Best Practices At Work | Craig Mattson

Preparando-se para servir no conselho escolar local do ensino fundamental ao médio

Parabéns! Você acabou de aceitar o convite para participar do conselho escolar local do ensino fundamental ao médio. E agora? Nossas escolas são sagradas, consagradas a Deus. Cada instituição é um elo importante em uma rede global dedicada a educar as crianças em Cristo. Uma nova nomeação ou eleição do conselho escolar é uma chamada para o serviço e, portanto, exigirá preparação para o trabalho. Embora haja muito que possa ser dito sobre o fato de ser um novo membro do conselho, discutirei cinco pontos de melhores práticas que me ajudaram quando comecei meu mandato em conselhos nesse tipo de escola.

1. Aprenda sobre a escola

O primeiro passo para se capacitar para o serviço no conselho é se familiarizar com todas as comunicações e boletins informativos da escola e solicitar cópias mais antigas desses documentos (pelo menos documentos de até três a cinco anos devem ser suficientes). Os novos membros do conselho devem investir tempo para ler as edições atuais e passadas dos boletins escolares e das publicações para se familiarizar com os ritmos da escola e a natureza dos processos escolares. Os novos membros desse conselho administrativo também devem revisar as atas e declarações financeiras anteriores, instruindo-se sobre as questões nas quais a escola tem navegado e as estruturas que regem suas operações.

Em segundo lugar, os novos membros do conselho devem obter treinamento adequado. A maioria das escolas e/ou escritórios de Associações oferece alguma forma de orientação para o conselho escolar. Se nenhuma orientação for oferecida, ainda haverá recursos abundantes disponíveis para os novos membros do conselho administrativo usarem como treinamento. Em 2017, o Departamento de Educação da Divisão Norte-Americana publicou um Manual para Conselhos Escolares das Escolas Adventistas do Sétimo Dia.1 Esta publicação fornece uma visão geral das operações do conselho escolar que cada novo membro do conselho considerará benéfica. O manual cobre questões relativas à organização e função da direção da escola, participação e reuniões efetivas da diretoria, trabalho da subcomissão da diretoria, finanças da escola, currículo e instrução, bem como uma variedade de outros tópicos importantes. Outro recurso que um novo membro do conselho pode acessar é a Adventist Learning Community (ALC - Comunidade Adventista de Aprendizagem),2 que mantém um arquivo de vídeos e cursos de treinamento, incluindo uma série que se concentra especificamente no treinamento e orientação para o conselho da escola. Em seu vídeo de treinamento de uma hora na ALC, Larry Blackmer, ex-vice-diretor de educação da Divisão Norte-Americana, discute as características que contribuem para o sucesso do mandato do conselho escolar. Esses dois recursos fornecem uma orientação adventista distinta que ajudará os novos membros do conselho a entender melhor seu chamado para servir.

2. Entenda a administração e as operações

Em que tipo de conselho você foi chamado para servir? O trabalho do conselho pode ser muito diferente, dependendo do tamanho da escola e da abordagem que o conselho escolar leva à governança e às operações escolares. Muitos conselhos escolares operam como um conselho de administração, preocupado em grande parte com questões gerais de administração, como salvaguardar a filosofia missionária da escola e trabalhar para desenvolver uma visão institucional. Esse trabalho centrado na administração é frequentemente encontrado em escolas maiores, que possuem equipes administrativas fortes para gerenciar as operações do dia a dia da instituição. Essas questões de liderança geralmente estão conectadas às metas de filosofia, propósito e planejamento estratégico de uma escola. Alguns exemplos dessas questões administrativas podem incluir: a escola deve começar um novo programa acadêmico? A diretoria está confortável em alugar a instalação para grupos não adventistas? A escola deveria considerar a compra ou venda de terras? O manual deveria ser mudado para abordar uma nova preocupação ou tendência? Essas questões de nível de liderança podem afetar dramaticamente a cultura da escola, dependendo de como são tratadas pelo conselho. É importante que os novos membros do conselho conheçam a história e a variedade de tópicos tratados pelo conselho. É aqui que uma revisão das últimas atas do conselho se torna um exercício útil.

Um convite para a reunião no conselho escolar é um chamado para servir, e servir a escola muito além da sala de reuniões. No mundo da liderança organizacional sem fins lucrativos, é um padrão da indústria que os conselheiros devam contribuir com seu tempo, experiência e dinheiro para a organização.

