Sydney Freeman Jr. • Ibrahim M. Karkouti • Ty-Ron M. O. Douglas

Evitando títulos falsos e fábricas de diplomas:

recomendações para educadores e administradores acadêmicos

A conquista de um diploma universitário é geralmente considerada a chave para uma carreira bem-sucedida,1 um meio para o sucesso social2 e uma das únicas maneiras de permanecer competitivo no mercado internacional do século 21.3 Na Igreja Adventista do Sétimo Dia, muitos funcionários, incluindo professores e administradores acadêmicos, buscam credenciais adicionais para aprimorar suas habilidades profissionais e avançar em sua carreira. No entanto, nos últimos anos surgiram questões éticas relacionadas à integridade acadêmica de vários indivíduos4 e à qualidade e legitimidade dos diplomas acadêmicos e outros tipos de credenciamento que certos indivíduos têm buscado.5

O objetivo deste artigo é abordar a questão da titulação falsa, compartilhar a base bíblica referente à integridade no que se refere a tais situações, apresentar maneiras de identificar faculdades e programas de graduação credenciados e informar administradores e professores para que possam aconselhar melhor os alunos sobre como evitar se matricular em instituições e programas não respeitáveis.

Neste artigo, usaremos a definição de fraude e/ou má conduta acadêmica de Teferra, que diz que ela “manifesta-se de várias formas, que incluem plágio, nepotismo, seleção e admissão fraudulentos, trapaça em exames, adulteração e falsificação de registros, classificação tendenciosa, suborno, conspiração e conluio, entre outros.”6 No entanto, este artigo vai se concentrar principalmente em fraudes acadêmicas – falsificar credenciais acadêmicas de faculdades não respeitáveis e de programas de graduação não credenciados.

Muitas vezes, estudantes em potencial são enganados e selecionados para se matricular em instituições não credenciadas e de baixa qualidade, conhecidas como “fábricas de diploma”.7 Em outros casos, estudantes e funcionários adultos conscientemente se inscrevem nessas instituições8 com a intenção de usar essas credenciais e/ou diplomas falsos não credenciados para obter emprego, ascensões e promoções. Isso vai contra os valores e princípios morais que qualquer profissional deveria adotar. Os educadores adventistas devem demonstrar mais cuidado a esse respeito porque suas escolhas não são apenas um reflexo de sua própria integridade pessoal, mas deturpam a comunidade cristã e os padrões de Jesus Cristo. Embora os cristãos tenham um dever terreno que lhes direcione a honestidade em relação à integridade acadêmica, eles também têm um padrão ético mais elevado que deve ser respeitado. Ellen White disse: “Nenhum desvio da estrita integridade pode encontrar a aprovação de Deus.”9

Na próxima seção deste artigo, forneceremos uma sinopse de exemplos globais de fraude de diploma e discutiremos seu impacto em instituições e indústrias religiosas e seculares.

Uma perspectiva global sobre questões de graduação

Problemas com falsidade acadêmica e de diploma ocorrem em todas as partes do mundo.10 Nos Estados Unidos, as agências credenciadoras avaliam a qualidade do ensino superior e garantem que as instituições pós-secundárias atendam aos padrões educacionais de qualidade que promovem ambientes de aprendizado profissional.11 Diploma de universidades com programas educacionais credenciados são altamente considerados tanto pelos estudantes como pelos empregadores.12

Mesmo os países que possuem diretrizes de certificação bem desenvolvidas, com padrões claros de qualidade educacional, enfrentam desafios com fraudes acadêmicas e de graduação. Isso levou o Centro Internacional de Integridade Acadêmica (International Center for Academic Integrity) a patrocinar um Dia Internacional de Ação Contra a Fraude Contratual (estudantes pagando outros para escreverem seus trabalhos).13 Este evento foi criado para aumentar a conscientização e concentrar a atenção nas questões de integridade acadêmica e fraude educacional em todo o mundo.14

No Oriente Médio e Norte da África, em muitos casos, opções educacionais de baixa qualidade e políticas educacionais frouxas degradam o desempenho acadêmico dos alunos e comprometem seus planos futuros de carreira.15 Por exemplo, alguns países árabes ainda carecem de políticas educacionais que regulem os programas de e-learning. Como resultado, os diplomas on-line são percebidos negativamente pelos membros da comunidade e pelos empregadores, que não os consideram credenciais válidas de emprego.16

Outra questão importante que os países árabes enfrentam hoje é a multimilionária indústria tradicional de falsificação de diploma (presencial/em sala de aula).17 Hoje, mais do que nunca, governos e sociedades estão lutando contra falsificações de diplomas no Líbano, Kuwait e Arábia Saudita. No Líbano, o Ministério do Ensino Superior e a Diretoria de Inteligência Militar Libanesa encomendaram recentemente missões de investigação de fatos para verificar casos de falsificação de diplomas em duas conhecidas universidades privadas.18 As autoridades suspeitam que administradores e funcionários de universidades tenham criado uma rede que vendia títulos falsos a civis e militares por US$ 9.000 cada.19 Segundo Akoum,20 cinco soldados foram presos por comprar diplomas falsos e usá-los para obter promoções militares.

