Don Essex

Desenvolvimento rentável de acervo na era digital:

consideração para bibliotecas acadêmicas

A opção mais econômica para as bibliotecas acadêmicas é por livros impressos ou eletrônicos? Um grande desafio para as bibliotecas acadêmicas na era digital é como conduzir o desenvolvimento economicamente rentável quando os preços dos recursos de informação são altos e crescentes e o tamanho dos orçamentos das bibliotecas é baixo e vem diminuindo. O Merriam-Webster Dictionary define a palavra rentável como “produzir bons resultados sem custar muito dinheiro”.1 O bibliotecário de faculdade ou universidade frequentemente se depara com a questão da rentabilidade ao tentar identificar e comprar o maior número possível de livros de alta qualidade para apoiar adequadamente os programas acadêmicos de sua instituição. Inevitavelmente, a questão se dissolve no dilema prático de saber se a biblioteca deve adquirir a versão impressa ou eletrônica de um determinado livro para satisfazer as necessidades dos alunos e professores.

Por um lado, um livro impresso fornece ao leitor um engajamento visual e tátil com seu conteúdo e, muitas vezes, pode ser comprado a um preço com desconto em revendedores on-line, como a Amazon. No entanto, o mesmo livro impresso deve ser pedido, preparado e armazenado fisicamente na estante de uma biblioteca antes que o leitor possa usá-lo. Por outro lado, um livro eletrônico fornece ao leitor um engajamento visual e audível com seu conteúdo e pode ser acessado remotamente por um ou mais leitores simultaneamente por meio de bancos de dados on-line, como o ProQuest. Além disso, o mesmo livro eletrônico pode ser encomendado e armazenado on-line digitalmente e, consequentemente, disponibilizado ao leitor em um tempo relativamente curto.2

Dadas as diferentes qualidades associadas aos livros impressos e eletrônicos e os variados processos envolvidos para disponibilizá-los aos leitores, parece que os livros eletrônicos têm vantagem sobre os livros impressos, e os bibliotecários acadêmicos os favoreceriam na aquisição de livros de alta qualidade para apoiar os programas acadêmicos em suas instituições. No entanto, como este artigo demonstrará, há duas questões significativas no desenvolvimento de acervo – preço e disponibilidade – que continuam a tornar os livros impressos a opção de melhor custo-benefício para muitas bibliotecas acadêmicas na era digital.

Definindo o desenvolvimento do acervo

Desenvolvimento de acervo é o processo usado pelas bibliotecas acadêmicas para identificar, selecionar e adquirir recursos de informação para apoiar suas instituições. Esses recursos incluem livros, revistas, vídeos, músicas e outros conteúdos que são comprados, licenciados ou obtidos de outra forma para apoiar seus programas acadêmicos.3 O processo envolve a revisão e avaliação de vários recursos de informação para considerar se eles atendem às necessidades de ensino e pesquisa das áreas, da formação, dos cursos, dos professores e alunos de uma instituição específica. Nesse sentido, o desenvolvimento do acervo se preocupa sobre quais áreas (por exemplo, arte, sociologia, biologia) devem ser desenvolvidas pela biblioteca.4

No entanto, o desenvolvimento de acervo também se preocupa com os formatos (por exemplo, livros, DVDs, bancos de dados) que uma biblioteca adquire. Esse processo geralmente envolve considerar vários meios de conteúdo e determinar quais permitem que a biblioteca dê melhor suporte ao currículo e garanta que as informações sejam prontamente acessíveis aos alunos e professores.5 Normalmente, isso exige que a biblioteca pese muitos fatores, incluindo os seguintes:6

Público-alvo - Quem na instituição educacional deve usar e ser apoiado pelos recursos de informação? Alunos, professores, administradores, outros? Por exemplo, não seria particularmente útil incentivar a impressão de periódicos de enfermagem a fim de apoiar um programa de enfermagem exclusivamente on-line.

Preferência - Que tipo de formato é preferido pelo público? Por exemplo, os alunos de português podem preferir emprestar e ler livros e seleções de literatura impressa, em vez de acessá-los on-line ou lê-los em seu computador.