Embora todos os conselhos escolares devam lidar com questões administrativas mais amplas, alguns conselhos passam muito tempo concentrados nas operações escolares. Escolas menores que não empregam um administrador em tempo integral geralmente confiam nos membros da diretoria da escola para ajudar nas questões administrativas de “levantamento de peso pesado”. Conselhos escolares que gastam muito tempo com as operações podem lidar com questões do tipo: como consertar equipamentos quebrados do playground, como será organizado o programa de Natal, quando agendar um trabalho voluntário de jardinagem na escola, ou como gerenciar o evento de pré-matrícula da escola. Um conselho escolar que assuma essas tarefas operacionais pode ser de grande ajuda para um diretor que também carrega uma carga de ensino completa. No entanto, um conselho que invista pesadamente em operações não deve negligenciar questões administrativas mais amplas. É extremamente importante que todos os conselhos escolares sejam determinados com relação ao tempo de agendamento para as discussões em nível administrativo. Uma revisão de boletins e publicações escolares pode ajudar a familiarizar os novos membros com as operações gerais da escola.

A gestão do tempo tem uma relação direta com as discussões sobre a administração e operações escolares. As reuniões do conselho variam em duração e frequência. Por exemplo, considere um conselho que se reúne por uma média de duas horas ao mês em um período de 10 meses de programação. Esse conselho escolar terá apenas 20 horas de tempo de reunião por ano letivo. A partir dessa perspectiva, a visualização do tempo de reunião para esse conselho coloca em destaque a necessidade de simplificar as discussões e manter os membros focados em questões relevantes e importantes. Os conselhos escolares altamente eficazes usam o tempo com sabedoria e estabelecem um equilíbrio entre a liderança e as operações certas para a instituição. Como novo membro do conselho, é natural que você questione o valor do tempo e o peso que é dado aos itens da agenda.

3. Seja um diretor doador

Um convite para a reunião no conselho escolar é um chamado para servir, e servir a escola muito além da sala de reuniões. No mundo da liderança organizacional sem fins lucrativos, é um padrão da indústria que os conselheiros devam contribuir com seu tempo, experiência e dinheiro para a organização.3 Essa expectativa é reforçada em nossa igreja pelo Philanthropic Services for Institutions (Serviços Filantrópicos para as Instituições), uma entidade da Divisão Norte-Americana, em seu Model for Academy Philanthropy (Modelo para a Filantropia nas Escolas).4 Essa organização oferece subsídios para os formandos do ensino médio com base no cumprimento de critérios definidos que incluem compromissos financeiros de todos os diretores. Um compromisso financeiro pessoal com a escola deve ser requisito para as nomeações do conselho. Esse compromisso não deve ser visto como um fardo, mas como uma extensão do serviço e uma bênção tanto para o membro do conselho como para a escola. Isso devota a alma do diretor ao trabalho, “pois onde está seu tesouro, lá está também seu coração”.5 O valor dado é muito menos importante do que a benevolência sistemática fornecida à escola pelo agente fiduciário.

Além do compromisso financeiro, os membros do conselho também devem se comprometer em ser servidores públicos e apoiadores da escola. O voluntariado, mesmo que seja de apenas uma ou duas horas por mês, pode fazer uma grande diferença para os professores, administradores, alunos e pais que um membro do conselho venha a atender. O voluntariado não apenas será apreciado, mas também dará ao novo membro do conselho uma visão muito mais íntima da escola, levando a discussões mais bem informadas e decisões mais sábias. Os novos membros do conselho administrativo devem ser criativos ao pensar no voluntariado, e não apenas olhar para o que a escola precisa para funcionar.

Os membros da diretoria podem, de várias maneiras, ser uma bênção para as partes interessadas na escola. Novos membros do conselho poderiam considerar patrocinar um almoço de equipe, organizar um evento de valorização dos pais, voluntariar-se para operar um estande de marketing para a escola em um evento ou feira da comunidade local, oferecer-se para ler com um aluno, ajudar um professor a corrigir seus trabalhos, ou começar um esforço de oração focado. Um compromisso que todos os novos membros do conselho escolar devem assumir é o de mostrar a todos os eventos organizados pela escola.

Os membros do conselho também devem comprometer-se a ser defensores verbais das escolas que servem. Isso significa ser um defensor intencional e uma voz pública positiva para a escola. Um membro fiduciário ou membro do conselho que não pode falar bem da escola que ele ou ela atende deve renunciar à posição: “Se você não pode ser um líder de torcida do seu campus e de seu trabalho, você não pode ser um bom fiduciário, e você deve investir seu tempo em um lugar ou projeto para o qual você pode torcer.”6

4. Pratique a responsabilidade pessoal

O compromisso de servir no conselho escolar deve ser acompanhado de um compromisso sério e fervoroso com a conduta ética. Existem várias maneiras de abusar do poder se o membro do conselho não for consciente de seu papel. A maioria dos conselhos escolares pedirá aos novos membros que assinem declarações relacionadas à confidencialidade e ao conflito de interesses com a intenção de manter as discussões da diretoria privadas. Esse compromisso com a privacidade permite um discurso honesto que é crucial para o sucesso da direção. Conselhos escolares altamente funcionais terão, invariavelmente, discordância e discussão vigorosa antes de se chegar a um consenso. Isso faz parte das operações saudáveis do conselho. No entanto, a conduta ética fora da sala de reuniões é tão crítica quanto a participação dentro da sala de reuniões. Quando se trata das responsabilidades de um membro do conselho, não existe uma conversa casual. Enquanto o desacordo faz parte do processo, os conselhos escolares altamente eficazes emergirão unidos por trás da mensagem de consenso e das decisões que forem tomadas. As conversas e as condutas pessoais de cada membro devem refletir esse consenso.