Em 6 de janeiro de 2020, 263 revistas científicas russas haviam concordado em retirar 869 artigos de pesquisa, principalmente por plágio. Outros motivos incluíram duplicação intencional de conteúdo e autoria pouco clara em vários periódicos.

Da mesma forma, as autoridades educacionais do Kuwait descobriram 400 diplomas universitários falsos nas áreas de direito e educação.21 Após a busca, os investigadores do Kuwait acusaram um residente egípcio que trabalhava no Ministério do Ensino Superior de forjar diplomas para 50 pessoas de setores do governo privado e legal no Kwait.22 Em um incidente semelhante, oito professores da Autoridade Pública para Educação e Treinamento Aplicado do Kuwait foram considerados culpados por possuir certificados falsos de doutorado que receberam de universidades inexistentes da Grécia.23 De acordo com os culpados, o preço dos diplomas falsos no Kuwait depende do grau escolar, mas geralmente está na faixa de US$12.000.24

Na Arábia Saudita, as pessoas com diplomas falsos ainda mantêm posições-chave nos setores público e privado.25 Segundo Al-Mulhim, as autoridades sauditas não tomaram nenhuma medida contra as instituições que emitem esse tipo de diploma. Ele escreveu: “O que é mais angustiante é o fato de que mesmo as chamadas instituições que concedem esses certificados ou diplomas falsos também estão fazendo negócios rápidos, sem esconder a verdadeira natureza de suas operações [...] Uma delas está localizada em Londres e coopera abertamente com alguns elementos do setor educacional.”26

Outra questão global da fraude acadêmica é o plágio e a falsificação de dados.27 Em 2012, a Rússia, sob a direção de seu presidente, lançou uma iniciativa para se tornar líder em pesquisa científica. Com essa iniciativa surgiram muitos incentivos monetários e promessas de promoções para os professores que publicassem seus trabalhos. No entanto, em janeiro de 2020, um relatório impressionante da Comissão da Academia Russa de Ciências para Combater a Falsificação de Pesquisas Científicas descobriu que 2.528 artigos de pesquisa em 541 periódicos russos precisavam ser retirados. Em 6 de janeiro de 2020, 263 revistas científicas russas haviam concordado em retirar 869 artigos de pesquisa, principalmente por plágio. Outros motivos incluíram duplicação intencional de conteúdo e autoria pouco clara em vários periódicos.28

Tais casos não se limitam à educação pública. Dentro do setor religioso, também ocorrem violações da integridade acadêmica. Dentro da Igreja Adventista do Sétimo Dia, dois casos recentes foram documentados pela imprensa local e internacional em que vários administradores educacionais e da igreja cometeram fraude acadêmica. Na Índia, as autoridades locais emitiram mandados de prisão para três administradores veteranos de uma universidade adventista que teriam obtido diplomas falsos de doutorado.29 Essas alegações foram um choque para a comunidade da universidade adventista, e alguns começaram a questionar a legitimidade da escola, porque os administradores acusados deveriam defender os ideais da filosofia adventista da educação.30 Da mesma forma, na África do Sul, um funcionário eleito pela igreja teria contratado um escritor fantasma para sua tese de doutorado. A descoberta levou à demissão do indivíduo.31

Rumo a um quadro bíblico de integridade acadêmica

Os autores deste artigo acreditam que, como comunidade cristã, devemos nos manter no mais alto padrão de integridade e que é necessário desenvolver uma estrutura bíblica para a integridade acadêmica em virtude dos problemas de fraude e má conduta acadêmica que podem impactar instituições educacionais globalmente em todos os níveis. Essa estrutura forneceria orientação para aqueles que desejam e buscam obter treinamento acadêmico e responsabilizam instituições que oferecem diplomas acadêmicos e credenciais. Embora a Bíblia não forneça explicitamente exemplos de integridade acadêmica como a definiríamos nos tempos modernos, fornece-nos exemplos de integridade que se alinham aos valores que devem ser praticados em assuntos acadêmicos.