Recursos - Recursos especiais estão disponíveis em um formato que não está incluído em uma ferramenta complementar ou em um formato diferente? Por exemplo, muitas enciclopédias on-line possuem ferramentas de citação que não estão disponíveis em sua versão impressa.

Viabilidade - Que tipo de formato será mais viável para a biblioteca? Por exemplo, pode ser mais barato comprar uma cópia impressa de um livro de não ficção que é um best-seller do The New York Times do que comprar uma cópia eletrônica.

Disponibilidade - Os recursos de informação estão disponíveis no formato preferido? Por exemplo, alguns filmes educacionais podem não estar disponíveis para compra através do serviço de streaming de vídeo de uma biblioteca, mas apenas como DVDs.

Conforme sugerido pelos fatores acima, as bibliotecas acadêmicas na era digital são frequentemente confrontadas com a questão crítica e inevitável, se devem adquirir recursos de informação física ou digital para apoiar efetivamente sua instituição. Para muitos, em nenhum outro lugar essa questão é mais aparente e comum do que em seu dilema sobre a aquisição de livros impressos ou eletrônicos.

Adquirindo livros impressos

As bibliotecas nos Estados Unidos compram e adquirem livros impressos para seus usuários há quase 200 anos. Durante esse período, a qualidade e disponibilidade dos livros impressos melhoraram substancialmente, juntamente com o desenvolvimento de métodos modernos de impressão e vendas. No entanto, o modo de aquisição permaneceu essencialmente o mesmo. Na maioria dos casos, os livros impressos foram doados ou comprados pelas bibliotecas.7 Quando os livros impressos eram comprados, as bibliotecas geralmente os adquiriam diretamente das editoras, vendedores ou revendedores de livros – atacadistas que compravam livros impressos em nome de muitas bibliotecas mediante taxa, oferecendo descontos e outros incentivos às bibliotecas.

Com a chegada da internet e o desenvolvimento de compras on-line nos últimos 25 anos, as bibliotecas nos Estados Unidos começaram a comprar cada vez mais livros impressos on-line.

Com a chegada da internet e o desenvolvimento de compras on-line nos últimos 25 anos, as bibliotecas nos Estados Unidos começaram a comprar cada vez mais livros impressos on-line. O que os incentivou a fazê-lo, além da eficiência do comércio eletrônico, foram os preços e a disponibilidade oferecidos por grandes livrarias on-line, como a Amazon. As bibliotecas preocupadas com o orçamento receberam descontos competitivos em livros impressos, frete grátis em pedidos mínimos e atendimento de pedidos mais rápido e confiável em comparação com os fornecedores tradicionais.8 Durante esse período, as bibliotecas continuaram a comprar livros impressos das editoras e revendedores, mas uma transformação ocorreu na natureza dessas transações. Devido à força generalizada do comércio eletrônico, os editores e revendedores também foram obrigados a vender seus produtos e serviços on-line. E por causa do domínio do mercado e dos preços com desconto da Amazon, muitas vezes eles eram obrigados a reduzir os preços de livros impressos para satisfazer o gigante ou competir e reter clientes.9 O resultado desses desenvolvimentos, “o efeito Amazon”,10 é que muitas bibliotecas acadêmicas estão adquirindo livros impressos com custos significativamente mais baixos do que no passado.

Adquirindo livros eletrônicos

Em contraste com os livros impressos, as bibliotecas nos Estados Unidos compram e adquirem de outra forma livros eletrônicos (daqui em diante chamados “e-books”) há apenas cerca de 20 anos. Embora o conceito de e-book exista desde o início do século 20 e o primeiro e-book tenha sido criado pelo Projeto Gutenberg em 1971, as bibliotecas não começaram a fornecer acesso a esse formato até quase o final do século.11 Uma pioneira nesse esforço foi a netLibrary, uma empresa privada que acabou sendo adquirida pela OCLC, a cooperativa de bibliotecas sem fins lucrativos. A netLibrary era um banco de dados on-line de e-books em texto completo, que incluía obras de domínio público e a venda por grandes editoras. Com seu conteúdo disponível para as bibliotecas por assinatura e inclusão de recursos especiais como um dicionário integrado, a netLibrary possuía muitas das qualidades que agora são padrão nos bancos de dados de e-books.12