A importância da conduta apropriada dos membros do conselho fora da sala do conselho administrativo não pode ser exagerada. O conselho escolar local tem ampla autoridade. No entanto, essa autoridade é uma autoridade delegada e existe somente quando o conselho for oficialmente chamado à ação. Em outras palavras, a autoridade existe dentro do corpo do conselho, e não em um membro isolado. Essa observação deve informar adequadamente a conduta de um membro do conselho dentro e fora da comissão. Os membros da diretoria devem evitar comportamentos como vazamento de informações sigilosas, discordar publicamente das ações votadas em diretoria, exercer influência gerencial sobre professores ou administradores escolares ou usar a participação na diretoria para obter ganhos pessoais ou para beneficiar familiares e/ou amigos. Um chamado para atuar no conselho da escola local também é um chamado à integridade pessoal.

5. Reconheça que sua participação terá um fim

Os termos de atuação do conselho não duram para sempre. Eventualmente, a tarefa será concluída e o membro do conselho terá a oportunidade de fazer uma retrospectiva de seu trabalho. A satisfação será encontrada em um trabalho bem-feito. À medida que os membros do conselho refletem sobre seu trabalho, a satisfação deve ser encontrada no fato de terem sido bons administradores dos recursos financeiros confiados ao conselho e também terem defendido intencionalmente e ativamente a escola, tanto na igreja como em locais específicos na esfera mais ampla da comunidade. Um termo de serviço bem-sucedido terá apoiado as necessidades materiais da escola, bem como as necessidades emocionais, sociais e espirituais de seus professores. Por fim, um mandato bem-sucedido do conselho incluirá uma voz que claramente contribuiu para moldar uma visão institucional estimulante, guiando a escola para um futuro mais forte. Nas escolas adventistas, há uma satisfação eterna no trabalho que leva nossos filhos e jovens a um relacionamento amoroso com Jesus Cristo. Um chamado para servir em um conselho não é nada menos do que um chamado para se engajar em um dos ministérios mais antigos, mais difíceis e mais recompensadores de nossa igreja. Você foi chamado para servir – arregace as mangas e comece a trabalhar!


Este artigo foi revisado por pares.

Craig Mattson

Craig Mattson, MAT, é vice-presidente de Educação da Associação de Washington dos Adventistas do Sétimo Dia, Federal Way, Washington, Estados Unidos. Anteriormente a essa nomeação, ele atuou como diretor da Northwest Christian School, em Puyallup, Washington, Estados Unidos, e diretor da Tulsa Adventist Academy, em Tulsa, Oklahoma, Estados Unidos. Ele obteve um mestrado em Ensino pela Universidade Andrews, Berrien Springs, Michigan, Estados Unidos, e um bacharelado em Ciências Comportamentais pelo Newbold College, em Bracknell, Inglaterra. O Sr. Mattson atuou como presidente da diretoria da Washington Federation of Independent Schools e do Conselho de Educação da União do Pacífico-Norte. Ele também atuou em muitas equipes de credenciamento escolar.

Citação recomendada:

Craig Mattson, “Preparando-se para servir no conselho escolar local do ensino fundamental ao médio,” Revista Educação Adventista 81:1 (Janeiro–Março, 2019). Available at https://jae.adventist.org/pt/2019.81.1.9.

NOTAS E REFERÊNCIAS

  1. NAD Education Leader Handbook Series. Disponível em: http://adventisteducation.org/resources/administration/handbooks_manuals; https://nad-bigtincan.s3-us-west-2.amazonaws.com/leadership%20resources/administration/handbooks%20%26%20manuals/SchoolBoard_Manual.pdf.
  2. Adventist Learning Community. Disponível em: https://www.adventistlearningcommunity.com/.
  3. Jim Lanier, Grant Callery e Peter N. Smits, “Cultivating a Culture of Philanthropy: How Boards Can Make a Difference,” Trusteeship Magazine 22:4 (julho/agosto de 2014). Disponível em: https://agb.org/trusteeship-article/cultivating-a-culture-of-philanthropy-how-boards-can-make-a-difference/ 
  4. Philanthropic Services for Institutions: Model for Academy Philanthropy. Disponível em: http://philanthropicservice.com/programs/model-for-academy-philanthropy/.
  5. Mateus 6:21, versão Almeida Revista e Atualizada (ARA). Bíblia Sagrada, Copyright © Todos os direitos reservados.
  6. Anônimo, “Memorandum,” The Journal of Adventist Education 70:5 (verão de 2008):13. Disponível em: http://circle.adventist.org/files/jae/en/jae200870051303.pdf.