A base para essa estrutura deve ser estabelecida em advertências bíblicas e exemplos de integridade dentro da Bíblia. Um exemplo é demonstrado na vida de José. Em vários casos, a Bíblia relata como a integridade pessoal de José guiou suas decisões, mesmo quando parecia que seguir o caminho mais fácil o teria beneficiado (Gn 37-39). A principal preocupação de José era agradar a Deus: “Como poderia eu, então, cometer algo tão perverso e pecar contra Deus?” (Gn 39:9, NVI).32

Outro exemplo pode ser encontrado na vida de Jó. Embora ele tenha questionado a Deus (Jó 3:11), tenha sido incentivado e tentado a amaldiçoá-Lo (Jó 2:9), tenha experimentado total devastação e trauma pessoal, ele não cedeu em sua integridade e obediência.

O livro de Daniel também fornece vários exemplos do povo de Deus mostrando integridade sob pressão: Daniel, Sadraque, Mesaque e Abednego se recusaram a comer a comida e a bebida do rei quando exilados na Babilônia (Dn 1); Sadraque, Mesaque e Abednego foram jogados na fornalha ardente por não se curvarem a um falso deus (Dn 3); e Daniel foi lançado em uma cova de leões por orar ao Deus do céu em vez de orar ao rei da Babilônia (Dn 6).

Uma vez que todos os seres humanos são falíveis e geralmente têm lapsos de julgamento, há uma necessidade de redenção quando as pessoas estão desinformadas e cometem erros. Infelizmente, no entanto, muitos lapsos de julgamento são o produto de uma decisão intencional de enganar os outros ou obter benefícios ilegítimos para si; ainda assim, mesmo em tais situações, a redenção ainda é uma possibilidade. Um exemplo bíblico é Pedro. Em Mateus 26:69 a 75, apesar de ter passado três anos com Jesus, Pedro negou conhecer quem era Jesus e declarou que não era seguidor do Galileu. Embora esse tenha sido um grande lapso de integridade, Deus capacitou Pedro a pregar o evangelho (At 9:36-43) e a testemunhar poderosamente que os gentios podiam ser seguidores de Cristo (At 10 e 11). A noção de redenção é fundamental nessas situações, principalmente quando indivíduos que cometeram erros expressam remorso. No entanto, a redenção deve ser equilibrada com outros fatores, como a manutenção de padrões acadêmicos e consequências apropriadas por fraude e desonestidade. As consequências de tais ações podem desacreditar a legitimidade de um diploma e potencialmente prejudicar a escola, o empregador, os clientes e a igreja.

Para esse fim, uma estrutura bíblica de integridade acadêmica deve incluir o seguinte:

Para o aluno:

1. Abrace a responsabilidade individual praticando a devida diligência.

Versos como Provérbios 11:14; 14:15; 19: 2; e Mateus 7:733 fornecem uma base bíblica para que os indivíduos assumam a responsabilidade por suas ações, especificamente na área de pesquisa pessoal. Uma pessoa deve exercer a devida diligência ao investigar se deve se inscrever em uma instituição acadêmica. Isso significa garantir que o título, programa e/ou instituição sejam reconhecidos e credenciados pelos órgãos de credenciamento apropriados (igreja, estado e/ou governo). Se a instituição não for credenciada, descubra o motivo. Pode ser que a instituição seja nova e esteja apenas começando o longo processo para se tornar elegível para credenciamento; que o credenciamento não seja necessário (como é o caso de alguns programas de estudo), embora a instituição seja reconhecida e tenha permissão do governo para operar; ou que os requisitos de credenciamento secular exijam que a instituição comprometa seu sistema de crenças, como é o caso de alguns seminários e faculdades bíblicas.34 Além disso, anote e investigue o organismo de credenciamento. Muitas escolas que são realmente fábricas de diploma afirmam ser credenciadas, mas muitas vezes as entidades sob as quais são credenciadas não são reconhecidas por nenhuma fonte legítima no governo ou em uma organização da igreja.

2. Volte atrás se você descobrir informações novas e confiáveis.

Quando os cristãos descobrem informações confiáveis indicando que a direção que estão seguindo ou as decisões que tomaram são incorretas ou impróprias, eles devem fazer imediatamente as mudanças apropriadas. Existem evidências das Escrituras que apoiam esse tipo de ação (veja Tg 5:19 e 20 e 2Pe 3:17 e 18). Quando as pessoas perceberem tardiamente que estão buscando um diploma de uma instituição não credenciada ou fábrica de diploma, elas devem se retirar imediatamente e solicitar um reembolso da taxa de matrícula. Se os indivíduos obtiveram emprego com base na inscrição nesse tipo de programa de graduação, o empregador deve ser notificado sobre o problema. O próximo passo seria a pessoa encontrar uma instituição legítima na qual prosseguir sua formação acadêmica. O exemplo da vontade de Davi de ser honesto com Saul sobre o fato de ele não poder lutar com a armadura de Saul é um exemplo bíblico da bênção da honestidade (1Sm 17:39) – tanto para o indivíduo como para a instituição. Davi provavelmente teria perdido a luta com Golias e causado a derrota israelita se não tivesse tido a coragem de dizer: “Esta armadura não é adequada. Se não posso lutar com o que Deus me deu, então não sou a pessoa certa para esta tarefa.