Apesar de tais esforços, o uso de e-books por bibliotecas, especialmente bibliotecas acadêmicas, permaneceu baixo ou estagnado no início do século 21.13 Um fator importante que mudou essa circunstância foi o rápido desenvolvimento da tecnologia da informação, que promoveu e popularizou os e-books. Isso incluía o Sony Reader, Amazon Kindle e Barnes & Noble Nook, que permitiam que qualquer pessoa baixasse facilmente e-books gratuitamente ou mediante taxa.14 Consequentemente, a demanda por e-books em bibliotecas públicas, escolares e acadêmicas cresceu à medida que esses dispositivos passaram a permear a sociedade e foram adotados para educação e entretenimento. Isso incentivou editores e vendedores de livros, grandes e pequenos, a se associarem a fornecedores de bancos de dados on-line, como OverDrive e EBSCO, para vender ou licenciar seu conteúdo para bibliotecas e permitir empréstimos de e-books por bibliotecas.15 Nos últimos anos, muitos editores de livros também ignoraram os vendedores on-line e comerciantes de banco de dados e venderam seus e-books diretamente para bibliotecas.

Métodos de aquisição de e-books

Para bibliotecas acadêmicas, normalmente existem três maneiras de adquirir e-books de vendedores e editores. O primeiro é à la carte. Assim como os livros impressos, esse método envolve simplesmente selecionar e comprar um ou mais títulos desejados do catálogo on-line de e-books oferecidos pelo provedor de conteúdo. Os e-books são então ativados e disponibilizados aos usuários da biblioteca através do banco de dados associado on-line. Uma vantagem dessa abordagem é que as bibliotecas podem comprar apenas os títulos de que precisam. Uma desvantagem é que muitas vezes as bibliotecas têm fundos limitados e precisam mais do que podem conseguir para sustentar sua instituição.16

O segundo método é o de coleções agrupadas. Com essa abordagem, editores e vendedores empacotam centenas ou milhares de títulos em coleções por assunto, tema ou outras categorias e fornecem às bibliotecas acesso aos e-books por assinatura, por meio de um banco de dados on-line. Os e-books não são de propriedade das bibliotecas, mas são essencialmente alugados por um tempo, geralmente um ano. Uma vantagem do acervo agrupado sobre o método à la carte é que uma biblioteca pode alugar uma quantidade muito maior de e-books por um preço fixo do que poderia comprar de outra forma. No entanto, uma desvantagem é que, quando a assinatura termina, a biblioteca perde acesso a esses e-books.17

Finalmente, a terceira maneira é a demanda movida pela procura. Com essa abordagem, o editor ou vendedor fornece à biblioteca acesso completo a um grande conjunto de e-books, e a biblioteca é obrigada a comprar apenas os títulos que são mais procurados por seus usuários, com base em suas solicitações ou uso dos títulos. A aquisição orientada pela demanda é o mais novo dos três métodos, e ainda não há um veredito sobre sua eficácia a longo prazo. Ela é atraente porque as bibliotecas pagam apenas pelo que seus clientes usam. A desvantagem é que essa abordagem pode transferir um grau de controle sobre as decisões de desenvolvimento de acervo dos bibliotecários para os clientes.18

Problemas e desafios do e-book

Embora o crescimento e o desenvolvimento da tecnologia e dos mercados de e-books tenha criado inúmeras opções de desenvolvimento de coleções para bibliotecas, as mudanças trouxeram seus próprios problemas e desafios inusitados. Os que mais se destacam são disponibilidade, termos e preços de e-books.

