, “Hospitality,” 7.
  10. Ruyu Hung, “Educational Hospitality and Trust in Teacher-student Relationships: A Derridarian Visiting,” Studies in Philosophy and Education 32 (2013): 87-99.
  11. Matthew Mallia, “On (Un)conditional Hospitality,” Kinesis: Journal of Philosophy, 42:1 (2018): 49.
  12. Claudia W. Ruitenberg, Unlocking the World: Education in an Ethic of Hospitality (England, U.K.: Routledge, 2015).
  13. Derrida, “Hospitality,” 14.
  14. Kathryn H. Wright, A Pedagogy of Embrace: A Theology of Hospitality as a Pedagogical Framework for Religious Education in Church of England Schools. Tese de doutorado não publicada, 2017. University of East Anglia, Norwich, Reino Unido.
  15. Ruitenberg, Unlocking the World: Education in an Ethic of Hospitality.
  16. Filipenses 2:6-8. Todas as citações das Escrituras neste artigo foram retiradas da Bíblia Sagrada da Nova Versão Internacional (NIV), Nova Versão Internacional®.
  17. Kaye Chalwell, Special Religious Education: An Exploration ofPedagogy (Unpublished doctoral dissertation, University of New England, Armidale, Australia, 2015).
  18. Nomes e citações de professores do SRE neste artigo são pseudônimos, e as declarações foram feitas por participantes em minha pesquisa de doutorado.
  19. No restante do artigo vou me referir a professores do SRE, professores de sala de aula e professores de sala de aula on-line para distinguir entre os três tipos de professores.
  20. Derrida, “Hospitality,” p. 7.
  21. Robert Coe et al., Great Teaching Toolkit: Evidence Review (Cambridge Assessment International Education, 2020). Disponível em: https://www.cambridgeinternational.org/support-and-training-for-schools/teaching-cambridge-at-your-school/great-teaching-toolkit/.
  22. C. Andrews, “Welcoming the Stranger: Christian Hospitality as a Paradigm for Interprofessional Learning.” In Howard Bryan and Hazel Worsley, eds., Being Christian in Education (Atlanta, Ga.: Canterbury Press, 2015), 36.
  23. David W. Anderson, “Hospitable Classrooms: Biblical Hospitality and Inclusive Education,” Journal of Education and Christian Belief 15:1 (2011): 13-27.
  24. Kaye Chalwell, “You Are Welcome: Hospitality Encounters in Teaching.” In Johannes M. Luetz, Tony Dowden e Beverly Norsworthy, eds., Reimagining Christian Education: Cultivating Transformative Approaches (Berlin, Germany: Springer, 2018), 224.
  25. Hung, “Educational Hospitality.”
  26. Immanuel Kant, “To Perpetual Peace: A Philosophical Sketch (1795).” In T. Humphrey, ed. Perpetual Peace, and Other Essays on Politics, History, and Morals (Indianapolis, Ind.: Hackett Publishing Company, 1983), 118.
  27. Christine D. Pohl, “Hospitality, a Practice and a Way of Life,” Vision: A Journal for Church and Theology 3:1 (mar. 2002): 37.
  28. Anderson, “Hospitable Classrooms,” 17.