3. Aceite as consequências apropriadas para suas ações.

Embora tenhamos argumentado a favor da redenção, reconhecemos que as ações têm consequências. Mesmo que alguém não tenha a intenção de enganar ou prejudicar, o dano ainda pode ter ocorrido, e a reparação deve ser feita. A Bíblia está repleta de exemplos de líderes que reconhecem e assumem suas ações ilícitas, mas Deus exigiu que eles ainda passassem por disciplina por suas ações (veja Pv 19:20 e Ec 7:5). Moisés é um exemplo. Em Números 20:1 a 12, os israelitas estavam vagando pelo deserto, sem acesso a água e outras necessidades alimentares. Moisés e seu irmão, Arão, pediram a Deus que desse água ao povo. Deus disse a Moisés que falasse com a rocha e água seria fornecida ao povo. No entanto, Moisés desobedeceu ao bater na rocha com seu cajado. Por ser desobediente, não lhe foi permitido entrar na Terra Prometida, para a qual havia liderado o povo por 40 anos.

Nesses casos, quando as consequências são aplicadas, uma pessoa que cometeu o erro deve reconhecer que está errada. As noções de graça e misericórdia não devem ser empunhadas por uma pessoa culpada para escapar das consequências apropriadas. As pessoas que cometem tais ofensas devem ser humildes, reflexivas e se desculpar por suas ações. Um compromisso com a honestidade e a integridade em ações futuras deve ser a postura da pessoa realmente arrependida.

Para a instituição/igreja:

1. Adote e faça cumprir a responsabilidade corporativa de preservar altos padrões.

Textos nas Escrituras, como 2 Coríntios 8:21 e Filipenses 4:8, descrevem expectativas claras de integridade às quais os cristãos devem aderir. Além do dever do indivíduo de realizar uma pesquisa completa sobre o status de uma instituição, também é responsabilidade de uma organização contratante e de seus administradores realizar uma investigação cuidadosa para garantir que todos os diplomas de seus funcionários ou outras formas de credenciamento sejam legítimos. Os administradores de recursos humanos e os supervisores devem realizar averiguações de antecedentes em todos os funcionários para se certificar de suas credenciais acadêmicas. As universidades adventistas devem examinar cuidadosamente as qualificações apresentadas pelos candidatos para garantir que os diplomas tenham sido obtidos nas escolas credenciadas e que nenhum dos documentos seja fraudulento.

2. Aja com uma bondade que ofereça possibilidade de redenção.

Acima de tudo, se uma pessoa obteve um diploma ilegítimo ou outra forma de credenciamento, a organização contratante deve investigar e tomar as medidas apropriadas. Se uma ação disciplinar for necessária, ela deve ser realizada com o objetivo de equilibrar graça, redenção e justiça. A Bíblia adverte em 1 Pedro 5:10, 2 Pedro 3:9 e Colossenses 3:13 que devemos estender perdão e amor uns aos outros. Esses princípios devem aplicar-se a indivíduos que tenham intencionalmente ludibriado ou enganado a organização contratante, mesmo que isso signifique a remoção de uma posição devido à falta de credenciais apropriadas. A conduta de Deus no deslize de Adão e Eva na árvore do conhecimento do bem e do mal oferece um modelo para abordar as falhas e fragilidades de nossa condição humana e a propensão a procurar satisfazer necessidades legítimas de maneiras ilegítimas. Somos lembrados de que, mesmo antes de Adão e Eva pecarem, Deus tinha um plano por meio de Cristo para resolver o problema do pecado (Gn 3). Da mesma forma, líderes e organizações eficazes devem ser proativos, em vez de reativos, no desenvolvimento de um processo para resolver esse problema de diplomas e credenciais ilegítimos antes que o problema ocorra em sua organização.

Os líderes e educadores adventistas devem evitar se envolver em comportamentos desonestos ou quaisquer ações que possam criar uma percepção inconveniente. Os alunos devem aprender o significado da integridade acadêmica, bem como das consequências desconsideradas, pois podem tê-las em sua vida pessoal e profissional. O livro de Provérbios nos fornece bons conselhos a esse respeito: “A pessoa honesta anda em paz e segurança, mas a desonesta será desmascarada” (Pv 10:9, NTLH).35 É importante evitar ser enganoso, e Provérbios 11:3 declara: “A integridade dos justos os guia, mas a falsidade dos infiéis os destrói” (NVI). E, considerando que, em última instância, os líderes e educadores adventistas prestam contas a Deus, eles devem ser honestos em todas as relações: “Como são felizes os filhos de um pai honesto e direito!” (Pv 20:7, NTLH).