Muitos títulos disponíveis como livros impressos simplesmente não estão disponíveis como e-books. Em alguns casos, os títulos podem ser produzidos por pequenas editoras que não têm capacidade para criar versões eletrônicas de seus livros impressos. Em outros casos, a publicação de uma versão eletrônica de um título pode ser embargada ou adiada por um editor para incentivar sua venda em livro impresso.19 Essa é uma estratégia que alguns grandes editores usaram porque temem que permitir que o público tenha acesso a novos lançamentos através de bancos de dados de e-books em bibliotecas locais prejudique as vendas de livros impressos.20

Uma questão relacionada são os termos que editores e fornecedores geralmente colocam no uso de e-books pelas bibliotecas. Geralmente, um e-book – comprado ou licenciado – tem restrições em relação a quantos usuários da biblioteca podem abri-lo e visualizá-lo simultaneamente. As restrições geralmente variam três a um número ilimitado de usuários e são aplicadas tecnologicamente. Se uma biblioteca compra um e-book de um fornecedor, pode esperar que o preço seja escalonado com base no número de usuários concorrentes ou simultâneos desejados. Em uma reviravolta mais drástica, alguns grandes editores limitam o número de e-books que uma biblioteca pode possuir, limitam o número de vezes que podem ser usados e os programam para expirar quando seu limite de uso for atingido.21

O preço é uma das questões mais importantes que as bibliotecas devem considerar em relação à compra de e-books. Isso ocorre porque, como regra, eles podem esperar pagar mais para adquirir títulos como e-books do que como livros impressos.22 Embora existam muitos e complexos fatores envolvidos nos preços dos livros, a prática de preços mais altos dos e-books é parcialmente impulsionada por temores dos editores de perder receita devido à concorrência acirrada. Assim, eles continuam a exercer um controle rígido sobre quais entidades podem vender seus e-books e a que preços para impedir a repetição do “efeito Amazon” que as forçou a baixar os preços de seus livros impressos.23 Isso significa que os preços que os fornecedores definem para os e-books são frequentemente ditados pelos editores.

Desenvolvimento rentável de acervo

Para uma biblioteca acadêmica na era digital, as decisões sobre a compra de livros impressos ou e-books devem considerar os processos e preocupações do desenvolvimento de coleções e os métodos e problemas associados à aquisição de cada formato. No entanto, para muitas bibliotecas preocupadas com o orçamento, esta é uma decisão que muitas vezes depende mais do que é prático do que do que é preferível. Em outras palavras, eles necessariamente escolhem o formato mais econômico, mais rentável: “produzir bons resultados sem custar muito dinheiro.”24 Em termos de seu objetivo de apoiar os programas acadêmicos das instituições, rentabilidade pode significar comprar o maior número possível de livros de alta qualidade sobre um assunto, mantendo-se dentro do orçamento. De fato, este artigo demonstrará que, devido aos problemas de preço e disponibilidade associados aos e-books, os livros impressos continuam sendo a opção de desenvolvimento de coleções de melhor custo-benefício para muitas bibliotecas acadêmicas.

Método de pesquisa e resultados

Para ilustrar esse ponto, comparei os preços das versões impressa e eletrônica de mais de 300 títulos que foram comprados como livros impressos para a Biblioteca Weis no campus da Universidade Adventista de Washington, em Takoma Park, Maryland, Estados Unidos, do ano fiscal de 2018 ao ano fiscal de 2020. Especificamente, selecionei 321 títulos que foram publicados entre 2016 e 2018 e que foram realmente adquiridos pela biblioteca, como livros de capa dura ou brochura. Para cada título, registrei o preço que a biblioteca pagou pela versão impressa e o preço que a biblioteca pagaria se tivesse comprado na versão e-book. Os preços dos livros impressos foram obtidos na Amazon, uma loja on-line, e na Pacific Press, uma editora de propriedade e operada pela Igreja Adventista do Sétimo Dia. Os preços dos livros eletrônicos foram obtidos no EBSCOHost Collection Manager, a loja on-line dos bancos de dados de e-books para EBSCO mantida pela biblioteca. Para cada e-book, o preço registrado era para acesso de um usuário por vez.