Como evitar instituições de educação superior não respeitáveis

Instituições de ensino superior que oferecem diplomas fraudulentos costumam ser chamadas de fábricas de diploma.36 Essas escolas oferecem programas educacionais de baixa qualidade e não são regulamentadas pelo governo ou por organizações privadas de garantia de qualidade. Todos os professores, administradores e alunos são incentivados a investigar se a escola em que planejam se matricular é credenciada antes de se inscrever. A frequência a escolas não credenciadas e a matrícula em programas não legítimos levará a diplomas não reconhecidos, que governos, programas de pós-graduação e empregadores se recusam a aceitar.37 De acordo com o Departamento de Educação dos Estados Unidos,38 profissionais e estudantes que cursam pós-graduação ou buscam certificações podem evitar organizações fraudulentas considerando os seguintes recursos como bandeiras vermelhas:

  1. A escola oferece cursos rápidos, oferece crédito para experiências de vida e exige menos horas de crédito do que programas similares oferecidos por universidades credenciadas.
  2. As mensalidades são cobradas por título, e não com base nas horas de crédito obtidas pelos alunos.
  3. São oferecidos descontos ou incentivos financeiros a indivíduos dispostos a buscar mais de uma graduação.
  4. Os sites de universidades que citam organismos de credenciamento inexistentes são destrutivos.
  5. Se os perfis e qualificações do corpo docente não forem divulgados, isso indica uma falta de responsabilidade institucional.
  6. A universidade não possui uma localização física real. Endereços vagos ou endereços com nada além de números de caixas postais ou números de salas comerciais são mais uma prova de que a universidade é falsa.
  7. Solicitar aos alunos pagamento antecipado de bolsa de estudos é questionável, sinal de golpe.
  8. Os sites de universidades que terminam em .com provavelmente estão conectados a uma instituição comercial cujo principal motivo é o lucro financeiro. A maioria das universidades legítimas usa a extensão .edu, embora algumas também possam ter um código de país adicionado, enquanto outras podem não ter .edu, mas um URL organizacional. Além disso, sites com links ausentes, arquivos corrompidos que não abrem corretamente, erros de ortografia e gramaticais são provavelmente prova de práticas enganosas. As descrições dos cursos e os materiais promocionais on-line geralmente contêm erros de ortografia e gramaticais.

As recomendações acima podem ajudar qualquer pessoa a investigar a credibilidade de uma instituição de ensino superior. Na próxima seção forneceremos recomendações para ajudar os administradores a investigar a legitimidade de diplomas e credenciais.

Combate à fraude acadêmica: recomendações para administradores

Verificar a legitimidade de diplomas e credenciais é de responsabilidade de todas as organizações e instituições acadêmicas. O secretário acadêmico ou o diretor de recursos humanos deve considerar o seguinte ao verificar as credenciais de um aluno ou funcionário em potencial:

  1. Sequência. Tradicionalmente, um diploma do ensino médio ou técnico precede um diploma universitário, e esse diploma geralmente é obtido antes de um mestrado ou doutorado. Uma lista de diplomas fora de sequência é uma bandeira vermelha, assim como a ausência de qualquer diploma anterior. Por exemplo, um candidato cuja carreira acadêmica salta de bacharel para doutorado sem evidência de ter obtido um diploma de mestrado deve levantar suspeitas, assim como a posse de um diploma de mestrado e/ou doutorado sem prova de um diploma universitário e/ou diploma do ensino médio.
  2. Tempo. Um curso de graduação normalmente exige de três a quatro anos para ser concluído, um mestrado leva de um a dois anos e um doutorado geralmente exige três ou mais anos. Um diploma obtido em um curto espaço de tempo, ou vários diplomas obtidos em um curto período de tempo indicam que algo pode estar errado.
  3. Localização. Com o crescimento da educação on-line e a distância, um indivíduo pode se matricular em uma instituição que fica a alguma distância de sua casa. Se for esse o caso, verifique e se certifique de que a instituição listada é um programa de ensino a distância credenciado.
  4. Nomes que soam familiares, mas não muito certos. Muitas fábricas de diploma tendem a usar nomes que parecem muito semelhantes aos de instituições legítimas. Se o nome da escola parece vagamente familiar, mas não muito convincente, isso merece investigação. O mesmo cuidado se aplica a faculdades e universidades estrangeiras. Se o indivíduo listar uma escola fora do país em que reside atualmente e não houver evidências de que ele tenha morado naquele país, isso deve ser verificado.39

Aqui estão algumas sugestões para verificar a legitimidade dos documentos e participar da devida diligência para identificar credenciais fraudulentas:

  1. Entre em contato diretamente com a instituição. Peça para falar com o departamento de registros acadêmicos. O secretário da escola deve poder confirmar informações factuais, como quando o indivíduo frequentou a escola (datas) e qual o grau que obteve e deve poder fornecer transcrições assim que o solicitante pedir e pagar pelo serviço. Observe que mais e mais fábricas de diploma estão oferecendo “serviços de verificação”, como uma pessoa viva, para responder a perguntas por telefone e enviar por correio informações de verificação. Portanto, é preciso fazer mais do que apenas ligar e conversar com alguém.
  2. Faça uma pesquisa on-line. Esforços concentrados devem ser dedicados à pesquisa da instituição e à verificação dos diplomas obtidos. Só porque uma escola parece e se apresenta como legítima não significa que seja. Verifique se a instituição é credenciada por uma agência de credenciamento reconhecida. A escola possui o credenciamento nacional, regional ou programático apropriado? O nome da escola aparece on-line relacionado a ações judiciais ou a situações questionáveis? Ao ler o site da escola, observe áreas como mensalidade (é cobrada por título ou por créditos, curso ou semestre como é típico na maioria das escolas legítimas?). Quais são os requisitos de graduação? Existem requisitos de programa específicos ou o principal requisito é a experiência de vida e de trabalho? Ligue para as escolas próximas e pergunte se os créditos de transferência da instituição analisada são aceitos por elas. Isso pode fornecer mais informações ou ajudar a alertar outras instituições vizinhas.
  3. Solicite a comprovação do aluno ou funcionário em potencial. Em última instância, é responsabilidade do aluno ou funcionário em potencial comprovar que os diplomas que ele está apresentando foram obtidos de uma instituição credenciada. Isso é especialmente legítimo se essas credenciais forem requisitos para assistência financeira ou posições que a pessoa ocupará.40

O combate à fraude acadêmica requer vigilância em todas as frentes (veja a Figura 1). Instituições acadêmicas e organizações contratantes devem ter políticas fortes de verificação e autenticação que as ajudarão a descobrir as fraudes. Isso inclui supervisão e treinamento de pessoal, compra e implementação do uso de produtos de software que podem identificar e rastrear sinais de alerta, além de um compromisso geral de preservar e manter altos padrões.

Conclusão

A escolha de uma instituição acadêmica é uma decisão muito importante na vida de uma pessoa. Uma quantidade significativa de tempo e recursos financeiros é investida em uma educação de alta qualidade. Portanto, é de vital importância que professores e administradores pesquisem cuidadosamente as instituições nas quais planejam realizar estudos avançados. Os educadores também podem fornecer aos alunos recursos para ajudá-los a fazer o mesmo à medida que se preparam para continuar seus estudos. Armados com uma estrutura para orientar a tomada de decisão e lembrados dos típicos sinais de alerta, eles poderão fazer escolhas esclarecidas.

Os autores deste artigo esperam que as informações fornecidas capacitem os indivíduos a fazer boas escolhas ao selecionar instituições acadêmicas e buscar credenciais e diplomas acadêmicos.


Este artigo foi revisado por pares.

Sydney Freeman Jr.

Sydney Freeman Jr., PhD, é professor associado titular de Aprendizagem Organizacional de Adultos e de Liderança na Universidade de Idaho, em Moscow, Idaho, Estados Unidos. O Dr. Freeman possui certificações nas áreas de capacitação de professores, instrução on-line, gerenciamento executivo e liderança organizacional e é autor de mais de 80 publicações sobre tópicos relacionados à liderança no ensino superior, desenvolvimento de professores e muito mais.

Ibrahim M. Karkouti

Ibrahim M. Karkouti, EdD, é professor assistente no Departamento de Pós-Graduação em Educação da Universidade Americana no Cairo, Egito. A pesquisa do Dr. Karkouti concentra-se em questões de diversidade no ensino superior, nos elementos que auxiliam na facilitação do uso da tecnologia na sala de aula e nos tipos de apoio social que os professores do ensino fundamental e médio precisam adotar para implementar reformas.

Ty-Ron M. O. Douglas

Ty-Ron M. O. Douglas, PhD, é professor associado de Liderança Educacional e Análise de Políticas da Universidade de Missouri (Mizzou), Columbia, Missouri, Estados Unidos. Sua pesquisa explora as interseções entre identidade, comunidade e/ou espaço geopolítico e fundamentos socioculturais de liderança e educação. O Dr. Douglas publicou vários artigos e livros sobre tópicos relevantes para os líderes educacionais por meio de agências como Peter Lang, Teachers College Record e The Urban Review.

Citação recomendada:

Sydney Freeman Jr., Ibrahim M. Karkouti e Ty-Ron M. O. Douglas, “Evitando títulos falsos e fábricas de diplomas: recomendações para educadores e administradores acadêmicos,” Revista Educação Adventista 82:1 (janeiro a março de 2020). Disponívem em: https://jae.adventist.org/pt/2020.82.1.2.