As comparações de preços revelaram três descobertas importantes sobre a aquisição de livros com boa relação custo-benefício: primeira, há uma grande disparidade entre os preços que as bibliotecas acadêmicas podem esperar pagar por livros impressos e e-books; segunda, um número notável de títulos disponíveis como livros impressos simplesmente não está disponível como e-book; e, terceira, uma biblioteca que compra exclusivamente livros eletrônicos pode esperar pagar substancialmente mais dinheiro por significativamente menos títulos do que se comprasse exclusivamente livros impressos.

Preços e disponibilidade de livros

Como mostra a Tabela 1, o valor total que a administração da Biblioteca Weis pagou pelos 321 livros impressos foi de US$10.254,32. Dos 321 títulos comprados como livros impressos, 205 também estavam disponíveis como e-books. Em outras palavras, 116 títulos não estavam disponíveis como e-books. No entanto, o valor total necessário para comprar os 205 e-books era de US$17.138,80, ou seja, US$6.884,48 ou 67% a mais do que o custo dos 321 livros impressos. Assim, a biblioteca teria pago 67% mais por 36% menos títulos se tivesse adquirido exclusivamente e-books, e não livros impressos.

Além disso, dos 205 títulos disponíveis em ambos os formatos, o e-book seria mais caro que o livro impresso em 193 deles. O livro impresso ficaria mais caro que o e-book em apenas cinco deles. E o preço para ambos os formatos foi idêntico em apenas sete deles. Em média, o preço do e-book era US$54,01 mais caro que o preço do livro impresso para esses 193 títulos. Por outro lado, o preço do livro impresso era US$11,40 mais caro que o preço do e-book, em média, para os sete títulos.

As conclusões acima se aplicam não apenas à quantidade total de títulos analisados pelo autor. Elas também se aplicam aos subconjuntos desses 321 títulos que foram classificados e analisados para as disciplinas acadêmicas. Como também está mostrado na Tabela 1, eles incluem inglês, administração da saúde, história, enfermagem, psicologia, religião e livros adventistas.

A administração da biblioteca da Universidade Adventista de Washington comprou 65 livros impressos para o Departamento de Inglês entre o ano fiscal de 2018 e o ano fiscal de 2020, incluindo títulos de ficção e não ficção. Esses livros impressos custaram à biblioteca US$1.446,09. Dos 65 títulos em inglês comprados, 45 estavam disponíveis como e-books, enquanto 20 não estavam. No entanto, o valor total necessário para a compra dos 45 e-books foi de US$3.301,40, o que equivale a US$1.855,31 ou 128% a mais do que o necessário para comprar os 65 livros impressos. Em outras palavras, se a biblioteca tivesse escolhido adquirir exclusivamente e-books, teria pago 128% mais por 31% menos títulos.

Além disso, dos 45 títulos em inglês disponíveis nos dois formatos, o e-book foi mais caro que o livro impresso em 43 deles. Apenas um livro impresso estava mais caro que o e-book. Da mesma forma, o preço de ambos os formatos foi idêntico apenas uma vez. Em média, o preço do e-book era US$52,98 mais caro que o livro impresso nos 43 títulos. Por outro lado, o preço médio do livro impresso estava US$1,00 a mais do que o seu equivalente em livro eletrônico. O livro impresso mais caro custa US$1,00 a mais que sua versão em livro eletrônico.

Livros adventistas e sua disponibilidade

Embora a administração da Biblioteca Weis pudesse escolher entre adquirir a versão impressa ou eletrônica de quase dois terços dos 321 títulos que foram eventualmente comprados, havia um subconjunto de títulos que estava esmagadoramente disponível apenas como livros impressos. Essa categoria é a de livros adventistas. Livros adventistas são publicações de adventistas do sétimo dia e incluem obras publicadas por entidades da própria igreja, bem como por outros editores religiosos e seculares.

Dos 321 títulos adquiridos pela biblioteca entre o ano fiscal de 2018 e o ano fiscal de 2020, 34 foram livros adventistas. No entanto, 33 desses títulos estavam disponíveis exclusivamente como livros impressos, e apenas um dos títulos adventistas estava disponível nos dois formatos. Curiosamente, os 33 títulos que estavam disponíveis exclusivamente como livros impressos foram publicados por entidades da Igreja Adventista do Sétimo Dia. O único título disponível em ambos os formatos era publicado pela Pantheon Books, uma edição da Knopf Doubleday. Para este título, o preço do livro impresso era de US$21,97 e o preço da versão em e-book era de US$85,00.