NOTAS E REFERÊNCIAS

  1. Kimberly Joyce Branch, “Access to Higher Education for Black Men: A Narrative Perspective.” Unpublished Master’s thesis, Eastern Illinois University, 2007; Jennifer Merritt, “The Value of a College Degree, Around the Globe,” Linked in (11 de junho de 2013). Disponível em: https://www.linkedin.com/pulse/20130611153023-20195722-the-value-of-a-college-degree-around-the-globe/.
  2. Ibrahim M. Karkouti, “Black Students’ Educational Experiences in Predominantly White Universities: A Review of the Related Literature,” College Student Journal 50:1 (março de 2016): 59-70.
  3. Ibrahim M. Karkouti, “Work and Unemployment in Youth (Egypt).” In Bloomsbury Education and Childhood Studies (London, U.K.: Bloomsbury, 2019). Disponível em: http://dx.doi.org/10.5040/9781350996281.0027; Ann-Marie Bathmaker et al., Higher Education, Social Class and Social Mobility: The Degree Generation (London: Palgrave Macmillan, 2016); U.S. Department of Education, The State of Racial Diversity in the Educator Workforce (Washington, D.C.: U.S. Department of Education, 2016). Disponível em: https://www2.ed.gov/rschstat/eval/highered/racial-diversity/state-racial-diversity-workforce.pdf.
  4. Adventist News Network, “Paul Ratsara Resigns as SID President,” Adventist Review (31 de maio de 2016). Disponível em: https://www.adventistreview.org/church-news/story4047-paul-ratsara-resigns-as-sid-president.
  5. Ardhra Nair, “Police Look for Three Spicer Officials in Fake Degree Case,” The Times of India (20 de maio de 2018). Disponível em: https://timesofindia.indiatimes.com/city/pune/police-look-for-three-spicer-officials-in-fake-degree-case/articleshow/64240016.cms.
  6. Damtew Teferra, “The Need for Action in an Era of Academic Fraud,” University World News (21 de setembro de 2018). Disponível em: https://www.universityworldnews.com/post.php?story=20180918104541112.
  7. Creola Johnson, “Credentialism and the Proliferation of Fake Degrees: The Employer Pretends to Need a Degree; The Employee Pretends to Have One,” Hofstra Labor and Employment Law Journal 23:2 (agosto de 2006): 269-343.
  8. Federal Trade Commission (FTC), “Avoid Fake-Degree Burns by Researching Academic Credentials” (janeiro de 2005). Disponível em: https://www.ftc.gov/tips-advice/business-center/guidance/avoid-fake-degree-burns-researching-academic-credentials.
  9. Ellen G. White, Patriarcas e Profetas, p.130. Disponível em: http://ellenwhite.cpb.com.br/livro/index/2/125/131/a-vocacao-de-abraao.
  10. Bernie Bleske, “Think American Admission’s Fraud is Bad? International Academic Fraud Is Likely Worse” Age of Awareness (13 de março de 2019). Disponível em: https://medium.com/age-of-awareness/think-american-admissions-fraud-is-bad-6982453eafe3.
  11. Dave Anderson, “Choosing a College or University in the USA,” Study USA (25 de abril de 2019). Disponível em: https://www.studyusa.com/en/a/2/choosing-a-college-or-a-university-in-the-usa.
  12. Carly Minsky, “What Impact Does University Reputation Have on Students?” The World University Rankings (Prince Mohammad Bin Fahd University) (4 de maio de 2016). Disponível em: https://www.timeshighereducation.com/student/news/what-impact-does-university-reputation-have-students.
  13. International Center for Academic Integrity, “4th International Day of Action against Contract Cheating” (2019). Disponível em: https://academicintegrity.org/day-against-contract-cheating/. Contract cheating é um termo usado para situações em que os alunos pagam a outros para concluir o trabalho acadêmico, como redigir trabalhos, realizar pesquisas ou concluir tarefas e projetos. Questões adicionais incluem fraudes em admissões e exames, suborno, fábricas de produção de trabalhos e plágio, diplomas forjados e muito mais.
  14. Stefan Trines, “Academic Fraud, Corruption, and Implications for Credential Assessment,” World Education News and Reviews (dezembro de 2017). Disponível em: https://wenr.wes.org/2017/12/academic-fraud-corruption-and-implications-for-credential-assessment.
  15. David W. Chapman e Suzanne L. Miric, “Education Quality in the Middle East,” International Review of Education 55:4 (julho de 2009): 311-344. DOI:10.1007/s11159-009-9132-5; Samar Farah e Soraya Benchiba, Investing in Tomorrow’s Talent: A Study on the College and Career Readiness of Arab Youth (Dubai: Abdulla Al Ghurair Foundation for Education, 2018); World Bank, Education in the Middle East and North Africa (2014). Disponível em: http://documents.worldbank.org/curated/en/284911468273894826/pdf/WPS7127.pdf.
  16. Ibrahim M. Karkouti, “University Faculty Members’ Perceptions of the Factors That Facilitate Technology Integration Into Their Instruction: An Exploratory Case Study in Qatar.” Unpublished EdD diss., University of Hartford, 2016.
  17. Courtney Trenwith, “UAE Residents Caught in Million-dollar, Global Fake Degree Scam,” Arabian Business (19 de maio de 2015). Disponível em: https://www.arabianbusiness.com/uae-residents-caught-in-million-dollar-global-fake-degree-scam-593253.html.
  18. Caroline Akoum, “Lebanon Launches Investigation Into Fake Military Diplomas,” ASHARQ AL-AWSAT (29 de julho de 2018). Disponível em: https://aawsat.com/english/home/article/1346776/lebanon-launches-investigation-fake-military-diplomas.
  19. Edmond Sassine, “Corruption Scandal Hits Universities: Degrees Sold for $9,000,” LBC International (23 de julho de 2018). Disponível em: https://www.lbcgroup.tv/news/d/news-bulletin-reports/391353/report-corruption-scandal-hits-universities-degree/en.
  20. Ibid.
  21. “Kuwait Uncovers 400 Fake University Degrees,” Middle East Monitor (23 de julho de 2018). Disponível em: https://www.middleeastmonitor.com/20180723-kuwait-uncovers-400-fake-university-degrees/.
  22. Jaber Al-Hamoud e Munaif Nayef Al-Seyassah Staff and Agencies, “50 Kuwaitis Holding Forged University Degrees,” Arab Times (19 de julho de 2018). Disponível em:http://www.arabtimesonline.com/news/50-kuwaitis-holding-forged-university-degrees/.
  23. “Some Fake Doctorate Holders Employees of PAAET and KU,” Arab Times (14 de julho de 2017). Disponível em: http://www.arabtimesonline.com/news/fake-doctorate-holders-employees-paaet-ku/.
  24. Ibid.
  25. Abdulateef Al-Mulhim, “Fake Degree Is a Serious Matter,” Arab News (16 de março de 2015). Disponível em: http://www.arabnews.com/columns/news/718806.
  26. Ibid., para. 3.
  27. Ben R. Martin, “Whither Research Integrity? Plagiarism, Self-plagiarism and Coercive Citation in an Age of Research Assessment,” Research Policy 42:5 (junho de 2013): 1.005-1.014. DOI:10.1016/j.respol.2013.03.011.
  28. Robyn Dixon, “Amid Push for Russian Scientific Prestige, Academic Fraud Rampant,” The Washington Post (19 de janeiro de 2020); Dalmeet Singh Chawla, “Russian Journals Retract More Than 800 Papers After ‘Bombshell’ Investigation,” Science 367:6474 (8 de janeiro de 2020). Disponível em: https://www.sciencemag.org/news/2020/01/russian-journals-retract-more-800-papers-after-bombshell-investigation.
  29. Nair, “Police Look for Three Spicer Officials in Fake Degree Case.”
  30. Ibid.
  31. Adventist News Network, “Ratsara Resigns as SID President.”
  32. Genesis 39:9, Nova Versão Internacional (NVI). Bíblia Sagrada, Nova Versão Internacional®, NVI®. Todos os direitos reservados.
  33. Provérbios 11:14; 14:15; 19:2; Mateus 7:7.
  34. Thomas Bartlett, “A College That’s Strictly Different,” The Chronicle of Higher Education 52:29 (março de 2006): A20. Disponível em: https://web.archive.org/web/20090422041405/http://chronicle.com/free/v52/i29/29a04001.htm.
  35. Nova Tradução na Linguagem de Hoje (NTLH). Bíblia Sagrada, Nova Tradução na Linguagem de Hoje© Todos os direitos reservados.
  36. U.S. Department of Education, “Diploma Mills and Accreditation: Diploma Mills” (23 de dezembro de 2009). Disponível em: https://www2.ed.gov/students/prep/college/diplomamills/diploma-mills.html.
  37. Alan Contreras e George Gollin, “The Real and the Fake Degree and Diploma Mills,” Change: The Magazine of Higher Learning 41:2 (2009): 36-43.
  38. Ibid.; U.S. Department of Education, “Diploma Mills and Accreditation: Diploma Mills.”
  39. U.S. Federal Trade Commission, FTC Facts for Business, “Avoid Fake-Degree Burns by Researching Academic Credentials” (fevereiro de 2005). Disponível em: https://www.ftc.gov/system/files/documents/plain-language/bus65-avoid-fake-degree-burns-researching-academic-credentials.pdf.
  40. Ibid.