Discussão e conclusão

Os dados apresentados na seção anterior demonstram que a compra exclusiva de e-books não é uma opção de melhor custo-benefício no desenvolvimento de coleções para muitas bibliotecas acadêmicas. Conforme definido neste artigo, rentabilidade significa “produzir bons resultados sem custar muito dinheiro”.25 Mas uma análise dos dados comparativos de preço e disponibilidade de livros impressos e livros eletrônicos revela que qualquer biblioteca acadêmica que compra exclusivamente versões eletrônicas de títulos de livros para apoiar suas instituições pagará “muito dinheiro”. Além disso, ela adquirirá muito menos conteúdo por um custo muito maior comprando exclusivamente e-books.

No entanto, por mais importantes que sejam, preço e disponibilidade não são os únicos fatores que os bibliotecários acadêmicos devem considerar ao decidir comprar livros impressos ou e-books. Eles também devem considerar fatores como quantidade, qualidade, acessibilidade e uso, e, na prática, qualquer um desses itens sozinho ou combinado com os outros poderia constituir uma justificativa para a compra de um dos formatos. Para uma instituição acadêmica que valoriza a quantidade de livros que seus alunos e professores podem acessar, a biblioteca pode, naturalmente, preferir licenciar e-books através de pacotes de assinatura, e não comprar livros impressos ou e-books individualmente. Essa opção representaria uma troca de qualidade por quantidade, já que os pacotes de livros eletrônicos geralmente não incluem títulos recém-lançados, mais vendidos ou premiados. Além disso, em uma instituição que valoriza a qualidade e a acessibilidade, a biblioteca pode preferir comprar livros em papel porque pode, assim, obter conteúdo de alta qualidade com desconto.

A Biblioteca Weis adotou uma estratégia de desenvolvimento de acervo que equilibra quantidade, qualidade e acessibilidade. Por um lado, a biblioteca licencia vários pacotes de e-books que contêm milhares de títulos multidisciplinares para apoiar adequadamente o amplo leque de disciplinas acadêmicas e pesquisa características das instituições de ensino superior. Por outro lado, a biblioteca adquire livros impressos selecionados que são altamente recomendados e oferecem suporte a programas acadêmicos específicos da universidade, mas não estão disponíveis em seus bancos de dados de livros eletrônicos. Independentemente da estratégia que uma biblioteca acadêmica decida usar, o autor deste artigo concluiu que as questões de preço e disponibilidade continuam a tornar os livros impressos a opção de desenvolvimento de coleções de melhor custo-benefício para muitas bibliotecas acadêmicas na era digital.

Este artigo foi revisado por pares.

Don Essex

Don Essex, MLS, é diretor da Biblioteca da Universidade Adventista de Washington, em Takoma Park, Maryland, Estados Unidos. Antes de se juntar ao corpo docente da universidade, ele atuou como especialista em Informações Legislativas para o Escritório da Associação Americana de Bibliotecas de Washington, no distrito de Columbia. Don Essex também ocupou anteriormente o cargo de bibliotecário de circulação do Columbia Union College e tem mais de 20 anos de experiência trabalhando em bibliotecas acadêmicas e especiais na área metropolitana. As responsabilidades do trabalho de Essex incluem serviços de referência, instrução sobre biblioteca e desenvolvimento de coleções. Seus interesses de pesquisa incluem assuntos legislativos e políticas públicas que afetam as bibliotecas americanas. Don Essex recebeu um B.A. em Estudos Liberais no Pacific Union College, em Angwin, Califórnia, e mestrado em Biblioteconomia pela Universidade de Maryland, em College Park.

Citação recomendada:

Don Essex, “Desenvolvimento rentável de acervo na era digital: consideração para bibliotecas acadêmicas,” Revista Educação Adventista 82:2 (abril a junho de 2020). Disponível em: https://jae.adventist.org/pt/2020.82.2.4.

NOTAS E REFERÊNCIAS

  1. “Cost-Effective,” Merriam-Webster Dictionary. Disponível em: https://www.merriam-webster.com/dictionary/cost-effective.
  2. Para diferenças adicionais entre livros impressos e eletrônicos, consulte Stanley M. Besen e Sheila Nataraj Kirby, “Library Demand for E-Books and E-Book Pricing: An Economic Analysis,” Journal of Scholarly Publishing 45:2 (janeiro de 2014): p. 129. Disponível em: doi.org/10.3138/jsp.45.2.002.
  3. Peggy Johnson, Fundamentals of Collection Development and Management, 4th ed. (Chicago: ALA Editions, 2018), p. 1.
  4. Ibid., 120.
  5. Ibid.
  6. Ibid.; as páginas 126 a 138 fornecem uma discussão exaustiva dos fatores que as bibliotecas consideram ao “avaliar e medir possíveis seleções”.
  7. Patrick M. Valentine, “American Libraries” in A Social History of Books and Libraries from Cuneiform to Bytes (Lanham, Md.: Scarecrow Press, 2012), p. 142-148.
  8. Paul Orkiszewski, “A Comparative Study of Amazon.com as a Library Book and Media Vendor,” Library Resources & Technical Services 49:3 (julho de 2005):204-209. Disponível em: http://www.ala.org/alcts/sites/ala.org.alcts/files/content/resources/lrts/archive/49n3.pdf.
  9. Colin Robinson, “The Trouble with Amazon,” The Nation (2 de agosto de, 2010):29-32.
  10. Barbara Hoffert, “Book Report 2002: The Amazon Effect,” Library Journal 127:3 (15 de fevereiro de 2002):38, 39. Disponível em: https://www.libraryjournal.com/?detailStory=book-report-2002-the-amazon-effect.
  11. Stephanie Ardito, “Electronic Books: To ‘E’ or Not to ‘E’; That Is the Question,” Searcher 8:4 (abril de 2000). Disponível em: http://www.infotoday.com/searcher/apr00/ardito.htm.
  12. Vincent Kiernan, “An Ambitious Plan to Sell Electronic Books,” The Chronicle of Higher Education 45:32 (16 de abril de 1999). Disponível em: https://www.chronicle.com/article/An-Ambitious-Plan-to-Sell/23897.
  13. Robert Slater, “Why Aren’t E-Books Gaining More Ground in Academic Libraries? E-Book Use and Perceptions: A Review of Published Literature and Research,” Journal of Web Librarianship 4:4 (outubro de 2010):305-331). Disponível em: https://doi.org/10.1080/19322909.2010.525419.
  14. Jason Griffey, “Electronic Book Readers” in Library Technology Reports 46:3 (abril de 2010):7-19. Disponível em: https://journals.ala.org/index.php/ltr/article/view/4769/5698.
  15. Julie Bosman, “Kindle Users to Be Able to Borrow Library E-Books,” New York Times (21 de abril de 2011):B4. Disponível em: https://www.nytimes.com/2011/04/21/technology/21amazon.html.
  16. Sue Polanka, “Purchasing E-Books in Libraries: A Maze of Opportunities and Challenges” in Library Technology Reports 47:8 (nov./dez. 2011):4-6. Disponível em:https://journals.ala.org/index.php/ltr/ article/view/4425/5140.
  17. Ibid.
  18. Johnson, Fundamentals of Collection Development and Management, p. 133-136.
  19. Polanka, “Purchasing E-Books in Libraries,” p. 5, 6.
  20. Besen e Kirby, “Library Demand for E-Books and E-Book Pricing: An Economic Analysis,” p. 134-136.
  21. Ibid., p. 131-134.
  22. Polanka, “Purchasing E-Books in Libraries,” p. 4.
  23. Robinson, “The Trouble with Amazon,” p. 30.
  24. “Cost-Effective,” Merriam-Webster Dictionary.
  25. Ibid.